O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Wolfsburgo desafia Lyon cheio de estrelas

O Lyon aponta à inédita terceira vitória consecutiva na prova em Stamford Bridge,mas o estreante Wolfsburgo espera conquistar o título à primeira tentativa.

Treino do Lyon em Stamford Bridge
Treino do Lyon em Stamford Bridge ©Getty Images

O Olympique Lyonnais aponta a uma inédita terceira vitória consecutiva na final da UEFA Women's Champions League, na quinta-feira, em Stamford Bridge, frente ao VfL Wolfsburg que atinge a disputa do troféu na sua primeira participação na competição.

O Lyon está na sua quarta final consecutiva, todas contra equipas alemãs, tendo perdido com o 1. FFC Turbine Potsdam, nas grandes penalidades, em Getafe, em 2010, derrotando-os no ano seguinte, em Craven Cottage, pelo mesmo resultado (2-0) com que bateu o 1. FFC Frankfurt, em Munique, há um ano. Patrice Lair tornou-se na treinadora depois da primeira final e nos três anos que leva ao comando da equipa ainda não perdeu para além do minuto 90, sendo que esta temporada o Lyon marcou 216 golos em 34 partidas, ganhando pelo sétimo ano consecutivo o título francês.  

"Estamos a realizar uma proeza incrível e que será difícil de igualar no futuro", disse Lair. “Pensamos num jogo de cada vez, mas o mais importante será ter um bom desempenho amanhã. Será extraordinário para mim, para as jogadoras e para o clube. No Lyon, tem sido sempre assim e eu espero ganhar mas estou preparada para o momento em que as coisas não correrem tão bem."

Como se já não fosse difícil o suficiente para o seu homólogo Ralf Kellermann, a equipa do Wolfsburgo não vai poder contar a centro-campista Viola Odebrecht, que está suspensa, nem com a defesa Verena Faisst (doente) ou a avançada Selina Wagner (lesionada), enquanto a atacante Alexandra Popp sofreu uma lesão num tornozelo e está a submeter-se a testes de aptidão. "Definitivamente o Lyon é favorito", disse Kellermann. "Elas não perdem há três anos e tem melhores jogadoras em todas as posições, pelo que são favoritas."

Lair, que apenas não poderá contar com a avançada Laëtitia Tonazzi, lesionada, comparou o Wolfsburgo ao primeiro adversário alemão do Lyon. "São equipas diferentes. O Potsdam era uma formação mais poderosa, com jogadoras fortes fisicamente. O Wolfsburgo joga mais com o colectivo. Apesar de terem jogadoras lesionadas possuem uma equipa muito boa a jogar em 4x4x2."

Kellermann, depois de há duas semanas ter conduzido o Wolfsburgo - que nunca tinha ganho um título - à "dobradinha" no futebol alemão, concorda. "Antes do início da temporada na Alemanha, o Frankfurt era considerado como tendo o melhor plantel. Nós também temos boas jogadoras, mas jogamos como uma unidade, que é a nossa grande força e é assim que vamos para este encontro."

Tendo treinado na terça-feira em Craven Cottage - cenário da vitória de estreia do Lyon, há dois anos –, o Wolfsburgo espera imitar os três vencedores anteriores alemães – o Frankfurt, o Potsdam e o FCR 2001 Duisburg -, que conquistaram sempre o troféu à primeira tentativa. "Eu vi as finais em Fulham e em Munique", disse Kellermann. "O Lyon obviamente que mereceu ganhar. Mas vamos jogar um novo jogo, será decidido nos 90 ou 120 minutos e cada equipa tem uma oportunidade pelo que vamos muitos motivados."