O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Sukuta-Pasu põe fim ao sonho checo

Alemanha 2-1 Rep. Checa (após prolongamento)
Um golo de Richard Sukuta-Pasu no prolongamento selou a passagem da Alemanha à final do Europeu.

Richard Sukuta-Pasu decidiu o jogo aos 119 minutos
Richard Sukuta-Pasu decidiu o jogo aos 119 minutos ©Sportsfile

Um golo de Richard Sukuta-Pasu, depois de 119 minutos de um embate emocionante, selou a passagem da Alemanha à final do Campeonato da Europa de Sub-19, com uma vitória por 2-1 sobre uma formação da República Checa que se cotou como uma das melhores da prova.

Impasse quebrado
O suplente alemão surgiu isolado em frente à baliza para marcar o golo da vitória em Mlada Boleslav, pondo fim às esperanças da equipa da casa, no Mestský Stadion. A República Checa esteve a perder, graças a um tento de Marcel Risse, mas respondeu de forma excelente depois de Tomáš Necid ter restabelecido a igualdade.

Alemanha na frente
Tirando partido do nervosismo dos checos, a Alemanha começou a dominar a partida desde cedo. Deniz Naki serviu Savio Nsereko (vai estar ausente da final por ter visto um cartão amarelo aos 120 minutos) pelo lado esquerdo do ataque, este ultrapassou a oposição de Radim Řezník, e rematou, com a bola a passar ao lado do poste da baliza à guarda de Tomáš Vaclík. Timo Gebhart desenvolveu uma jogada pelo flanco direito e cruzou para Dennis Diekmeier, que, já no interior da pequena área, perdeu a posse de bola. O golo não surgiu na altura, mas passados 17 minutos de jogo o marcador foi inaugurado. Risse aproveitou um ressalto no lado direito do ataque alemão, deu alguns passos em frente, e disparou de forma rasteira e cruzada, em direcção ao poste mais distante, não dando hipóteses de defesa para o guarda-redes Vaclík.

Empate
Com os extremos Risse e Nsereko no apoio aos avançados Naki e Gebhart, o controlo da Alemanha parecia ser total, mas tal não se veio a verificar. Necid empatou a partida, naquela que foi a primeira jogada de perigo da selecção anfitriã, aos 24 minutos. O ponta-de-lança rematou de cabeça, com a bola a passar por cima do guardião Ron-Robert Zieler, no seguimento de um livre marcado por Lukáš Mareček, do lado direito, e que lhe possibilitou obter o quarto golo nesta fase final. Depois de ter passado por momentos difíceis no apoio à sua selecção, os 5.000 adeptos checos tinham motivos para festejar.

Parada e resposta
Com os gémeos Lars e Sven Bender a controlar o meio-campo, a Alemanha continuava a impor o seu ritmo. No entanto, a desconcentração assolava por vezes o futebol praticado pela equipa orientada por Horst Hrubesch, com Jan Morávek, em duas ocasiões, a ameaçar a defensiva germânica, depois de aproveitar perdas de bola adversárias. A segunda parte registou mais ocasiões de parte a parte. Quando o canto cobrado por Jakub Heidenreich encontrou Roman Brunclík no poste mais distante, este colocou a bola em frente da baliza, onde Necid falhou por pouco. A seguir, Jan Vošahlík colocou o esférico em Necid, posicionado perto da marca de penalty, com o remate a sair a centímetros do alvo.

Oportunidades perdidas
Com o médio Jan Hable, chamado de novo por Jakub Dovalil, juntamente com Brunclík e Heidenreich, a dominar as operações, Morávek falhou o golo por pouco, não aproveitando um erro cometido por Zieler. Mais flagrante ainda foi a ocasião de que dispôs Sukuta-Pasu, que tinha entrado em campo, depois de Sven Bender ter endossado a bola para Diekmeier, que a colocou na pequena área, onde o Nº 9 germânico rematou ao lado. Outro suplente, Martin Zeman, fez um passe da direita, com a jogada a culminar com um bom remate de Jan Lecjaks, ao qual Zieler se opôs com categoria.

Incrivelmente perto
Quanto mais o desafio se encaminhava para o fim, mais os jogadores e adeptos checos acreditavam num desfecho positivo. Esse momento esteve quase para acontecer quando Lars Bender, numa disputa com Jan Polák, desviou a bola rematada por Zeman, na cobrança de um livre, levando-a a passar perigosamente ao lado da sua própria baliza. O 2-1 podia mesmo ter chegado à passagem dos 84 minutos, quando Necid rematou de cabeça, com a bola a passar perto da baliza alemã. Findo o tempo regulamentar, o jogo foi para prolongamento. Aí, Necid continuou a atormentar a defesa alemã. Ao mesmo tempo Sukuta-Pasu era uma ameaça semelhante para os checos, e podia mesmo ter marcado por duas vezes, antes do tento decisivo, a um minuto do fim, e que garantiu a presença da sua equipa na final de sábado, frente à Itália, colocando um ponto final no sonho dos checos.