Fàbregas quer dar seguimento aos êxitos do Barça

Rrecém-chegado do Arsenal, Cesc Fàbregas precisou de apenas 48 horas para conquistar o seu primeiro troféu no Barcelona e, dez dias depois, quer vencer o segundo ante o FC Porto.

Cesc Fàbregas encontra-se com a imprensa no Grimaldi Forum, no Mónaco
Cesc Fàbregas encontra-se com a imprensa no Grimaldi Forum, no Mónaco ©Getty Images

Cesc Fàbregas não precisou de grandes apresentações aos seus novos colegas, quando regressou ao FC Barcelona vindo do Arsenal FC, mas isso não diminui o seu entusiasmo à partida para a primeira grande viagem com a equipa catalã.

Ainda não passou uma quinzena desde que o médio espanhol concluiu o seu regresso, há muito esperado, à Catalunha, a troco de 35 milhões de euros. Ainda não tinham passado 48 horas desde a sua chegada ao plantel “blaugrana” e já ele juntava ao currículo o seu primeiro troféu, entrando como suplente utilizado na segunda mão da final da Supertaça de Espanha, em que o Barcelona venceu o Real Madrid FC. Agora o FC Porto, com quem joga no Mónaco nesta sexta-feira, é o único obstáculo entre ele e o segundo - nada mau, para um jogador que não venceu qualquer título nas últimas seis temporadas, com a equipa londrina.

“Vim para o Barça para evoluir, para competir e, obviamente, para conquistar títulos”, disse na véspera do jogo. “É uma possibilidade que temos graças ao desempenho da equipa do ano passado, mas tenho a felicidade de fazer parte desta equipa, agora, e queria agradecer aos meus colegas pela magnífica temporada que fizeram.”

“Temos esperança em vencer o jogo. Estamos em boa forma e, nesta equipa, dá-se tudo pela vitória e luta-se até ao fim. É importante ver que todos confiam em todos, mas também notei que existe muita humildade no grupo.”

Essa humildade raramente funciona em favor dos adversários, mas ajudou Fàbregas a sentir-se imediatamente em casa. Para isso contribuem, claro, os seis anos que passou na academia, em La Masia, de onde sairia em 2003.

“Ao chegar, já conhecia 90% dos jogadores e isso facilitou-me muito as coisas”, disse. “É um prazer fazer parte deste grande clube e desta grande equipa. [Contra o Real Madrid] Falavam comigo permanentemente, dizendo que movimentos iam fazer. Senti-me logo confortável, e à vontade.”

É quase como se Fàbregas nunca tivesse saído, embora a sua linguagem não consiga esconder o afecto que sente pelo Arsenal nem o prazer por ver que “nos apurámos” para a fase de grupos da UEFA Champions League. Uma pergunta sobre os atributos do FC Porto reencaminhou a sua linha de pensamento.

“São muito parecidos connosco e gostam de ter a posse de bola”, disse, recordando que na meia-final da UEFA Europa League da última temporada, “contra o Villarreal, uma das melhores equipas de Espanha, o FC Porto marcou [sete] golos. Podem fazer estragos pesados, se cometermos um erro”. Ainda assim, o Barcelona não comete muitos.

Topo