Lyon bate Paris e conquista quarto título

Pelo segundo ano consecutivo, o Lyon necessitou do desempate por penalties para vencer a final, levando desta feita a melhor sobre o rival francês Paris Saint-Germain, em Cardiff.

UEFA Women's Champions League Final - Olympique Lyonnais v Paris St Germain
©Sportsfile

Foi uma época histórica para o Lyon na UEFA Women's Champions League, com a turma francesa a igualar os recordes de seis finais disputadas e de quatro triunfos do FFC Frankfurt, ainda que, pela segunda temporada consecutiva, tenha necessitado de recorrer ao desempate por pontapés da marca de grande penalidade para vencer o jogo decisivo.

Pela sétima vez em oito finais desde o nascimento da era da UEFA Women's Cup, houve representação francesa na final (e, apenas pela terceira vez em 16 anos de história da competição no seu todo, não houve representação alemã). Desta feita, França forneceu mesmo os dois finalistas, com o Lyon a defrontar o Paris Saint-Germain perante mais de 22 mil espectadores no Cardiff City Stadium.

Poucos dias antes, as duas equipas haviam medido forças na final da Taça de França, com o Lyon a triunfar num desempate por pontapés da marca de grande penalidade ao 16º penalty. Na final da UEFA Women's Champions League, o Lyon contou no seu trio de ataque com Alex Morgan, contratada, por empréstimo, no Inverno, e com a vencedora da última edição do prémio de Melhor Jogadora da UEFA, Ada Hegerberg, mas a norte-americana saiu lesionada logo no início da partida e a atacante norueguesa também teve de ser substituída no decorrer do encontro, vítima de uma indisposição. Essas baixas, aliadas a uma grande actuação por parte da guarda-redes do Paris, Katarzyna Kiedrzynek levaram a que o 0-0 persistisse ao longo de todo o jogo.

E, tal como havia sucedido na final da Taça de França, ao fim de sete penalties para cada lado no desempate por grandes penalidades tudo continuava igualado. Então, Kiedrzynek partiu para bater ela o penalty seguinte e falhou, com a guarda-redes do Lyon, Sarah Bouhaddi, a não perdoar logo de seguida, dando ao Lyon um triunfo por 7-6. Bouhaddi, Wendie Renard, Camille Abily e Eugénie Le Sommer ergueram, todas elas, o troféu pela quarta vez, sempre ao serviço do Lyon, o primeiro clube a conseguir revalidar por duas vezes o título europeu feminino de clubes, depois das vitórias consecutivas que tinha alcançado em 2011 e 2012.

No número recorde de 55 clubes participantes esteve, pela primeira vez, um representante do Kosovo, o Hajvalia, que empatou dois dos seus três jogos na fase de qualificação; as norueguesas do Avaldsnes, responsáveis pela eliminação do representante português, o Futebol Benfica, foram as únicas entre as seis equipas estreantes a ultrapassar essa fase. Os nomes grandes entraram, depois, em cena no arranque da fase eliminar: nos 16 avos-de-final o destaque foi para o triunfo do Wolfsburgo sobe o Chelsea, enquanto nos oitavos-de-final saltou à vista o êxito do Fortuna Hjørring sobre o Brescia, êxito esse que permitiu à formação dinamarquesa colocar ponto final numa série de sete eliminações consecutivas nessa ronda da competição.

Porém, o Fortuna acabou por cair logo na ronda seguinte, afastado pelo estreante Manchester City, que tinha já eliminado Zvezda-2005 e Brøndby e deu assim seguimento a uma impressionante primeira campanha na prova. Nos outros embates desses quartos-de-final, os dois clubes franceses em prova levaram a melhor sobre os dois alemães, com o Lyon a afastar o Wolfsburgo numa reedição da final de 2016 e o Paris a superiorizar-se ao Bayern München, enquanto o Barcelona garantiu pela primeira vez na sua história um lugar nas meias-finais da competição com um impressionante por 3-0 no conjunto das duas mãos sobre o Rosengård.

O Paris, contudo, acabaria por ser um adversário demasiado forte para o Barcelona nessas meias-finais, com as parisienses a desforrarem-se, com vitórias por 3-1 em Espanha e 2-0 no Parc des Princes, da eliminação sofrida pela equipa masculina do clube ante a formação catalã nos oitavos-de-final da UEFA Champions League. Na outra semifinal, o City perdeu 3-1 em casa com o Lyon, mas deu um ar da sua graça na segunda mão ao vencer por 1-0 em França.

Topo