Islândia empata Noruega ao cair do pano

Noruega 1-1 Islândia
Margrét Lára Vidarsdóttir converteu um penalty aos 87 minutos e permitiu à Islândia começar o Grupo B com um empate.

Margrét Lára Vidarsdóttir (Nº9) comemora o golo do empate
Margrét Lára Vidarsdóttir (Nº9) comemora o golo do empate ©Sportsfile

Margrét Lára Vidarsdóttir converteu uma grande penalidade a três minutos do final e permitiu à Islândia somar o primeiro ponto em fases finais de um Campeonato da Europa Feminino, enquanto a Noruega deixou escapar a vantagem conseguida no início do encontro do Grupo B.

Depois de ter visto a anfitriã Suécia desperdiçar duas grandes penalidades na véspera, a atacante islandesa manteve a calma e juntou mais um golo aos 11 conseguidos na qualificação. As norueguesas, que já foram por duas vezes campeãs da Europa, lamentaram as oportunidades desperdiçadas depois de Kristine Hegland ter inaugurado o marcador.

A Islândia, que perdeu os três jogos na estreia em fases finais há quatro anos, teve muita posse de bola nos minutos iniciais, com Sara Björk Gunnarsdóttir a conseguir ditar o ritmo e a impor a sua presença física nos duelos a meio-campo.

A Noruega conjugou a experiência da veterana Solveig Gulbrandsen com a velocidade e capacidade técnica de Caroline Graham Hansen para criar perigo pela direita. Hansen teve boas oportunidades para cruzar, mas a Islândia mostrou-se bem organizada e afastou o perigo.

O primeiro golo surgiu aos 26 minutos, depois de uma subida ao ataque de Ingrid Hjelmseth. A norueguesa transportou a bola, mas foi Kristine Hegland que investiu para a baliza e isolou-se face a Gudbjorg Gunnarsdóttir, fazendo a bola embater no poste esquerdo antes de entrar na baliza.

Gulbrandsen dispôs logo a seguir de um boa oportunidade para aumentar a vantagem, mas cabeceou ao lado. Hansen atirou às malhas laterais e Ada Hegerberg desferiu um remate que levou a bola a atravessar toda a área. A Noruega justificou plenamente a vantagem ao intervalo.

A reacção da Islândia foi liderada por Sara Björk Gunnarsdóttir e Hólmfríður Magnúsdóttir. A segunda teve uma boa oportunidade no reinício do encontro, mas não aproveitou, enquanto a sua parceira do meio-campo não conseguiu emendar um cabeceamento seu.

Hegerberg teve duas boas oportunidades de dar uma vantagem mais confortável à Noruega e a equipa pagou um preço elevado quando Gunnarsdóttir, que evitou sempre o fora-de-jogo, surgiu desmarcada e foi derrubada por Marit Christensen. A Islândia converteu o castigo máximo e teve de resistir a alguns sustos, antes de poder comemorar a conquista de um ponto com grande significado.