Inter e Atlético lutam por fazer história

Um novo nome vai ficar gravado na lista de vencedores da SuperTaça Europeia, prova na qual os treinadores de Atlético de Madrid e Inter apostam em fazer história e continuar o recente êxito dos respectivos clubes.

Um momento de um treino do Atlético
Um momento de um treino do Atlético ©Getty Images

Vai haver um nome novo na lista de vencedores da SuperTaça Europeia este ano e, se o treinador do Club Atlético de Madrid, Quique Sánchez Flores, prevê um encontro muito equilibrado, o seu homólogo do FC Internazionale Milano, Rafael Benítez, mostra-se apostado em fazer história.

Inter e Atlético vão ambos disputar pela primeira vez o troféu e as similaridades entre os dois clubes não se ficam por aqui. Os "nerazzurri" tiveram de esperar 45 anos pela conquista de novo título de campeão da Europa, que chegou com a vitória na UEFA Champions League há três meses, enquanto o único troféu europeu do palmarés do Atlético antes no triunfo na UEFA Europa League, em Maio último, datava de 1962, aquando da conquista da Taça dos Vencedores das Taças. Contudo, agora os dois emblemas buscam o seu segundo troféu de 2010 nos palcos europeus.

Apesar de ir encontrar pela frente um adversário que celebrou já a conquista de quatro troféus este ano, Quique Flores sente que a sua equipa não parte em desvantagem para o embate de sexta-feira no Stade Louis II, no Mónaco. "Creio que há 50 por cento de favoritismo para cada lado, dada a energia e vontade dos meus jogadores e o facto de tudo se decidir apenas num só jogo", salientou. "Se fosse um jogo do campeonato talvez o Inter fosse favorito, mas assim tudo pode acontecer."

O Inter pode também ser estreante na SuperTaça Europeia, mas Benítez sabe bem o que é disputar esta prova, pois guiou o Liverpool FC à conquista do troféu em 2005, com uma vitória por 3-1 sobre o PFC CSKA Moskva. Caso volte a vencer o troféu, tornar-se no sexto treinador a conquistar por duas vezes a SuperTaça Europeia, mas o técnico de 50 anos desvaloriza o facto e prefere olhar para a ocasião como uma excelente oportunidade para a sua nova equipa. "Não se trata de qualquer responsabilidade acrescida para mim, mas sim de uma oportunidade para nós, no Inter, escrevermos mais uma página na história deste clube."

E se os jogadores do Atlético estão habituados às ideias de Quique Flores, no comando da formação madrilena desde Outubro do ano transacto, Benítez não teve ainda muito tempo para impressionar os seus novos pupilos, tendo apenas chegado ao Inter para substituir José Mourinho neste Verão. É algo que Quique Flores – que tem o defesa Juanito em dúvida para o encontro – pensa poder explorar. "É muito complicado mudar de sistema de jogo e é difícil implementar uma nova abordagem num período tão curto de tempo, pelo que vai demorar algum tempo até que possamos ver o verdadeiro Inter de Rafael Benítez."

"Tenho uma boa relação com o Rafa", acrescentou o treinador espanhol sobre o compatriota. "Sigo de perto o seu trabalho e temos formas semelhantes de olhar para as coisas". Por seu lado, Benítez não pretende apressar aquele que entende ser um trabalho em progressão. "É importante que os jogadores apreendam as coisas gradualmente e que continuem a jogar como o faziam na temporada passada". Depois de ter conquistado a SuperTaça de Itália no fim-de-semana passado, Benítez poderá vencer o segundo título em menos de uma semana pelo Inter, naquele que será apenas o seu segundo encontro oficial ao leme da formação de Milão. "Se formos bem-sucedidos, é porque a equipa já estava muito bem antes de eu chegar. Temos de aproveitar as oportunidades que nos surgem pela frente."

Topo