Chelsea e Atlético lutam pela última SuperTaça no Mónaco

O treinador do Chelsea, Roberto Di Matteo, quer "levar o troféu para casa" frente ao Atlético de Madrid em alta naquela que será a derradeira SuperTaça Europeia a ter lugar no Mónaco.

Chelsea e Atlético lutam pela última SuperTaça no Mónaco
©Getty Images

O Chelsea FC venceu a primeira SuperTaça Europeia realizada no Mónaco, no já longínquo ano de 1998, apresentando um tal de Roberto di Matteo no meio-campo. Com o mesmo homem agora ao comando da equipa, os campeões europeus querem vencer a derradeira edição a ter lugar no Stade Louis II.

Di Matteo foi parte integrante da bem-sucedida equipa do Chelsea de há 14 anos. Treinador interino quando, em Maio, levou os "blues" à conquista da UEFA Champions League, Di Matteo foi agora nomeado treinador principal e pretende "trazer a taça para casa", quando os ingleses defrontarem o Club Atlético de Madrid. "Não devemos esquecer-nos de quão difícil foi ganhar a UEFA Champions League. Foi uma longa caminhada. A SuperTaça é um troféu europeu e tenho sentimentos muito fortes a esse respeito", indicou o treinador de 42 anos.

Sob o comando de outro italiano, Gianluca Vialli, o Chelsea FC derrotou o Real Madrid CF e conquistou a edição de 1998 da SuperTaça Europeia. Agora, defrontará outra equipa espanhola, pese embora Di Matteo não atribua especial significado a essa coincidência. "Não importa se se trata de um clube espanhol ou de outro país. É uma equipa muito boa. Venceram a Europa League e começaram esta temporada em grande estilo. Vi ambos os seus jogos e têm bastante qualidade."

O Chelsea começou, também ele, muito bem a nova temporada. No entanto, Di Matteo não está completamente satisfeito. "Estou agradado com o início que tivemos e pela forma como temos vindo a jogar. Temos jogadores que precisamos de integrar e eles precisam de adaptar as suas qualidades à nossa equipa e estratégia. É sempre bom começar bem, mas sei que podemos melhorar."

O próprio Atlético esteve no pódio dos vencedores há apenas dois anos. O técnico Diego Simeone diz que o Chelsea "tem vantagem no papel", mas a história mostra que o rótulo de favoritos poderá representar quase nada nesta prova: desde 2000, apenas cinco dos 12 vencedores foram aqueles que haviam conquistado a UEFA Champions League no mês de Maio anterior. Um jogo a uma só mão pode, pelos vistos, produzir resultados inesperados - um cenário que Simeone espera que se repita na noite de sexta-feira.

"Eles são favoritos, não podemos mentir a esse respeito, mas temos que ser humildes e competitivos", disse Simeone. "Temos que mostrar que, num só jogo, não se trata daquele que é melhor no papel, mas sim o que for melhor naquele dia." A chave, diz Simeone, é abordar o encontro da mesma forma como que a sua equipa o fez na final de Maio da UEFA Europa League, na qual se impôs ao Athletic Club por 3-0.

"Não devemos pensar em vencer, mas sim como vencer", acrescentou o técnico de 42 anos. "Sabemos que há um enorme prémio em discussão e aquilo que queremos fazer é pensar em como consegui-lo. Estamos a disputar uma partida em que há muito em jogo, mas precisamos de concentrar-nos no encontro e não na Taça."

Um triunfo por 4-0 na Liga na segunda-feira - novamente com o Athletic como vítima - deixou o Atlético em alta. "Creio que fizemos um excelente trabalho de preparação", continuou o argentino, que assumiu o comando da equipa em Dezembro, quando os "rojiblancos" se arrastavam a meio da tabela. "Temos uma equipa bastante competitiva com Juanfran e Filipe Luís novamente disponíveis [após lesão]. Conseguimos uma boa vitória e partimos com uma atitude positiva para a final de amanhã."

Topo