As ambições de Zanetti

Depois de ter erguido o troféu da UEFA Champions League na época passada, o eterno capitão do Inter, Javier Zanetti, está focado em ajudar os "nerazzurri" a conquistarem a sua primeira SuperTaça Europeia.

Javier Zanetti foi o primeiro capitão do Inter, em 45 anos, a erguer a Taça dos Clubes Campeões Europeus
©Getty Images

Dizem que a paciência é uma virtude, sendo que para Javier Zanetti essa premissa não podia ser mais verdadeira. Quando o FC Internazionale Milano defrontar o Club Atlético de Madrid (de Tiago e Simão) esta sexta-feira, na SuperTaça Europeia, terão passado 15 anos desde o dia em que o argentino se estreou pelos "nerazzurri".

A vitória na final da UEFA Champions League da época passada, frente ao FC Bayern München, pertenceu a Zanetti. Os seus serviços ao clube – este mês renovou contrato por mais dois anos − fizeram dele merecedor de ser o primeiro capitão do Inter a erguer a Taça dos Clubes Campeões Europeus desde 1965. E agora espera ser o primeiro jogador do Inter a levantar o troféu da SuperTaça Europeia, no Mónaco.

A SuperTaça Europeia disputa-se no dia 27 de Agosto, 15 anos depois da sua estreia pelo Inter, frente ao Vicenza Calcio, na Serie A. Percorreu um longo caminho desde então – o que significa para si?

Javier Zanetti: É uma honra para mim envergar a camisola do Inter. Ter estado envolvido em tantos momentos importantes que todos os nossos adeptos vão manter nos corações e na memória para sempre. Sinto-me um privilegiado. Nunca nos cansamos de ganhar e eu ainda quero conquistar mais títulos com o Inter. Vai ser um jogo especial para mim frente ao Atlético.

Tem estado no clube durante grande parte da sua carreira, mas que emoções sentiu quando ergueu o troféu da UEFA Champions League e completaram a "tripla"?

Zanetti: Foi um sentimento único, porque esperava há 15 anos para erguer aquela taça e consegui esse feito na qualidade de capitão de uma grande equipa do Inter. Depois de vencer o "scudetto" e a Taça de Itália, apenas faltava este troféu, o mais importante. Trabalhámos muito para o vencer. Foi um grande triunfo para todos: adeptos, o presidente [Massimo] Moratti e toda a equipa.

O Inter tem dominado o futebol italiano nos últimos anos e vencer a UEFA Champions League significa que conquistou todos os grandes títulos europeus, aparte a SuperTaça Europeia. Estão muito motivados para erguer o troféu no Mónaco?

Zanetti: Nunca tive a oportunidade de vencer a SuperTaça Europeia, por isso é óbvio que estou desejoso de bater o Atlético. Vai ser a primeira vez que disputo este jogo, por isso quero estar à altura dos acontecimentos. A partida também assinala o começo de uma nova época no Inter e queremos ter a certeza que será mais um ano de sucesso para o clube. Conquistar a SuperTaça Europeia seria um bom início.

Tem 37 anos, mas permanece na alta-roda do futebol europeu e numa das equipas mais fortes do continente. Qual tem sido o segredo para o sucesso?

Zanetti: Não existem segredos especiais, apenas muito trabalho e profissionalismo. É com esforço que se alcançam os objectivos propostos e eu vou continuar a jogar enquanto me sentir em condições para isso. Este é o melhor período da minha carreira – Sinto-me ainda melhor do que quando era mais novo e sinto que ainda posso jogar ao mais alto nível.

Pensa que será difícil repetir as conquistas da época passada?

Zanetti: Repetir uma época tão bem-sucedida é sempre difícil, mas vamos fazer tudo ao nosso alcance para ser competitivos até ao fim. Vai ser complicado porque muitas outras equipas vão querer vencer-nos, já que somos o campeão europeu em título, mas vamos ter que estar à altura do desafio. E sei que vamos estar.

Com jogadores como Esteban Cambiasso, Diego Milito, Walter Samuel e você próprio, existe uma considerável influência argentina no Inter. Que qualidades é que todos vocês fornecem ao clube?

Zanetti: Tentamos apenas ser úteis ao grupo de trabalho, colocar o nosso profissionalismo ao serviço do treinador e ajudar a equipa, que é o mais importante. Existem muitos jogadores argentinos no Inter, mas penso que a nossa abordagem é idêntica à dos outros jogadores, seja qual for a nacionalidade – queremos vencer e trabalhamos no duro para o conseguir.

Como é que Rafael Benítez se tem ambientado desde que substituiu José Mourinho?

Zanetti: Benítez é um treinador com ideias claras e muita experiência no futebol. Com um treinador como ele, penso que o Inter pode continuar a melhorar e ter ainda mais sucesso. Também temos bons escalões de formação e os jovens jogadores que têm integrado a equipa principal vão desempenhar o seu papel este ano. A equipa possui bastante experiência e eles vão aprender com isso, tornando-se ainda melhores jogadores.

Pensa que ele vai alterar o estilo de jogo da equipa?

Zanetti: Cada treinador tem as suas próprias ideias sobre como gerir a equipa e sobre a sua forma de jogar. É inevitável que algumas coisas mudem com a chegada de um novo treinador, mas temos que estar preparados para corresponder aos seus pedidos. Somos profissionais e esse é o nosso dever.

Com tantos jogadores do Inter, como Wesley Sneijder e Samuel Eto'o, envolvidos no Campeonato do Mundo deste Verão, acha que isso pode ter um impacto na preparação da equipa esta época?

Zanetti: Disputámos mais de 50 jogos na época passada, por isso os jogadores estão habituados ao desgaste. Sneijder e Eto'o, mas também Stanković, Muntari, Maicon e Lucio − que também estiveram presentes na África do Sul − são profissionais de corpo inteiro e que querem ter sucesso. Puderam descansar depois do Mundial e agora estão frescos e disponíveis para a nova época. Vai ser um bom ano para o Inter, estou certo disso.

Esta é uma versão resumida de uma entrevista que vai constar no programa oficial da SuperTaça Europeia.

Topo