Dez jogadores a seguir do EURO Sub-17 na Croácia

Três números 9, um lateral ofensivo da campeã Espanha e um extremo goleador de Inglaterra são alguns dos jogadores que impressionaram o UEFA.com no Campeonato da Europa de Sub-17 de 2017.

Da esquerda para a direita: Jadon Sancho, Jann-Fiete Arp, Mateu Morey e Amine Gouiri
Da esquerda para a direita: Jadon Sancho, Jann-Fiete Arp, Mateu Morey e Amine Gouiri ©Sportsfile

Mateu Morey (lateral-direito, Espanha)
O talento do Barcelona é do mais ofensivo que um lateral-direito pode ser. Morey mostrou a todos o seu potencial quando marcou o tento vitorioso da Espanha na jornada inaugural do Grupo A. No entanto, onde brilhou verdadeiramente foi na fase a eliminar, com uma óptima jogada individual e golo frente à França, e numa subida ao ataque para empatar frente à Inglaterra na final.

Jonathan Panzo (defesa-central, Inglaterra)
O defesa disputou os 12 jogos da Inglaterra na campanha 2016/17. Alto, rápido e com bom toque de bola, Panzo formou uma parceria sólida no eixo da defesa com Marc Guehi, colega no Chelsea. A dupla ajudou a selecção britânica a estar 352 minutos sem sofrer golos, entre o infeliz desvio de Guehi, no primeiro jogo da fase de grupos, e o remate rasteiro do turco Kerem Kesgin, nas meias-finais.

Espanha 3-1 França: Veja a jogada individual e golo de Mateu Morey
Espanha 3-1 França: Veja a jogada individual e golo de Mateu Morey

Ozan Kabak (defesa-central, Turquia)
Ozan cumpriu todos os minutos na caminhada da Turquia rumo às meias-finais. O defesa do Galatasaray fez de cabeça o golo decisivo frente à Croácia, na fase de grupos, pouco tempo após os anfitriões terem reduzido para 2-1. Já na Ronda de Elite tinha mostrado vocação ofensiva, ao facturar na vitória por 4-1 sobre a Finlândia.

Phil Foden (médio, Inglaterra)
O esquerdino aumentou ainda mais uma reputação já de si elevada. Suplente-utilizado pelo Manchester City na sexta jornada da fase de grupos da UEFA Champions League, em Dezembro, Foden foi uma presença imponente no trio de centrais da Inglaterra. O seu passe milimétrico para Sancho, frente à Turquia, foi algo notável, enquanto um remate de longe, na final, quase deu o terceiro título Sub-17 à sua equipa.

Elias Abouchabaka (médio-ofensivo, Alemanha)
Abouchabaka, do Leipzig, foi o complemento ideal para o ponta-de-lança Jann-Fiete Arp. O No10 marcou três golos na Croácia, o mais importante deles frente à Holanda, nos quartos-de-final, elevando a sua contabilidade para oito em igual número de jogos na campanha do torneio.

Elias Abouchabaka após empatar frente à Holanda
Elias Abouchabaka após empatar frente à Holanda©Sportsfile

Yacine Adli (médio-ofensivo, França)
Muito parecido com Marouane Fellaini, Adli foi o principal municiador de Amine Gouiri, artilheiro do torneio. O jogador do Paris contabilizou cinco assistências nos seus primeiros três jogos, uma delas para o golo decisivo de Gouiri frente à Escócia, à beira do fim. Também foi capaz de marcar, cobrando com sucesso um livre ante as Ilhas Faroé.

Jadon Sancho (extremo, Inglaterra)
O jogador do Manchester City deslumbrou na fase final com a sua capacidade goleadora e magia. Talvez o jogador preferido do público, Sancho contribuiu no mínimo com um golo e/ou assistência em todos os jogos do finalista vencido, com o destaque a ser uma bela exibição frente à Ucrânia, com duas assistências e um golo na goleada por 4-0. Apesar de o treinador Steve Cooper nunca ter admitido, sem dúvida que Sancho foi o melhor jogador da Inglaterra.

Os franceses Amine Gouiri (esquerda) e Yacine Adli celebram
Os franceses Amine Gouiri (esquerda) e Yacine Adli celebram©Sportsfile

Abel Ruiz (avançado, Espanha)
O No9 deixou a Croácia como campeão – 12 meses após ter perdido a final frente a Portugal – e omo um dos melhores marcadores na história do EURO Sub-17, fase de qualificação incluída. Ruiz, do Barcelona, já tinha apontado quatro golos no torneio de Baku, em 2016, e desta vez repetiu o feito, igualando Gouiri e Odsonne Edouard como melhores marcadores da fase final. Poderia ser líder destacado caso não tivesse falhado uma grande penalidade frente à Alemanha.

Amine Gouiri (avançado, França)
Letal é o adjectivo que melhor se aplica para definir o avançado do Lyon. Gouiri foi capaz de marcar com o pé esquerdo, direito e cabeça, para além de ser muito veloz, como se viu no lance em que colocou a França a vencer frente à Espanha, nos quartos-de-final. Os sete golos marcados nos três jogos anteriores representam um recorde conjunto na fase de grupos de uma fase final de provas da UEFA.

Jann-Fiete Arp (avançado, Alemanha)
Arp é o único jogador a ter marcado dois "hat-tricks" na mesma fase final do EURO Sub-17. O primeiro, na goleada por 5-0 à Bósnia e Herzegovina, demorou apenas 13 minutos. A segunda tripla do jogador do Hamburgo contribuiu para o triunfo por 7-0 sobre a República da Irlanda, um recorde conjunto numa fase final. O golo tardio que deu a vitória sobre a Holanda – uma finalização de primeira num jogo em que estava discreto – foi digno de um verdadeiro goleador.

Topo