Triste adeus

Portugal 2-2 República da Irlanda Vaz Té e Manuel Fernandes ainda deram uma réstea de esperança, mas um bis de Garvan deitou tudo a perder e ditou o fim do sonho.

Paolo Machado foi titular frente à República da Irlanda
Paolo Machado foi titular frente à República da Irlanda ©Getty Images

Portugal despediu-se de forma inglória da fase de apuramento para o Campeonato da Europa de Sub-21 de 2009, com o empate (2-2) na recepção à República da Irlanda a selar o adeus à possibilidade de atingir o "play-off", em virtude da equipa de Rui Caçador não ter conseguido ser um dos quatro melhores segundos classificados.

Sem ideias
Apesar de precisar de vencer por vários golos para ter hipóteses de seguir em frente na prova, a selecção portuguesa entrou lenta e sem ideias para ultrapassar o último reduto da República da Irlanda. Manuel Fernandes ainda obrigou o guarda-redes Shane Redmond a uma defesa apertada para canto aos cinco minutos, na sequência de um livre directo, mas um outro remate de fora da área de Vieirinha, assinado seis minutos volvidos, foi o melhor que os anfitriões conseguiram durante a primeira meia-hora de jogo.

Golos a fechar
O cenário ameaçava manter-se até ao intervalo, mas aos 38 minutos Vieirinha logrou roubar a bola a um adversário à entrada da área irlandesa, antes de servir na perfeição Ricardo Vaz Té, que disparou forte e sem hipóteses de defesa para o guardião contrário. O 1-0 pareceu motivar Portugal, que intensificou a pressão sobre o adversário, atitude que viria a render mais um golo antes do descanso. Jogava-se já o primeiro minuto do tempo de compensação quando, após uma jogada de insistência no interior da área irlandesa, Vaz Té descobriu o isolado Manuel Fernandes, com o médio do Valencia CF a encher o pé direito e a bater pela segunda vez Redmond.

Balde de água fria
As aspirações portuguesas no que às contas do apuramento diziam respeito sofreram um forte e inesperado revés aos 50 minutos, quando os visitantes reduziram a desvantagem no marcador. Sean Scannell esgueirou-se pela esquerda e cruzou na perfeição para o desmarcado Owen Garvan, que não sentiu dificuldades para marcar de pé direito. Portugal abanou e não mais voltou a encontrar-se, com o desnorte dos comandados de Rui Caçador a ser aproveitado pelos irlandeses, que acabaram mesmo por chegar ao empate aos 65 minutos. Marcado por Nuno André Coelho, Garvan recebeu a bola de costas para a baliza, antes de rodar e rematar de pé esquerdo ao poste mais distante, assinando o 2-2.

Adeus inglório
Lançado na partida aos 59 minutos, Hélder Barbosa foi-se revelando um dos jogadores mais inconformados do lado português, sendo que o extremo esteve muito perto de marcar aos 79 minutos, altura em que atirou ao poste. O cronómetro foi avançando e as esperanças de Portugal diminuindo, acabando o empate mesmo por imperar, o que deixou a equipa da casa com um total de 14 pontos no Grupo 3, insuficiente para carimbar o passaporte para o "play-off", ou não tivesse sido o pior de todos os segundos posicionados.

Topo