Demasiado tarde

Finlândia 0-2 Espanha
Torrejón e Pedro León apontaram os primeiros golos da Espanha na prova, mas o triunfo não chegou para evitar a eliminação.

A Espanha bateu a Finlândia mas foi eliminada
A Espanha bateu a Finlândia mas foi eliminada ©Getty Images

A campanha de Espanha no Campeonato da Europa de Sub-21 terminou com um triunfo por 2-0 sobre a combativa Finlândia, que também já estava eliminada, naquela que foi uma vitória que surgiu demasiado tarde para as aspirações espanholas.

Triunfo inglório
A Espanha nunca alimentou grandes esperanças de destronar a Alemanha do segundo lugar do Grupo B e garantir um lugar nas meias-finais. Para seguirem em frente, os espanhóis precisavam de bater a Finlândia no Gamla Ullevi, esperar que a Alemanha perdesse ante a Inglaterra e também anular uma desvantagem de quatro golos, mas o resultado do outro jogo do grupo foi fatal para as suas aspirações. Apesar de tudo, os espanhóis nunca deixaram de lutar, surpreendendo a Finlândia em duas jogadas de bola parada. Primeiro, aos 29 minutos, quando Marc Torrejón aproveitou um mau alívio da defesa nórdica. O 2-0 surgiu quando Pedro León, que substituiu Bojan Krkić no onze inicial, cobrou um livre com um disparo indefensável. A Espanha tentou sempre levar ao avolumar do resultado, mas nem dez golos teriam sido suficientes para garantir o apuramento.

Lesão de Jurado
O seleccionador da Finlândia, Markku Kanerva, parecia antever um claro domínio dos espanhóis, pois passou grande parte do aquecimento a dar instruções ao defesa Tuomo Turunen. O jogo acabou por ser bastante equilibrado, com os primeiros minutos a serem dominados pelos finlandeses, que circularam a bola de forma organizada embora, tal como aconteceu durante todo o Europeu, não tenham conseguido concretizar o domínio territorial. A Espanha melhorou a qualidade dos passes e conseguiu equilibrar o encontro apesar de, aos 18 minutos, ter perdido o influente José Manuel Jurado, que sofreu uma lesão num tornozelo.

O golo ambicionado
A Espanha voltou a mostrar o estilo de futebol fluido e gracioso que exibiu durante toda a fase final, mas desta vez revelando algum aproveitamento. A equipa treinada por López Caro conquistou um livre aos 29 minutos, Esteban Granero bateu a bola do flanco para Raúl Garcia, que rematou contra Mehmet Hetemaj, a bola ressaltou no médio finlandês e chegou a Torrejón, que apontou o primeiro golo da selecção de Espanha neste Europeu. O segundo golo poderia ter surgido poucos segundos volvidos, mas Jukka Lehtovaara, que foi um dos quatro jogadores a fazer a estreia a titular em Gotemburgo, conseguiu desviar o remate de Pedro León.

Xisco perdulário
O guarda-redes finlandês voltou a revelar-se decisivo nos instantes finais do primeiro tempo, quando defendeu um perigoso remate de cabeça de Mario Suárez, mas Lehtovaar foi incapaz de travar o forte disparo de Pedro León que, aos 55 minutos, fez o 2-0 num livre a punir uma falta sobre García. A Espanha mostrava boa forma no ataque e deveria ter feito o 3-0 à passagem da hora de jogo, Nacho Monreal cruzou rasteiro para a área, com Xisco a falhar o golo a um metro da baliza. O balanceamento ofensivo dos espanhóis abria brechas no sector mais recuado, mas os finlandeses não conseguiam aproveitar, com Berat Sadik, que entrou ao intervalo, a não conseguir assustar Sergio Asenjo. Lehtovaara não tinha mãos a medir na outra baliza, mostrando atenção ao desviar um remate de longa distância de Jonathan Pereira e brilhando a grande altura quando defendeu um remate à queima-roupa de García. Granero conseguiu bater o guardião de 21 anos a nove minutos do final, mas a bola foi devolvida pelo poste, um lance irrelevante para as contas finais do grupo.