O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Vestergaard dá receita para a Dinamarca

Adepto do Real Madrid e admirador de Zinédine Zidane, Jannik Vestergaard, defesa-central da Dinamarca que gostava de ser advogado, espera voltar a brilhar na terça-feira.

O capitão da Dinamarca, Jannik Vestergaard
O capitão da Dinamarca, Jannik Vestergaard ©Sportsfile

Caso a sua vida tivesse levado um rumo diferente, Jannik Vestergaard estaria agora, provavelmente, em tribunal.

"Sempre quis ser advogado. Adoro argumentar e descobrir fraquezas nos argumentos contrários", afirmou Vestergaard, capitão dos Sub-21 da Dinamarca, ao UEFA.com. "Aos 14 anos passei duas semanas como estagiário no Ministério Público. Adorei." Apesar de ter um plano alternativo, o futebol tem sido a força motriz da vida de Vestergaard desde os quatro anos, altura em que convenceu o pai a levá-lo a treinar num clube local, em Copenhaga.

Foi nesse clube que alimentou o sonho de tornar-se futebolista profissional mas, mais uma vez Vestergaard, que mede quase dois metros de altura, não preenchia os padrões normais para um futebolista. "Sempre preferi jogadores ofensivos e não defesas", afirmou o defesa-central de 22 anos, admirador de Michael Laudrup, Raúl e Zinédine Zidane.

Resumo: Alemanha 3-0 Dinamarca
Resumo: Alemanha 3-0 Dinamarca

"Claro que não sonhava apenas em dar pontapés numa bola. Queria marcar golos e fazer boas fintas. Acabei, aos poucos, por perceber que isso não iria acontecer, não a este nível. Adaptei-me, fui colocado na defesa e aprendi a gostar. Mas antes queria marcar golos."

Conseguiu realizar esse sonho no jogo de abertura do seu país no EURO Sub-21, frente à República Checa. Deu início à resposta nórdica com um cabeceamento no tento do empate no Estádio Eden, antes da reviravolta vitoriosa da sua equipa por 2-1. A derrota de 3-0 ante a Alemanha não dá margem de erro aos comandados de Jess Thorup, frente à Sérvia, esta terça-feira - apesar do empate poder ser suficiente.

"Trata-se de uma final. Temos de ser espertos e não permitir que a Sérvia tenha oportunidades para contra-atacar, pois é perigosa nesta situação. O trio atacante é muito bom com a bola e são jogadores velozes. Temos de ser espertos, defender bem e aproveitar as oportunidades."