Derrota do Paris "amarga" para Delannoy e Krahn

Sabrina Delannoy sentiu que faltou "cabeça fria" ao Paris na derrota por 2-1 frente ao Frankfurt; Annike Krahn classificou de "amargo" o golo sofrido nos descontos.

Sabrina Delannoy lidera a comitiva do Paris no momento da entrega das medalhas à turma gaulesa
Sabrina Delannoy lidera a comitiva do Paris no momento da entrega das medalhas à turma gaulesa ©Sportsfile

Sabrina Delannoy sente que faltou "cabeça fria" ao Paris na derrota por 2-1 na final com o Frankfurt
Capitã das parisienses afirma após a derrota ao cair do pano: "O Frankfurt foi melhor do que nós"
Annike Krahn não encontra explicação para o mau início de jogo do Paris e admite que o golo tardio deixa um "sabor amargo"

Sabrina Delannoy, defesa do Paris
Penso que faltou cabeça fria, algo que as nossas adversárias tiveram mais do que nós, pelo menos no ataque. Ainda conseguimos restabelecer a igualdade, mas tudo acabou por se decidir nos pequenos detalhes e foram elas a vencer. Podíamos ainda ter voltado a empatar, na última jogada do encontro, mas o destino não o quis.

O Frankfurt foi melhor do que nós esta tarde. Temos de aprender as lições desta derrota de forma a sermos mais fortes na próxima época. Era a nossa primeira vez, por isso espero que o próximo ano seja do Paris Saint Germain.

Annike Krahn, defesa do Paris
Marcámos menos um golo do que o nosso adversário, por isso há que lhe dar os parabéns pela conquista deste título. Fica um sabor amargo pelo golo sofrido daquela forma, no último minuto.

Não sei explicar por que razão começámos o jogo de forma tão lenta. Sofremos o primeiro golo, ainda conseguimos reagir e chegar ao empate. A partir do final do primeiro tempo começámos a jogar melhor, mas não se pode sofrer um golo assim, em cima do apito final, como nós sofremos. O Frankfurt criou mais ocasiões de golo e estamos tristes por não termos mostrado verdadeiramente aquilo que somos capazes de fazer.

Topo