Cláudia Neto: "Jogar à Portugal e tentar surpreender"

Capitã de Portugal na primeira participação num UEFA Women's EURO, Cláudia Neto, ou CN7, fala ao UEFA.com, entre outros assuntos, antes da difícil estreia no Grupo D, esta quarta-feira, frente à Espanha.

Cláudia Neto festeja um dos seus três golos marcados por Portugal à Finlândia, em Setembro, na qualificação para o UEFA Women's EURO 2017
Cláudia Neto festeja um dos seus três golos marcados por Portugal à Finlândia, em Setembro, na qualificação para o UEFA Women's EURO 2017 ©FPF

Jogadora mais internacional por Portugal no activo, com 106 jogos e 14 golos, a centrocampista Cláudia Neto, de 29 anos – ou CN7, como é habitualmente tratada – vai ser a capitã da primeira selecção portuguesa presente num UEFA Women's EURO. Desde 2014 a actuar na Suécia ao serviço do Linköping, Cláudia Neto recorda o importante "hat-trick" frente à Finlândia e fala da difícil estreia de Portugal com a Espanha, esta quarta-feira, no Grupo D do EURO Feminino 2017.

Sobre ser a capitã na estreia de Portugal num EURO Feminino...

É um orgulho poder ser capitã desta selecção, a primeira a participar no Europeu, deixa-me muito feliz. É um grupo fantástico, somos muito unidas.

Sobre a alcunha de CN7...

Sinto-me confortável com essa alcunha, já estou habituada. É engraçado ouvir CN7 porque sou comparada ao melhor jogador do mundo [Cristiano Ronaldo, CR7] e isso só tem de deixar-me orgulhosa.

Sobre o “hat-trick” à Finlândia e o “play-off com a Roménia...

Cláudia Neto em acção por Portugal no
Cláudia Neto em acção por Portugal no©FPF

O jogo com a Finlândia foi muito especial para mim. A equipa foi fantástica, a perder por 2-0 conseguiu dar a volta e ganhar 3-2. A vitória deu-nos o impulso para continuarmos a sonhar com o Europeu. O confronto com a Roménia vai ficar marcado nas nossas vidas.

Sobre os melhores golos da carreira...

É difícil dizer quais foram os melhores golos no meu percurso na selecção nacional, mas os que marcaram mais, sem dúvida, foram aqueles três contra a Finlândia. E depois o golo contra a República da Irlanda que nos permitiu ir ao “play-off”.

Sobre jogar na Suécia pelo Linköping...

Evoluí muito desde que fui para a Suécia, tanto a nível profissional como pessoal. Já era dotada tecnicamente, mas faltava-me a vertente física e aí evoluí bastante para poder estar à altura das melhores do mundo.

Sobre a estreia no EURO Feminino com a Espanha...

Portugal estreia-se no Grupo D frente à Espanha
Portugal estreia-se no Grupo D frente à Espanha©Getty Images

Começamos com um jogo muito difícil, pois a Espanha é muito forte e tem jogadoras muito boas tecnicamente e acima da média. A Espanha faz um futebol muito apoiado, gosta de trocar a bola e de cansar o adversário. Penso que vai ser um jogo muito cansativo para nós, vamos correr muito atrás da bola e defender muito, mas também temos as nossas armas e vamos tentar contrariar o jogo delas da melhor maneira possível.

Sobre se Portugal pode surpreender...

Sabemos que somos a equipa com o ranking mais baixo, mas se estamos no Europeu é porque temos qualidade e merecemos lá estar. Vamos ao Europeu para dignificar a nossa camisola e dar o nosso melhor. Queremos jogar à Portugal e vamos tentar surpreender, mas temos os pés bem assentes na terra porque vamos defrontar selecções muito fortes. Espero que esta seja a primeira de muitas presenças de Portugal em fases finais. Estamos a trabalhar para isso, tem sido progressivo.

Sobre os favoritos no EURO Feminino com a Alemanha à cabeça...

Não há equipas imbatíveis. O futebol feminino tem evoluído bastante e há muitas equipas ao mesmo nível, bastante competitivas. Vai ser um Campeonato da Europa muito interessante e competitivo.

Topo