Wolfsburgo - Lyon: gigantes do futebol feminino em confronto

Este domingo, em San Sebastián, acontece o mais recente capítulo de uma luta épica de sete anos pela supremacia europeia.

Alex Popp (Wolfsburg) e Wendie Renard (Lyon) durante o confronto entre as duas equipas em 2019
Alex Popp (Wolfsburg) e Wendie Renard (Lyon) durante o confronto entre as duas equipas em 2019 AFP via Getty Images

Pela quarta vez em oito anos, Wolfsburgo e Lyon vão defrontar-se na final da UEFA Women's Champions League. Analisamos a rivalidade que dominou o futebol europeu nas últimas temporadas.

Cinco factos importantes

  • Este será a quarta final entre as duas equipas (todas desde 2013), batendo o anterior recorde de três do FFC Frankfurt - Umeå entre 2002 e 2008.
  • O Wolfsburgo é a única equipa que bateu o Lyon no tempo regulamentar numa final, em 2013; essa foi também a primeira derrota oficial do OL ao fim de 90 minutos em 120 jogos.
  • O Lyon eliminou o Wolfsburgo nas últimas quatro temporadas; a outra única equipa a ter afastado as Lobas foi o Paris Saint-Germain nas meias-finais de 2014/15 (tinham anteriormente batido o Lyon nos oitavos-de-final na derradeira ocasião até à data em que o OL foi eliminado).
  • Os seis títulos do Lyon e as nove presenças em finais são recordes; o registo do Wolfsburgo de dois títulos e cinco presenças em finais apenas é superado pelo Frankfurt (quatro e seis).
  • O Lyon foi a última equipa a vencer o Wolfsburgo em jogos oficiais, por 4-2 fora, em Março de 2019, na segunda mão dos quartos-de-final desta competição.

Os jogos

Final de 2013:

O Wolfsburgo festeja em 2013
O Wolfsburgo festeja em 2013Getty Images

23/05/13 (Stamford Bridge, Londres): Wolfsburgo 1-0 Lyon (Müller 73p)

  • O Lyon, à procura do terceiro título consecutivo, feito sem precedentes e que atingiu a quarta final seguida, igualmente recorde, não tinha perdido durante os 90 minutos desde a derrota fora, por 1-0, contra o Torres, de Itália, mais de dois anos antes, nos quartos-de-final da então Taça UEFA Feminina (numa eliminatória que lideravam após a vitória por 3-0 na primeira mão). No entanto, o Wolfsburgo, na altura estreante na Europa, teve outras ideias e venceu com uma grande penalidade apontada por Martina Müller. Imitaram as outras equipas alemãs do Frankfurt, Turbine Potsdam e Duisburgo ao triunfarem na sua primeira época na UEFA e, um ano depois, revalidaram o título graças a um golo de Müller em Lisboa.

Final de 2016:

26/05/16 (Stadio Città del Tricolore, Reggio Emilia): Wolfsburgo 1-1, 3-4pens Lyon (Popp 88, Hegerberg 12)

  • O Lyon foi eliminado nos oitavos-de-final em 2013/14 e 2014/15, mas voltou à final em 2016 e tinha o Wolfsburgo à espera, após uma caminhada em que deixou pelo caminho nomes como Atlético, Chelsea, Frankfurt e Paris. Ada Hegerberg, já com 12 golos até à final, marcou cedo aquele que parecia ser o golo da vitória, antes do tento de cabeça de Alex Popp. Popp converteu e Hegerberg falhou a sua penalidade no desempate, mas Sarah Bouhaddi negou os intentos a Nilla Fischer e a Élise Bussaglia, ex-companheira de equipa no Lyon, permitindo a Saki Kumagai fazer o mesmo que fez pelo Japão na final do Campeonato do Mundo Feminino da FIFA de 2011 e converter o penálti da vitória.

Quartos-de-final de 2017:

23/03/17: Wolfsburgo 0-2 Lyon (Abily 62, Marozsán 74)
29/03/17
: Lyon 0-1 Wolfsburgo (Graham Hansen 82p)

  • Camille Abily teve a sorte do seu lado num remate cruzado, antes da inspirada Dzsenifer Marozsán colocar o Lyon no controlo da eliminatória. O triunfo do Wolfsburgo na segunda mão, graças ao penálti de Caroline Graham Hansen que provocou um final de jogo intenso, revelou-se em vão, mas foi a primeira vez que o Lyon perdeu em casa, em qualquer competição, desde que tinha sido afastado da Europa pelo Paris em Novembro de 2014.

Final de 2018:

Resumo da final de 2018: Wolfsburgo 1-4 Lyon (ap)
Resumo da final de 2018: Wolfsburgo 1-4 Lyon (ap)

24/05/18 (Kiev): Wolfsburgo 1-4ap Lyon (Harder 93; Henry 98, Le Sommer 99, Hegerberg 103, Abily 116)

  • Os primeiros 90 minutos não tiveram grande história, mas ninguém vai esquecer o prolongamento. Pernille Harder abriu o marcador, mas o Lyon lançou então Shanice van de Sanden e Delphine Cascarino, sobre quem Popp fez falta e que valeu à jogadora do Wolfsburgo o segundo cartão amarelo e consequente expulsão. O Lyon aproveitou ao máximo o facto: Amandine Henry empatou a partida, Van de Sanden assistiu Eugénie Le Sommer na reviravola, Hegerberg apontou o seu 15º golo da época, registo recorde, e outra suplente, Camille Abily, fechou a contagem no seu penúltimo jogo antes de retirar-se.

Quartos-de-final de 2018/19:

20/03/19: Lyon 2-1 Wolfsburgo (Le Sommer 11, Renard 18; Fischer 64)
27/03/19
: Wolfsburgo 2-4 Lyon (Harder 53 56; Marozsán 8, Renard 25p, Le Sommer 60 80)

  • O golo fora de Nilla Fischer deu esperança ao Wolfsburgo para a segunda mão, mas as alemãs acabaram por sofrer a primeira derrota em casa em todas as competições desde o desaire com o Lyon, por 2-0, praticamente dois anos antes. O Wolfsburgo não perdeu desde então.

Ligações e curiosidades

  • Bouhaddi, Wendie Renard e Le Sommer, do Lyon, participaram em todos os sete jogos, tal como Popp, do Wolfsburgo.
  • Lara Dickenmann, agora no Wolfsburgo, saltou do banco pelo Lyon na final de 2013..
  • Bremer, recente contratação do Wolfsburgo, jogou pelo Lyon nas duas mãos dos quartos-de-final de 2017, bem como na final de 2016, na qual fez a assistência para o golo de Hegerberg.
  • Sara Björk Gunnarsdóttir ingressou no mês passado no Lyon proveniente do Wolfsburgo, pelo qual defrontou o seu futuro clube na final de 2018 e em ambas as mãos dos confrontos de 2017 e 2019.