Suíça e Bielorrússia festejam apuramento

Suíça 3-0 Bielorrússia
A equipa de Pierluigi Tami avançou para as meias-finais após bater por 3-0 a Bielorrússia, conjunto que também seguiu em frente devido à diferença de golos.

A Suíça não vacilou na derradeira jornada do Grupo A do Campeonato da Europa de Sub-21, com os comandados de Pierluigi Tami a avançarem rumo às meias-finais, depois do confortável triunfo por 3-0 sobre a Bielorrússia. No entanto, no final deste disputadíssimo grupo, decidido nos momentos finais, a Bielorrússia acabou por ficar no segundo posto, empatada com a Islândia e a Dinamarca.

Tami tomou a decisão de dar de novo a titularidade a Admir Mehmedi e o avançado pagou com golos a oportunidade dada, marcando logo no início do encontro e depois no final da primeira parte, com o entrado Frank Feltscher a fazer o resultado final já nos descontos. Com os comandados de Georgi Kondratyev incapazes de reagir, a Suíça acabou por vencer o grupo, enquanto a Bielorrússia, de forma feliz, logrou seguir em frente pela primeira vez à terceira tentativa de um Europeu de Sub-21, somando apenas três pontos.

Depois de um dia chuvoso junto ao mar Kattegat, o arco-irís surgido junto ao Aarhus Stadion à hora do início do jogo sugeria um final feliz para, pelo menos, uma das equipas. A questão do vencedor do Grupo A ficou resolvida quando Mehmedi, a quem foi devolvida a titularidade no ataque em detrimento de Mario Gavranovic, converteu uma grande penalidade aos seis minutos, mandando a bola para um lado e vendo Aleksandr Gutor ir para outro.

Sem surpresa, Xherdan Shaqiri assumia as rédias do jogo e foi dele o passe do qual resultou a grande penalidade, ao isolar Innocent Emeghara, que, embalado, foi derrubado pelo defesa Oleg Veretilo. Shaqiri tornou-se o homem mais receado depois da exibição e o golo ante a Dinamarca, com a Bielorrússia a dedicar-lhe uma atenção muito particular.

A Suíça continuava a criar perigo, com Emeghara a revelar-se perdulário pouco depois, após um centro de Fabian Frei, ao fazer o mais difícil depois de ultrapassar Gutor. Por seu lado, a equipa de Kondratyev procurava reagir ao mau começo. O defesa-direito suíço, Philippe Koch, interveio com acerto de cabeça a vários cruzamentos para a área de Yann Sommer, onde o número dois bielorrusso, Stanislav Dragun, obrigaria mais tarde o guardião a aplicar-se. Houve ainda tempo para ver Sommer ter uma má intervenção, ao aliviar da pior maneira um cruzamento de Mikhail Sivakov.

Um passe longo de Frei merecia melhor finalização por Mehmedi, enquanto Granit Xhaka, que vai falhar a meia-final depois de voltar a ver um cartão amarelo, obrigava Gutor a brilhar. Mehmedi, contudo, não falharia a seguir. Depois do central Yegor Filipenko aliviar a bola da entrada da sua área para os pés de Xhaka, Mehmedi estava no sítio certo para receber o passe e marcar de primeira, com a bola ainda a bater no poste.

Maksim Skavysh, uma das três alterações no onze bielorrusso – duas delas forçadas pelos castigos de Sergei Politevich e Nikita Bukatkin – falhou o alvo logo após o recomeço. No minuto 68, Sergei Matveychik seria expulso por duplo amarelo e a esperança bielorrussa vinha do resultado do jogo entre a Islândia e a Dinamarca. Com os islandeses a vencerem por 3-1 em Aalborg, tudo se conjugou a favor da Bielorrússia, apesar de ainda haver tempo para Feltscher bater Gutor por mais uma vez.

Topo