Do começo tremido ao apuramento de Portugal na Roménia

Com apenas três pontos nas primeiras quatro jornadas da fase de grupos, Portugal somou dez em 12 possíveis nas restantes antes de eliminar a Roménia no "play-off".

As jogadoras de Portugal festejam após o golo de Andreia Norton frente à Roménia
As jogadoras de Portugal festejam após o golo de Andreia Norton frente à Roménia ©FPF

O feito inédito alcançado por Portugal na Roménia constituiu o culminar de seis jogos em que as jogadoras de Francisco Neto contrariam todas as probabilidades e carimbaram o acesso à fase final do UEFA Women's EURO 2017.

A inédita chegada de Portugal ao torneio a disputar na Holanda, de 16 de Julho a 6 de Agosto de 2017, assentou numa reacção excelente a um início de apuramento que fez prever o pior dos cenários, já que à quarta jornada a equipa somava apenas três pontos.

Inserida no Grupo 2 ao lado das poderosas Espanha e Finlândia, a equipa portuguesa tinha como horizonte então a qualificação para o “play-off” – para o qual se apuravam os dois piores segundos classificados dos oito grupos –, mas as derrotas na recepção à República da Irlanda (1-2) e à Espanha (1-4), intervaladas por um triunfo gordo, em Novembro, por 6-1 sobre Montenegro e novo desaire frente às espanholas (2-0) deixavam muito pouca margem de manobra.

Retomando a fase de qualificação na mesma altura em que a selecção masculina competia em França rumo à vitória no UEFA EURO 2016, as lusitanas deram novo ímpeto ao conseguirem quatro pontos nas visitas a Montenegro (3-0) e à Finlândia (0-0).

Na Trofa, num jogo emocionante, Portugal esteve a perder por 2-0 e conseguiu vencer a Finlândia, por 3-2, com um "hat-trick" da capitã Cláudia Neto, antes da viagem à República da Irlanda, onde só interessava ganhar e esperar uma ajuda da Espanha diante das finlandesas. Os resultados conjugaram-se e a vitória em Dublin, por 1-0, chegou com mais um tento daquela que é conhecida por "CN7".

Cláudia Neto festeja um dos golos do
Cláudia Neto festeja um dos golos do©FPF

Seguiu-se o “play-off” e a Roménia, num apuramento que começou com Cláudia Neto, melhor marcadora de Portugal na fase de apuramento (seis golos e três assistências em dez jogos), a desperdiçar uma grande penalidade madrugadora no empate 0-0 no Estádio do Restelo, em Lisboa, onde foi batido o recorde de assistência num jogo da selecção feminina: 3415 espectadores. No entanto, em Cluj, o tento de Andreia Norton no prolongamento valeu ouro, apesar do empate final 1-1 alcançado pouco depois por Laura Rus.

Colocado no Pote 4, Portugal fica a saber a 8 de Novembro quem serão os seus adversários na fase final a decorrer no Verão de 2017 na Holanda.

Topo