Milla destaca paciência espanhola

O espanhol Luis Milla mostrou-se agradado por a paciência da sua equipa ter dado frutos na vitória sobre a Bielorrússia, enquanto Georgi Kondratyev lamentou a falta de concentração nos instantes finais.

A festa espanhola
A festa espanhola ©Getty Images

O treinador da Espanha, Luis Milla, destacou a influência das substituições, depois de os extremos Diego Capel e Jeffren Suárez terem saído do banco de suplentes para ajudar à reviravolta no marcador e a uma vitória por 3-1 sobre a Bielorrússia, na meia-final de Viborg.

Jeffren e Capel efectuaram os cruzamentos para os golos de Adrián López, com a Espanha a levar a melhor no prolongamento. Tendo em atenção que o primeiro golo de Adrián surgiu aos 89 minutos, o treinador da Bielorrússia, Georgi Kondratyev, lamentou a falha de concentração tardia que negou à sua equipa uma vitória histórica.

Luis Milla, treinador da Espanha
Esta noite alcançámos os nossos dois primeiros objectivos – o apuramento para os Jogos Olímpicos e para a final –, e agora vamos lutar pela conquista do troféu. Tive a sorte de arriscar e ser bem-sucedido, e sei que é preciso acreditar até ao fim. Quando se continua a lutar, por vezes essa sorte é recompensada. O jogo só termina após o apito final, e foi isso que aconteceu esta noite.

Tínhamos bastantes jogadores no centro do terreno, e estávamos a jogar bem, mas sem incomodar o adversário. Por isso fiz entrar o Diego Capel e o Jeffren Suárez, para pressionar mais e criar perigo noutras zonas do terreno. A nova estratégia deu frutos e penso que alcançámos um resultado merecido.

Sempre disse que a atitude dos habituais suplentes tem sido excelente – apesar de não jogarem com frequência, têm estado prontos para entrar e causar influência imediata. Realizei as substituições porque pensei que nos podiam ser úteis, porque os suplentes estavam confiantes. Depois deu para ver o estado de espírito e o companheirismo da equipa quando os restantes suplentes saltaram do banco para festejarem o segundo golo com os colegas.

Georgi Kondratyev, treinador da Bielorrússia
Fizemos tudo o que estava ao nosso alcance neste jogo. Estivemos quase a conseguir, foi apenas uma questão de alguns minutos. Infelizmente, no fim não conseguimos aguentar a vantagem, mas ainda assim estou orgulhoso dos meus jogadores. Não os posso culpar de nada, porque hoje defrontámos uma equipa muito difícil. Os nossos jogadores alinham no campeonato bielorrusso, enquanto os espanhóis participam na primeira divisão espanhola, o que é uma grande diferença.

Os meus jogadores interpretaram o plano de jogo na perfeição. Conhecíamos bem a Espanha e o seu estilo de jogo. Estávamos prontos para ela. Obviamente, frente a uma equipa como a espanhola não nos podemos limitar a atacar, por isso a nossa prioridade era defender. O plano correu bem até aos 89 minutos, mas depois sofremos um golo no último minuto.

Faltou-nos apenas concentração na parte final. Primeiro porque deixámos o extremo contrário escapar até à linha-de-fundo, e depois porque deixámos o ponta-de-lança finalizar. Tem tudo que ver com concentração.

Topo