O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Fractura não quebra ambição de White

Imediatamente após o triunfo de Inglaterra nos quartos-de-final frente à Finlândia, Faye White viajou até ao seu país para ser operada ao maxilar, mas está de regresso para a final.

Faye White abraça Kelly Smith após o triunfo nas meias-finais
Faye White abraça Kelly Smith após o triunfo nas meias-finais ©Getty Images

Na quinta-feira passada, imediatamente após o triunfo de Inglaterra nos quartos-de-final do UEFA WOMEN’S EURO 2009™ frente à anfitriã Finlândia, Faye White viajou até ao seu país para ser operada ao maxilar que havia fracturado. Uma semana depois, poderá erguer o troféu.

Operação
A defesa do Arsenal LFC ultrapassou a última de uma série de lesões graves e conseguiu a titularidade na fase final, mas, no fim da primeira parte do encontro dos quartos-de-final em Turku, foi obrigada a deixar o terreno de jogo após ter chocado de cabeça com uma adversária. Transportada para Inglaterra, White não perdeu tempo e regressou a horas da meia-final, na qual as inglesas bateram a Holanda, em Tampere, por 2-1, após prolongamento. Agora, poderá jogar a final de Helsínquia, na quinta-feira, frente à Alemanha, com uma máscara de protecção.

Para trás e para a frente
"Literalmente, assim que o jogo frente à Finlândia acabou, regressei a Helsínquia e voei para Inglaterra, fui operada na sexta-feira, voei de volta no sábado e regressei tarde ao hotel", explicou White ao uefa.com. "Detestaria não ter estado lá para ver. Foi bastante cansativo, mas os dias de dores, frustração, desilusão e decepção pessoais foram recompensados por a equipa ter jogado bem e se ter qualificado para a final".

Nervos
White admite que não é uma boa espectadora. "Eu estava em todo o lado, de um lado para o outro. Os nervos são ainda piores quando estamos a ver, pois não podemos fazer nada", confessou. No entanto, estava muito bem assim que a partida terminou, com um triunfo alcançado a quatro minutos de um possível desempate por grandes penalidades. "Foi emocionante até ao final", admitiu White. "Creio que tivemos as melhores ocasiões, mas foi excelente. Após o nosso arranque na fase final [uma derrota, por 2-1, com a Itália], podermos dizer que estamos na final. O mérito é das raparigas, que lutaram bastante, e agora estamos na final".