Supertaça Europeia de 1996: Juventus brilha em Paris

A Juventus venceu o Paris e marcou nove golos no conjunto dos dois jogos, naquela que foi a sua segunda Supertaça Europeia, em Palermo

Ciro Ferrara e Attilo Lombardo fazem a festa da Juventus
Ciro Ferrara e Attilo Lombardo fazem a festa da Juventus ©Getty Images

Paris Saint-Germain 1-6 Juventus
(Raí 52pen; Porrini 4, Padovano 22 40, Ferrara 33, Lombardo 83, Amoruso 88)

Juventus 3-1 Paris Saint-Germain
(Del Piero 36 70, Vieri 90; Raí 64)
Juventus vence 9-2 no conjunto dos dois jogos

Uma impressionante equipa da Juventus FC provou ser demasiado forte para o Paris Saint-Germain FC, na final da Supertaça Europeia. A formação de Turim marcou seis golos no Parc des Princes, que muito contribuíram para um triunfo global por 9-2.

A Juventus necessitara de um desempate por grandes penalidades para derrotar o AFC Ajax na final anterior da UEFA Champions League, mas, em Paris, os golos começaram a surgir bem cedo, pois, no espaço de 40 minutos, os "bianconeri" já venciam por 4-0.

Sergio Porrini abriu o activo aos cinco minutos e golos de Michele Padovano (dois) e Ciro Ferrara sentenciaram o jogo ainda antes do final da primeira parte.

O "playmaker" brasileiro Raí ainda deu motivos para festejar aos adeptos anfitriões, ao converter uma grande penalidade, quando estavam decorridos oito minutos da segunda parte, mas quaisquer esperanças que a equipa francesa tivesse esvaneceram-se aos 64 minutos, com a expulsão de Laurent Fournier.

Os tentos de Attilio Lombardo e Nicola Amoruso completaram um triunfo por 6-1.

O PSG tornou-se na primeira equipa francesa a levantar a Taça dos Clubes Vencedores das Taças, ao impor-se, três meses antes, em Bruxelas, ao SK Rapid Wien, por 1-0. A goleada sofrida, frente à Juventus, na primeira mão, não fez jus à qualidade de um conjunto que apresentava elementos como Bernard Lama, Didier Domi, Paul Le Guen, Bruno N'Gotty e Patrice Loko.

Uma vez mais, em Palermo, perante 35 mil espectadores, a Juventus levou a melhor. Alessandro Del Piero foi a principal ameaça e marcou antes e depois de outra grande penalidade convertida por Raí, aumentando o resultado total da Juventus. O substituto Christian Vieri apontou o terceiro tento da Juve, selando um triunfo global por 9-2.