Entrevistas

O "site" oficial do futebol europeu

Entrevistas

Giuntini saboreia "melhor momento como treinador"
Jean-Claude Giuntini saudado pelos seus jogadores ©Sportsfile

Entrevistas

Giuntini saboreia "melhor momento como treinador"

"Há já muitos anos que trabalho com selecções nacionais, de várias categorias etárias, e este é o meu melhor momento de sempre como treinador". Jean-Claude Giuntini mostrou-se compreensivelmente satisfeito depois de ver os seus pupilos erguerem o troféu em Burgas, apesar de defender que "os resultados não são o mais importante. O importante é ter um bom desempenho e praticar um bom futebol" O primeiro triunfo da França em Europeus de Sub-17 fora do seu território pode ser, pois, visto como uma justa recompensa para um homem que consegue conciliar na perfeição o papel de "treinador e formador".

Como jogador, Giuntini nunca foi além dos escalões secundários, tendo representado equipas como o US Boulogne ou o Chaumont FC. Mas, aos 26 anos de idade estava já a abraçar a sua paixão pelas funções de treinador no Union Etoile Sportive Montmorillonnaise e, depois de duas temporadas ao leme de dois clubes diferentes, passou a maior parte da década em Brive, no comando do ES Aiglons. O seu talento no desenvolvimento de jovens jogadores levou-o a assumir o cargo de conselheiro técnico da Federação Francesa de Futebol (FFF), de início para a região de Ródano, em 1998, e, cinco anos depois, para a região de Paris, onde começou a ver o seu nome surgir nas listas das equipas técnicas das selecções. Nos últimos tempos, foi responsável pela selecção de sub-16 e, antes da campanha vitoriosa de 2014/15, tinha já também orientado os Sub-17 em 2011/12.

A sua filosofia de desenvolvimento de jogadores nas equipas jovens passa por "guiar e encorajar os jogadores a tornarem-se auto-confiantes na sua forma de abordar o jogo. Para além de ganharem maturidade técnica e táctica, isto implica uma capacidade de auto-análise e a aquisição de inteligência emocional suficiente para lidar com situações específicas e com as exigências do jogo em geral. Como treinador e formador, podemos passar a nossa própria experiência e avisá-los sobre aquilo que eles podem esperar, mas isto tem de ser feito de forma a guiá-los até essa descoberta. É por isso que há que encorajar os jogadores a identificarem e estabelecerem um conjunto de regras básicas, com o capitão e o vice-capitão a terem um elevado grau de responsabilidade na sua implementação."

Giuntini tem assistido a consideráveis melhorias neste escalão etário. "Diria que os rapazes estão cada vez mais bem equipados para jogar sob pressão. O seu primeiro toque está cada vez melhor, tal como a capacidade técnica e a rapidez de execução. Não tenho presentes as estatísticas deste torneio, mas estou certo de que o tempo real de jogo aumentou. Penso que os jogadores de hoje têm um melhor conhecimento das diferentes possibilidades de que têm para atacar e, por isso, conseguem encontrar melhores soluções na construção dos lances ofensivos. Por outro lado, sinto que podemos ir ainda mais além em termos de produtividade."

©Sportsfile

O treinador e o seu melhor goleador, Odsonne Edouard

A sua preparação para o torneio final teve por base dois curtos estágios após a Ronda de elite onde teve oportunidade de observar jogadores que poderiam, potencialmente, melhorar a equipa. Na Bulgária, sublinhou a força colectiva do seu grupo, 100 por cento focado no objectivo de atingir a final e que, excepção feita a um par de excursões até Burgas, a cidade mais próxima, preferiu passar a maior parte do tempo "em casa", no complexo hoteleiro.

A abordagem de Giuntini às suas funções fica bem sintetizada nas respostas que dá às questões sobre a "estrela" Odsonne Edouard. "Ele sempre foi um bom finalizador - queríamos que ele se comportasse como um avançado e desequilibrasse as defesas adversárias. Ele evoluiu muito ao longo do torneio. Melhorou a sua participação na fase de construção e melhorou também a sua reacção defensiva após a perda de bola". Sintomático da capacidade que Giuntini possui para acrescentar virtudes colectivas a um grupo extremamente rico em termos de qualidades individuais.

https://pt.uefa.com/under17/season=2015/technical-report/winning-coach/index.html#seleccionador+vencedor