Islândia e Dinamarca despedem-se em Aalborg

Islândia 3-1 Dinamarca
A Dinamarca terminou no último lugar, enquanto a Islândia perdeu o segundo lugar devido à diferença de golos.

A vitória emocionante da Islândia sobre a Dinamarca, por 3-1, em Aalborg, não foi suficiente para valer um lugar nas meias-finais, já que ambas as equipas foram afastadas do Campeonato da Europa de Sub-21.

Depois de duas derrotas consecutivas, a Islândia precisava de uma vitória por 3-0 e que a Suíça vencesse a Bielorrússia pelo mesmo resultado para se apurar. O improvável ficou possível quando Kolbeinn Sigthórsson e Birkir Bjarnason marcaram na segunda parte para a equipa de Eyjólfur Sverrisson e a Suíça vencia por 2-0. No entanto, o golo de Bashkim Kadrii deixou a Dinamarca a precisar de mais um para seguir em frente.

Os anfitriões atacaram a Islândia com tudo o que tinham, mas quando surgiu o quarto golo foi dos pés de Hjörtur Valgardsson. E ainda houve tempo para mais uma reviravolta nos acontecimentos, já que a Suíça marcou o terceiro em Aarhus, apesar de pouco ter mudado, com a Bielorrússia (+1) a garantir o segundo lugar graças à diferença de golos, numa luta a três com Islândia (0) e Dinamarca (-1).

O relvado escorregadio derivado à chuva tornou difícil o trabalho das defesas e como consequência acrescentou emoção à partida, com ambas as balizas sob ameaça constante durante uma primeira parte intensa. Christian Eriksen já tinha criado uma ocasião para Mathias Zanka Jørgensen na primeira parte, mas na sequência do livre, o defesa-central cabeceou ao lado, antes do médio criativo do AFC Ajax obrigar Haraldur Björnsson a duas boas defesas.

Sverrisson já podia contar com Aron Gunnarsson e Johann Gudmundsson, ausentes devido a castigo disciplinar e lesão, respectivamente, mas também entregou a titularidade pela primeira vez a Bjarnason, depois de este ter impressionado nas duas ocasiões anteriores como suplente-utilizado. E o Nº6 islandês esteve perto de recompensar essa confiança com um remate à meia-volta aos 16 minutos que criou suspense no estádio lotado, mas não bateu o guardião Mikkel Andersen.

Quatro minutos depois, o guarda-redes efectuou a defesa do torneio. Eggert Jónsson cabeceou o livre de Gylfi Sigurdsson contra o ombro de Zanka e a bola já tinha passado Andersen e perto de entrar nas redes desertas quando, de forma surpreendente, conseguiu esticar o braço e desviá-la por cima da barra. Foi uma tremenda infelicidade para a Dinamarca que Nicki Bille Nielsen não tenha revelado a mesma técnica na baliza contrária à passagem da meia-hora, desviando o passe perfeito de Daniel Wass ao lado do poste, com apenas Björnsson pela frente.

Aos dez minutos da segunda parte, Andersen voltou a negar o golo à Islândia, voando para desviar o remate de fora da área de Valgardsson. Aos 58 minutos, a Islândia finalmente inaugurou o marcador, com o cruzamento de Bjarnason a ser desviado ao primeiro poste por Sigthórsson, ainda que pressionado por Andersen e um defesa.

Bjarnason aumentou a vantagem dois minutos depois, com o seu cabeceamento ao poste mais distante a ser o complemento perfeito ao cruzamento de Sigurdsson. Sigthórsson acertou no poste à medida que a Islândia procurava o crucial terceiro golo, enquanto se verificavam lances de perigo junto à sua baliza - Kadrii também rematou ao poste, enquanto faltou sangue-frio a Zanka e Nicolai Jørgensen, que, em boa posição, remataram ao lado.

Kadrii espoletou festejos dos adeptos da casa quando reduziu a diferença aos 81 minutos, encostando para golo o cruzamento de Kasper Povlsen. Ainda assim, o empate não chegou a acontecer e ao invés Valgardsson teve a palavra final, culminando uma jogada individual com um remate indefensável para Andersen. Quando soou o apito final, os jogadores das duas equipas caíram por terra, não só pelo cansaço, mas também pela extrema desilusão.

Topo