López quer ainda mais

O Atlético de Madrid acabou com um jejum de títulos que durava há 14 anos com a conquista da UEFA Europa League e o capitão dos "colchoneros", Antonio López, quer agora bater o pé ao Inter.

Antonio Lopez durante a conferência de imprensa do Atlético de Madrid
©Getty Images

Três meses depois de ter levantado o troféu da UEFA Europa League sob o céu de Hamburgo, o capitão do Club Atlético de Madrid, Antonio López, está entusiasmado com a possibilidade de ganhar um novo título, esta sexta-feira, quando defrontar o FC Internazionale na SuperTaça Europeia.

Para o Atlético, a vitória sobre o Fulham FC significou o fim de um jejum de títulos que durava desde 1996, mas López espera que os madrilenos possam, no Mónaco, dar nova alegria aos seus adeptos e indica as razões para o optimismo: "Somos uma grande família e temos excelentes expectativas para o jogo. Começar a época com uma final destas dá-nos uma enorme dose de motivação para todo o ano e, apesar de o Inter ter uma equipa incrível, estamos aqui para fazer um bom trabalho."

López, de 28 anos, é um dos jogadores dos "rojiblancos" que passaram quase toda a carreira no Vicente Calderón, excepção feita a um período entre 2002 e 2004 no CA Osasuna, somando 196 jogos na Liga espanhola. A equipa orientada por Quique Sánchez Flores pode apresentar muitas caras novas na SuperTaça, com destaque para os reforços Diego Godín, Filipe Luis e Fran Mérida. "Temos alguns novos jogadores que vieram dar mais força ao nosso sector defensivo", observou López. "Num clube como o Atlético precisamos de ter dois jogadores para cada posição."

Certo é que o Atlético continua a contar com a estrela Diego Forlán, ainda mais motivado depois da extraordinária campanha realizada no Campeonato do Mundo. O dianteiro uruguaio marcou os dois golos contra o Fulham e mais cinco na prova da África do Sul, merecendo, por isso, elogios de Javier Zanetti, seu adversário desta sexta-feira, na conferência de imprensa de antevisão do encontro. "Fórlan foi um dos melhores jogadores do Mundial. Não só pelos golos que marcou, mas por todo o trabalho que fez em prol da sua selecção", explicou o defesa argentino.

Forlán recebeu a Bola de Ouro relativa ao melhor jogador do Campeonato do Mundo, mas preferiu não perder muito tempo com as recordações da África do Sul e também desvalorizou o duelo individual que irá protagonizar com Wesley Sneijder, do Inter, que foi seu adversário nas meias-finais do Mundial. O que Forlán quer é a desforra da final da Taça de Espanha, perdida para o Sevilla FC uma semana depois da vitória na UEFA Europa League. "Não aproveitámos a oportunidade que tivemos na Taça de Espanha, mas agora temos outra hipótese de jogar uma grande final contra uma grande equipa", disse o avançado. "Seria fantástico ganhar a SuperTaça e começar a época com o pé direito. Estamos muito entusiasmados, empenhados e sabemos o que é preciso fazer para ganhar."

Topo