O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Marta com pensamento no Tyresö

"Nunca pensei tanto numa só coisa", disse Marta ao UEFA.com na antevisão da final, onde falou da motivação do Tyresö e de como se sente em casa na Suécia.

Marta com pensamento no Tyresö
Marta com pensamento no Tyresö ©UEFA.com

Dez anos depois de ter sido decisiva na sensacional vitória do Umeå IK, por um total de 8-0, na final da UEFA Women's Cup sobre o 1. FFC Frankfurt, Marta espera voltar a conquistar outro título europeu por um clube sueco ante um adversário alemão.

Marta, desta feita, depois de perder pelo Umeå em 2007 e 2008, é a estrela maior do Tyresö FF, clube que vai disputar a final da rebaptizada UEFA Women's Champions League contra o VfL Wolfsburg, na quinta-feira, em Lisboa. A avançada brasileira, de 28 anos, falou ao UEFA.com sobre a possibilidade de ganhar outro título, da motivação no plantel do Tyresö depois dos problemas financeiros e de por que é que vão enfrentar "a melhor equipa do mundo".

UEFA.com: O que significa chegar de novo à final?

Marta: Como desportista, queremos competir ao mais alto nível. É mais outra oportunidade nas nossas carreiras, a de estar a disputar a maior prova de clubes no futebol feminino. A Champions League é uma prova que qualquer atleta de topo sonha em jogar, ganhar, ou tentar chegar o mais longe possível. Estamos muito satisfeitas por atingir a final e, claro, vamos dar tudo para tentar ganhar e trazer o troféu para casa connosco.

Trabalhámos tanto para atingir esta final! Estamos muito motivadas. Nunca pensei tanto numa só coisa. Nesta altura, estou focada na Champions League. Claro que há os jogos do campeonato sueco, temos outras exigências. Mas tudo gira à volta da Champions League.

Sem dúvida que é uma honra, um grande privilégio poder passar por este momento de novo. Vivi esta oportunidade quando tinha 18 anos, no Umeå, o meu primeiro clube na Suécia. Conseguimos ganhar nessa altura. Hoje, dez anos depois, tenho a mesma oportunidade com outra equipa, de continuar a fazer história no futebol feminino.

UEFA.com: O que podemos esperar desta final em Lisboa?

Marta: Será um grande jogo, sem dúvida. Vamos defrontar a melhor equipa do mundo - a actual detentora da Champions League, um conjunto difícil pois tem muitas jogadores de grande nível. As equipas alemãs têm uma grande tradição em chegar às finais da Champions League e ganhar. Será um grande jogo contra o melhor adversário. Mas, por outro lado, nós temos um grande conjunto também. Estamos motivadas, acreditamos muito e queremos deixar a nossa marca no futebol europeu.

UEFA.com: Uma vitória agora será sentida de maneira diferente da de 2004?

Marta: Com esta equipa, a sensação será diferente, sem qualquer dúvida, porque não temos as mesmas raízes: somos uma equipa nova que não joga assim há tanto tempo junta como acontecia no Umeå. Não temos a mesma tradição que o Umeå tinha. Por isso é diferente. A sensação será a de que o trabalho terá sido feito, trabalhámos juntas durante todo este tempo para, por fim, conseguirmos o objectivo. Será algo que guardaremos para o resto das nossas vidas, independentemente de ficarmos ou não aqui.

UEFA.com: Foi eleita a Melhor Jogadora do Mundo pela FIFA em cinco ocasiões, pelo que como avalia a qualidade desta equipa do Tyresö?

Marta: A qualidade é muito alta, temos jogadoras que podem, em dois ou três minutos, no último minuto de um jogo, decidi-lo. Temos jogadoras de topo, de países diferentes, de culturas diferentes, mas que, quando entram em campo, jogam como equipa com um único objectivo e é assim que temos feito bem até aqui.

Temos excelentes guarda-redes, excelentes defesas e centrocampistas, depois a Verónica [Boquete], a [Caroline] Seger, a Lisa Dahlkvist – que, para mim, é uma das melhores centrocampistas defensivas, é fantástica. Pode-se dizer que ela é o coração da equipa, ela é a jogadora-chave no meio-campo que pauta todo o jogo e, no ataque, temos jogadoras como a Christen Press, que improvisa, que pode marcar golos do nada, golos fantásticos.

Para ver a entrevista na totalidade, carregue no botão do vídeo acima.