O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Alemanha com espaço para melhorar

Apesar do empate no arranque, frente à Sérvia, a Alemanha continua a ser vista como favorita a erguer o troféu na República Checa, mas terá de melhorar vários aspectos.

Max Meyer e os colegas da Alemanha não estiveram ao nível esperado frente à Sérvia
Max Meyer e os colegas da Alemanha não estiveram ao nível esperado frente à Sérvia ©Sportsfile

Dando seguimento de abordagem desenvolvida antes do arranque da fase final, o seleccionador Horst Hrubesch continuou a usar frases como "passo e passo" e "cada jogo é uma final para nós". Nada mudou, pois, depois do arranque a meio gás da Alemanha, com um empate 1-1 frente à Sérvia. Porém, para o embate da segunda jornada da fase de grupos, frente à Dinamarca, há quatro pontos-chave que aos quais os germânicos devem dar especial atenção.

1) Estabilidade defensiva
A fraqueza estrutural do sector mais recuado foi evidente em várias ocasiões durante o jogo com a Sérvia. Não só a Alemanha mostrou dificuldades em ajustar-se ao estilo mais agressivo do adversário, que permitiu à Sérvia ser sempre muito perigosa na transição ofensiva, como foi clara a diferença de velocidade entre as duas formações. "Estivemos demasiadas vezes a correr dos nossos oponentes na primeira parte", admitiu o defesa Matthias Ginter.

2) Confiança
Um início abaixo das expectativas poderá diminuir o favoritismo que é atribuído aos alemães, mas o potencial da equipa permanece lá. "A nossa equipa é repleta de jogadores que actuam na Bundesliga e que têm já, por isso, bastante experiência. Precisamos de usar isso a nosso favor se queremos ter êxito", realçou Marc-André ter Stegen, ele próprio vencedor da UEFA Champions League esta temporada. Frente à Sérvia, sobretudo nos primeiros 45 minutos, a linguagem corporal e a determinação mostradas davam a entender alguma falta de confiança.

Resumo: Alemanha 1-1 Sérvia
Resumo: Alemanha 1-1 Sérvia

3) Ritmo
Treinador e jogadores foram alvo de muitas críticas após o encontro e sabem que essas críticas foram, sobretudo, dirigidas à sua actuação na etapa inicial. Mostraram, ainda assim, saber manter a calma perante as muitas questões sobre as elevadas expectativas criadas à volta da equipa antes do torneio e fizeram questão de salientar que na etapa complementar do encontro conseguiram elevar o ritmo de jogo apesar de se encontrarem a actuar com um jogador a menos. O último jogo de preparação datava já de há dois meses e meio, pelo que é natural que a Alemanha tenha levado algum tempo a encontrar-se.

4) Potencial atacante
Podemos imaginar como será o jogo ofensivo da Alemanha se esta conseguir, nos próximos dias encontrar a harmonia necessária. Para tal ainda não foi conseguido, mas a verdade é que, após a entrada de Leonardo Bittencourt em campo, o futebol dos germânicos foi claramente mais fluído. Tendo em conta as qualidades que são reconhecidas aos jogadores de ataque que a selecção alemã levou até à República Checa, o maior desafio de Hrubesch poderá mesmo ser o mais óbvio: colocar em campo uma equipa de forma a que o potencial de todos os jogadores venha ao de cima desde o apito inicial.