O "site" oficial do futebol europeu

Crónica de um adeus anunciado

Publicado: Segunda-feira, 29 de Maio de 2006, 0.30CET
Alemanha 0-1 Portugal
A selecção portuguesa disse adeus à competição, isto apesar de ter batido a Alemanha com um golo de João Moutinho.
por Nuno Tavares
de Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães

Estatísticas dos jogos

AlemanhaPortugal

Golos marcados0
1
Remates à baliza0
1
Remates para fora0
 
0
Cantos0
 
0
Faltas cometidas19
 
11
Cartões amarelos4
 
6
Cartões Vermelhos0
 
0

Classificação

Grupo A FRA / GER / POR / SCG

EquipasJVEDGMGSDGPts
1França França33006069
2Sérvia e Montenegro Sérvia e Montenegro310223-13
3Alemanha Alemanha310214-33
4Portugal Portugal310213-23

Legenda:

J: Jogados   
V: Vitórias   
E: Empates   
D: Derrotas   
GM: Golos marcados   
GS: Golos sofridos   
DG: Diferença de golos   
Última actualização: 30/11/2017 15:06 CET
Publicado: Segunda-feira, 29 de Maio de 2006, 0.30CET

Crónica de um adeus anunciado

Alemanha 0-1 Portugal
A selecção portuguesa disse adeus à competição, isto apesar de ter batido a Alemanha com um golo de João Moutinho.

Portugal despediu-se esta noite do Campeonato da Europa de Sub-21, apesar de ter batido a Alemanha, por 1-0, em partida relativa à derradeira jornada do Grupo A. A selecção portuguesa, que precisava de vencer por três golos de diferença, terminou no quarto e último lugar, enquanto o seu adversário neste jogo também foi eliminado. França e Sérvia e Montenegro seguem em frente.

Mexer para vencer
Como já tinha acontecido da primeira para a segunda jornada, Agostinho Oliveira mudou meia equipa para o embate com os germânicos. Os lesionados Bruno Vale e Hugo Almeida ficaram afastados da grande decisão, ao passo que Filipe Oliveira, o suspenso Semedo e Diogo Valente também foram preteridos, entrando no "onze" Daniel Fernandes, Nélson, Rolando, Nuno Morais, Custódio (este uma estreia absoluta na prova) e João Moutinho. Quanto à "nationalelf", o técnico Dieter Eilts reservou igualmente quatro novidades, sendo de destacar os regressos de Polanski e de Nando Rafael, avançado nascido em Angola.

Motivação extra
Arrepiado e motivado pelo apoio inicial do público que até aqui ainda não se tinha visto, Portugal desde muito cedo revelou apetite insaciável pela baliza adversária. E apesar de alguma atrapalhação inerente ao desejo de chegar o mais rápido possível ao golo, a verdade é que os anfitriões lançaram o primeiro aviso logo aos seis minutos. Manuel Fernandes aproveitou uma bola perdida à entrada da grande área germânica e desferiu um remate em jeito com o pé direito, obrigando o guardião Michael Rensing a uma defesa para canto. A cerebral equipa alemã apenas tentava o ataque pela certa, mas quando o fazia punha quase sempre a nu algumas das fragilidades defensivas do seu adversário.

Fantasmas antigos
O maestro dos germânicos, Polanski, viu o seu remate de pé esquerdo ser detido por Daniel Fernandes aos 14 minutos, três antes de Nando Rafael quase surpreender o guardião português com um "chapéu" do meio-campo. O espectro do que havia acontecido nos dois encontros anteriores começou a pairar nos adeptos e jogadores portugueses, mas um assomo de brio permitiu recuperar o controlo da partida, muito por culpa da irreverência de Varela na frente de ataque. Quaresma também começou a aparecer mais, sendo que o extremo do FC Porto não ficou muito longe do golo aos 30 minutos, quando rematou ligeiramente ao lado do poste. A resposta alemã surgiu logo de seguida, com Hilbert a acertar nas malhas laterais na sequência de um disparo de longe.

Argumentos escasseiam
O intervalo chegou com a mesma rapidez com que se diluiam as esperanças portuguesas de lutar pelo apuramento, embora com a particularidade da melhor oportunidade antes do descanso ter pertencido à Alemanha, que viu Nando Rafael rematar com muito perigo por cima da barra, depois de escapar ao seu marcador directo. Ciente de que nada tinha a perder, Agostinho Oliveira deixou Manuel Fernandes nos balneários e juntou Lourenço a Varela na frente de ataque, numa tentativa de encostar o adversário às cordas. Contudo, a intenção não passou disso mesmo, com a desinspiração e falta de ideias a falarem mais alto do que a vontade de vencer.

