Lyon conquista título europeu

Numa repetição da final de 2010, o Lyon tornou-se na primeira equipa francesa a vencer o troféu, ao bater o Potsdam por 2-0, naquele que foi o momento alto na carreira da treinadora Patrice Lair.

"Este jogo foi incrível", disse Wendie Renard depois da vitória do Lyon na final da UEFA Women's Champions League, frente ao Potsdam. Porque não julgarem vocês mesmos?

A segunda final da UEFA Women's Champions League, realizada em Londres, teve as mesmas equipas do ano anterior, mas, desta feita, o Olympique Lyonnais levou a melhor, ao bater o campeão em título, o 1. FFC Turbine Potsdam, e ao levar para França, pela primeira vez, o ambicionado troféu.

Desde o início, Lyon, Potsdam e o vencedor da UEFA Women's Cup de 2009, o FCR 2001 Duisburg, eram os favoritos. E, tal como na época passada, as duas equipas alemãs encontraram-se na meia-final, com o Potsdam a chegar a essa fase da prova após três confortáveis vitórias nas rondas anteriores: primeiro sobre as estreantes finlandesas do Åland United (15-0), depois o SV Neulengbach, da Áustria (16-0) e a seguir as rivais francesas do Lyon, o FCF Juvisy Essonne (9-2).

Em 2010, o Potsdam precisou do desempate por grandes penalidades para afastar o Duisburgo, mas, desta feita, empatou a duas bolas fora e, no jogo de volta, o tento de Yuki Nagasato fez a diferença. Apesar de derrotado, o Duisburgo teve a pequena consolação de ver Inka Grings coroada como a melhor marcadora da competição, com 13 golos, com o resultado mais surpreendente da prova a surgir ainda na pré-eliminatória, quando as duas vezes campeãs do Umeå IK foram afastadas por um total de 4-1 pelo Apollon Limassol LFC.

O Lyon eliminou duas equipas fortes, o AZ Alkmaar (10-1) e o WFC Rossiyanka (11-1), encontrando nos quartos-de-final as russas do Zvezda-2005, onde, apesar de dominadora, apenas seguiu em frente graças a um tento na segunda mão, disputada no Stade de Gerland, de Lara Dickenmann. A maior assistência da prova - com excepção das finais -, estimada em 20 mil pessoas, juntou-se no mesmo estádio para ver a primeira mão da meia-final, ante o Arsenal LFC, onde os golos madrugadores de Lotta Schelin deram a vitória ao Lyon por 2-0, a que se seguiu um triunfo por 3-2 em Londres.

Uma assistência de 14.303 espectadores esteve em Craven Cottage, casa do Fulham FC, para ver a final, onde uma forte chuvada caiu durante todo o dia, interrompendo apenas aquando do início da partida. O Potsdam, privado da lesionada Nagasato, começou forte, muito pela acção do tridente ofensivo, composto por Anja Mittag, Fatmire Bajramaj e Isabel Kerschowski. Mas com o andar do relógio, o Lyon controlava os acontecimentos, com Lotta Schelin a revelar-se ameaçadora no ataque e Élodie Thomis perigosa pela direita, local de onde nasceu o primeiro golo, no minuto 27.

O canto da direita batido por Sonia Bompasto viu Amandine Henry amortecer a bola de cabeça para Schelin, mas o seu remate embateu na heroína da final de 2010, Anna Felicitas Sarholz, com a defesa-direita Wendie Renard a marcar no ressalto. As melhores oportunidades do Potsdam ocorreram na segunda parte, com Kerschowski e Mittag a revelarem-se, contudo, incapazes de marcar a curta distância. O Lyon mostrou depois estar também, do ponto de vista físico, à altura dos acontecimentos e colocou em campo duas suplentes de grande capacidade, que, a cinco minutos do fim, fizeram a jogada do golo da tranquilidade, com o lançamento da direita de Eugénie Le Sommer a ser finalizado por Dickenmann.

A treinadora vencedora, Patrice Lair, que pegou na equipa depois da derrota na final da época passada, afirmou que o objectivo do Lyon é manter o título agora conquistado. As contratações de Bompastor, a melhor em campo na final, Camille Abily e Le Sommer fizeram das francesas uma equipa bem mais forte que em 2010, com Lair a afirmar: "Emocionalmente é um grande momento, penso que o melhor que tive como treinadora. Gostei muito de ter trabalhado esta temporada com esta equipa fantástica."

Topo