O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Melhor Defesa do Ano da UEFA

Jamie Carragher, Rio Ferdinand, Carles Puyol, John Terry e Nemanja Vidić estão entre os nomeados para o prémio de Melhor Defesa do Ano da UEFA.

Nemanja Vidić e Rio Ferdinand travam Didier Drogba
Nemanja Vidić e Rio Ferdinand travam Didier Drogba ©Getty Images

Os prémios para os melhores jogadores das competições de clubes da UEFA são, tradicionalmente, entregues na véspera da final da SuperTaça Europeia, jogo que marca o arranque de uma nova temporada europeia de clubes, no Mónaco. Os vencedores são escolhidos pelos treinadores das 16 equipas que atingiram os oitavos-de-final da última edição da UEFA Champions League e, no ano passado, Paolo Maldini, do AC Milan, foi eleito como o melhor defesa.

Jamie Carragher (Liverpool FC)
Excelente na marcação homem-a-homem e forte no desarme, há muito que Carragher dissipou as dúvidas que se levantavam sobre a sua pretensa falta de velocidade e se afirmou na linha defensiva do Liverpool. Depois de há muito ter batido o recorde de Ian Callaghan no que toca a presenças de jogadores do Liverpool em jogos das competições europeias, Carragher, de 30 anos, tornou-se apenas no 12º jogador nos 116 anos de história dos "reds" a ultrapassar os 500 jogos pelo clube.

Rio Ferdinand (Manchester United FC)
"De longe, o melhor defesa-central do mundo", segundo Sir Alex Ferguson, Ferdinand realizou uma temporada memorável em 2007/08. Ajudou o United a defender o título de campeão inglês, capitaneou a equipa rumo à vitória na UEFA Champions League, foi ainda capitão da selecção inglesa e teve tempo para, pela primeira vez, marcar quatro golos numa temporada. Imponente no jogo aéreo, com bons pés e cada vez mais maduro, por vezes parece estar em todo o lado. De facto, quando o United sofreu o maior desaire da última temporada - eliminado da Taça de Inglaterra pelo Portsmouth FC - Ferdinand até acabou o jogo na baliza, oferecendo-se para calçar as luvas após a expulsão de Tomasz Kuszczak.

Carles Puyol (FC Barcelona)
Pode até ter começado a jogar como lateral-direito, mas hoje é complicado imaginar Puyol a actuar noutro lugar que não no centro da defesa do Barcelona. A temporada de 2007/08 do clube catalão esteve longe de ser brilhante, pelo menos para os padrões a que nos habituou, mas ainda assim o Barça atingiu as meias-finais da UEFA Champions League. E embora o destaque caiba, habitualmente, à sua linha mais ofensiva, foi a defesa comandada por Puyol que foi decisiva na caminhada do Barcelona até essa fase da prova, na qual sofreu apenas seis golos em 12 jogos.

John Terry (Chelsea FC) 
É no calor das batalhas mais quentes que Terry realmente se afirma, e o Chelsea mostrou grandes dificuldades aquando da sua ausência, devido à fractura de um pé, em Dezembro. Regressou à competição mais rápido do que as primeiras previsões dos médicos e voltou a desafiar as expectativas destes em Maio, quando, dez dias depois de deslocar um ombro, capitaneou os londrinos na final da UEFA Champions League. Mas afinal a sorte nem sempre protege os audazes e acabou por ser Terry a falhar a grande penalidade que decidiu a atribuição do troféu, escorregando na corrida para bater o penalty e enviando a bola ao poste.

Nemanja Vidić (Manchester United FC) 
Reconhecido pela sua presença física, capacidade no jogo aéreo, bravura e pela ameaça constante que constitui nos lances de bola parada, Vidić brilhou ainda mais na sua segunda temporada completa em Old Trafford, depois de já na primeira temporada se ter exibido a grande nível. Apesar de perseguido pelas lesões, falhou apenas seis jogos na bem sucedida defesa do título de campeão inglês por parte do United e, ao lado de Rio Ferdinand formou uma dupla no centro da defesa determinante para a vitória do United na UEFA Champions League. Percebem-se, agora, as declarações de Ferguson pouco depois da chegada de Vidić, quando o técnico escocês afirmou: "Fizemos uma excelente contratação".