Robben sobre Mourinho, Guardiola e a SuperTaça Europeia

Arjen Robben recorda a sensacional época do Bayern em 2012/13 e perspectiva novos sucessos nesta temporada, a começar com a SuperTaça Europeia, em Praga.

Robben sobre Mourinho, Guardiola e a SuperTaça Europeia
Robben sobre Mourinho, Guardiola e a SuperTaça Europeia ©UEFA.com

Quando Arjen Robben comemorou em delírio depois de marcar o golo decisivo frente ao Borussia Dortmund, em Maio, na final da UEFA Champions League, o holandês mostrou alegria e alívio. O extremo tinha saído derrotado de duas finais anteriores, ante o Chelsea FC e o FC Internazionale Milano, mas apontou o golo que deu ao FC Bayern München o título europeu em Wembley.

Recuperado do esforço após as férias de Verão, o holandês de 29 anos explica que a equipa alemã está a gostar de trabalhar com o novo treinador, Josep Guardiola, e determinada em vencer o Chelsea para juntar a primeira SuperTaça Europeia ao palmarés do Bayern.

UEFA.com: A conquista da SuperTaça Europeia seria um início de época perfeito para o Bayern?

Arjen Robben: Não é tanto pela nova época, mas pelo troféu em si. Vencemos a UEFA Champions League e este é um novo que podemos conquistar, que nos falta ganhar.

UEFA.com: O que espera do jogo com o Chelsea de José Mourinho?

Robben: O Chelsea teve duas épocas maravilhosas e agora tem o antigo treinador de regresso. Tenho uma grande consideração por Mourinho. Vai ser um grande jogo.

UEFA.com: A época de 2012/13 deve ter parecido uma redenção, depois de terem estado tão perto no ano anterior...

Robben: Com a desilusão da época anterior, em que perdemos duas finais e ficámos no segundo lugar no campeonato, todos estávamos determinados em vencer desde o primeiro dia. Ninguém terá sonhado que iríamos conquistar os três troféus, mas a equipa tinha o moral muito elevado.

UEFA.com: Que recordações tem da final da UEFA Champions League?

Robben: Foi uma grande sensação para mim e uma recompensa para nós por acreditarmos que era possível. Quando se conhece a dor da derrota, este sabor é ainda mais doce.

Robben beija a 'Taça das Orelhas Grandes'
Robben beija a 'Taça das Orelhas Grandes'©Getty Images

Robben: É um sentimento impossível de descrever. É a concretização de um sonho e da melhor forma possível. É com isto que sonhamos quando somos jovens. Marcar um golo assim no último minuto da final da UEFA Champions League. Não poderia ter sido melhor.

UEFA.com: Continua a haver espaço para os extremos no futebol moderno?

Robben: Claro que há espaço para os extremos e o Bayern mostrou-o em campo. Há vários anos que jogamos com extremos, com muita velocidade pelos flancos e imprevisibilidade no ataque. Actualmente já não se pratica um futebol estático em linhas, temos liberdade de movimentos e podemos continuar a surpreender os adversários desta forma.

UEFA.com: Essa liberdade é muito importante numa equipa como o Bayern?

Robben: É importante ter muita liberdade no ataque, mas é fundamental manter a disciplina na equipa, não podemos ter todos os jogadores a correr de forma aleatória em campo. Por vezes é benéfico deixarmos a nossa posição, desde que se recupere rapidamente quando perdemos a bola, de forma a não criar problemas à defesa.

Robben e Ribéry
Robben e Ribéry©Getty Images

Robben: A velocidade é muito importante, especialmente da forma como eu e o Franck Ribéry jogamos. Quando se fala nos nossos extremos, a velocidade é o factor mais importante. Movimentações em alta velocidade, perante os adversários, são uma arma importante. Também podemos jogar muito subidos no terreno sem bola, porque temos jogadores na nossa equipa com uma qualidade de passe fantástica. A velocidade é muito importante no futebol actual.

UEFA.com: Tem um novo treinador. O que vai mudar com Guardiola no Bayern esta época?

Robben: É uma honra estar a trabalhar com mais um grande treinador e estou ansioso por esta época. Posso dar mais um passo a frente e aprender muito com este técnico. Cada treinador tem as suas próprias ideias, a sua perspectiva sobre a forma como a equipa deve jogar. Guardiola vai fazer alguns ajustes e queremos fazer mais pressão sobre os atacantes de forma a recuperar a bola o mais rapidamente possível.

Topo