O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Regresso de cabeça erguida

Portugal, República Checa, Grécia e Suíça regressam a casa, após a eliminação na fase de grupos do Europeu de Sub-17, mas todos podem olhar de forma positiva para as respectivas participações na prova.

Grécia e República Checa empataram sem golos na derradeira jornada da fase de grupos e ficaram pelo caminho
Grécia e República Checa empataram sem golos na derradeira jornada da fase de grupos e ficaram pelo caminho ©Sportsfile

Enquanto Inglaterra, França, Espanha e Turquia seguem para as meias-finais do Campeonato da Europa de Sub-17, Portugal, República Checa, Grécia e Suíça regressam a casa, após a eliminação na fase de grupos.

Apesar da natural decepção, todos podem, ainda assim, olhar positivamente para as suas participações na prova, pelo menos pelo facto de terem conseguido chegar à fase final após ultrapassarem uma muito equilibrada Ronda de Elite. Talvez para Portugal a eliminação tenha sido mais dura, dado que, por altura do intervalo dos encontros de segunda-feira, a selecção lusa empatava com Espanha e estava em posição de rumar às meias-finais, mas acabou derrotada por 2-0 e viu a França tirar-lhe o segundo lugar no Grupo A.

O ponto alto da participação portuguesa na fase final foi a vitória por 3-0 sobre a Suíça, no encontro inaugural, numa partida em que o trio de ataque luso, composto por Ricardo Esgaio, Betinho e Bruma, mostrou todo o seu talento, com Mateus Fonseca e João Mário a destacarem-se, também, no meio-campo. Os pupilos de Rui Bento perderam, depois, 1-0 diante da França, antes de se verem derrotados por Espanha, no derradeiro jogo, mas, ainda assim, a sua defesa, construída à volta de Tiago Ferreira e Tobias Figueiredo, nunca se mostrou fácil de ultrapassar.

Depois de ter visto Portugal colocar fim a seis anos de ausência de fases finais do Campeonato da Europa de Sub-17, Rui Bento afirmou: "Acredito que esta geração de jogadores tem um futuro brilhante. Actuaram a um excelente nível aqui, bem superior àquele a que estão habituados nas competições jovens em Portugal. Têm qualidade e paixão, isso é o mais importante para quem quer ser futebolista, e eles têm perfeita consciência desse facto. Estou, pois, extremamente confiante em relação ao seu futuro".

A Suíça, por seu lado, devastada por lesões e castigos antes do arranque do torneio, perdeu por 4-0 frente à Espanha após a derrota diante de Portugal, e ainda chegou ao intervalo em vantagem sobre a França na última jornada da fase de grupos, mas também acabou por sair derrotada dessa partida. "Após os dois primeiros jogos queria ver uma resposta positiva por parte da minha equipa frente à França", referiu o seleccionador suíço, Heinz Moser. "Temos de encontrar aspectos positivos e saber reagir. Cometemos pequenos erros, mas, a este nível, pequenos erros implicam sofrer golos".

À beira da passagem às meias-finais no Grupo B ficou a República Checa, que depois de perder por 3-1 com a Inglaterra no primeiro jogo, empatou 1-1 com a Turquia no encontro seguinte, mantendo vivo o sonho de apuramento. Mas esse sonho caiu por terra após novo empate, desta feita sem golos, frente à Grécia. Os checos trabalharam bem enquanto equipa, mas a ineficácia ofensiva acabou por custar caro. O seleccionador Jiří Štol afirmou: "Apesar de não termos chegado às meias-finais, estamos muito satisfeitos por nos termos qualificado para esta fase final. Foi a primeira vez que estes jogadores disputaram um torneio desta dimensão e foi uma experiência muito positiva para eles".

A Grécia não foi feliz e viu-se afastada da possibilidade de chegar às meias-finais logo após os dois primeiros encontros, depois de derrotas pela margem mínima frente a Turquia e Inglaterra, mas ainda assim conseguiu despedir-se da sua estreia em fases finais de Europeus de Sub-17 com um ponto conquistado, no derradeiro jogo, diante da República Checa. "Desde o início que já nos dávamos por muito satisfeitos pelo facto de estarmos aqui", salientou Leonidas Vokolos, seleccionador grego. "Estão aqui presentes as melhores selecções da Europa e, com um pouco mais de sorte nos nossos três jogos, quem sabe onde poderíamos ter chegado".