Luz ao fundo do túnel...
Polanski abriu as hostilidades com um disparo que obrigou Daniel Fernandes a uma defesa atenta, instantes antes de Portugal gizar uma das raras jogadas de entendimento da etapa complementar. Varela descobriu bem Lourenço no interior da área alemã, mas o passe atrasado do avançado foi interceptado numa altura em que o golo português parecia finalmente possível. O lance teve o condão de acordar momentamente os anfitriões, que poderiam ter feito bem melhor aos 57 e 59 minutos, quando Quaresma rematou à figura de Rensing e Raul Meireles cabeceou ligeiramente ao lado. Mais tarde, aos 64 minutos, foi a vez de Varela dar a sensação de golo, ao cabecear a rasar o poste.

Cronómetro não perdoa
O mesmo Varela pensou que tinha conquistado uma grande penalidade ao minuto 69, mas o árbitro da partida considerou que o guardião alemão não fez falta passível para o castigo máximo. No entanto, o desalento e a falta de forças da equipa portuguesa eram já bem evidentes, perante uma Alemanha que sabia perfeitamente que o empate era sinónimo de enorme festa, em função da vitória da França frente à Sérvia e Montenegro, em Braga. Outra nota de destaque foi para um lance que envolveu Quaresma e Rensing, com os dois jogadores a verem o cartão amarelo e o guarda-redes a ser obrigado a sair, devido a lesão numa mão.

Enfim o golo
E quando já se jogava o tempo de compensação, Nani protagonizou uma incursão pela esquerda e cruzou para o remate espectacular de João Moutinho, com o médio do Sporting a conseguir finalmente o que a equipa portuguesa havia procurado durante 270 minutos: um golo. Apesar de Portugal ainda ter desperdiçado duas ocasiões para voltar a facturar, era já demasiado tarde. Valeu a vitória...

Melhor em Campo Carlsberg: Nélson

Última actualização: 27-03-13 7.44CET

http://pt.uefa.com/under21/season=2006/matches/round=1912/match=83598/postmatch/report/index.html#cronica+adeus+anunciado

Equipas

Alemanha

Alemanha

Portugal

Portugal

1
RensingMichael Rensing (GR)
Yellow Card83
Substitution84
22
FernandesDaniel Fernandes (GR)
2
VolzMoritz Volz
2
NélsonNélson
4
MatipMarvin Matip
3
Raul MeirelesRaul Meireles
6
SchulzChristian Schulz
Yellow Card66
6
Zé CastroZé Castro
Yellow Card58
8
LehmannMatthias Lehmann (C)
7
QuaresmaRicardo Quaresma (C)
Yellow Card83
9
KiesslingStefan Kiessling
8
Manuel FernandesManuel Fernandes
Yellow Card16
Substitution46
11
RafaelNando Rafael
10
João MoutinhoJoão Moutinho
Goal90+4
Yellow Card90+6
16
HilbertRoberto Hilbert
Yellow Card14
13
RolandoRolando
18
NiemeyerPeter Niemeyer
Substitution70
14
CustódioCustódio
Yellow Card68
19
PolanskiEugen Polanski
15
Nuno MoraisNuno Morais
Yellow Card63
20
SinkiewiczLukas Sinkiewicz
Yellow Card75
Substitution76
17
VarelaSilvestre Varela
Substitution73

suplentes

12
PlatinsPatrick Platins (GR)
12
Paulo RibeiroPaulo Ribeiro (GR)
21
FromlowitzFlorian Fromlowitz (GR)
Substitution84
18
NaniNani
Substitution73
5
BrzenskaMarkus Brzenska
Substitution76
20
LourençoLourenço
Substitution46
14
CastroGonzalo Castro
Substitution70
5
Pedro RibeiroPedro Ribeiro
3
FathiMalik Fathi
9
Hugo AlmeidaHugo Almeida
7
MasmanidisIoannis Masmanidis
11
Diogo ValenteDiogo Valente
10
EiglerChristian Eigler
16
AmaroBruno Amaro
13
HelmesPatrick Helmes
19
Ricardo Vaz TéRicardo Vaz Té
15
MeierAlexander Meier
21
Filipe OliveiraFilipe Oliveira
17
OchsPatrick Ochs
22
RietherSascha Riether

Treinador

Dieter Eilts (GER) Agostinho Oliveira (POR)

Árbitro

Alon Yefet (ISR)

Árbitros assistentes

Shmuel Shteif (ISR), Gabor Erös (HUN)

Quarto árbitro

Serge Gumienny (BEL)

Legenda:

  • GolosGolos
  • Auto-goloAuto-golo
  • Grandes penalidadesGrandes penalidades
  • Penalties falhadosPenalties falhados
  • reds_cardCartões Vermelhos
  • yellow_cardsCartões amarelos
  • yellow_red_cardsDuplo amarelo
  • SubstituiçãoSubstituição