Flashback: Rooney com estreia de sonho frente ao Fenerbahçe

O Manchester United recebe o Fenerbahçe, em Old Trafford, num jogo com lugar especial no coração de Wayne Rooney e por isso recordamos o que aconteceu nessa noite inesquecível.

Wayne Rooney comemora em 2004
Wayne Rooney comemora em 2004 ©Getty Images

Uma transferência muito avultada pode abalar um jogador. Fernando Torres disse que lidar com a elevada expectativa após ter sido contratado pelo Chelsea, em Janeiro de 2011, por 57,5 milhões de euros, foi como "nadar vestido".

Agora ponha-se no lugar de Wayne Rooney, em Setembro de 2004, antes da estreia em Old Trafford, contra o Fenerbahçe, num jogo da UEFA Champions League. Com apenas 18 anos, o avançado tinha acabado de chegar ao Manchester United, vindo do Everton, numa transferência orçada inicialmente em 29,6 milhões de euros, e foi descrito por Alex Ferguson, que não se costuma enganar, como "o melhor jovem jogador que o país viu em 30 anos".

Ninguém podia criticar o dianteiro se este acusasse os nervos da estreia e até o mais exigente dos adeptos teria entendido se o peso colocado sobre os seus ombros e pernas se viesse a revelar excessivo, Mas, num estádio conhecido como o "Teatro dos Sonhos", Rooney fez uma exibição de mestre. Para ficar na história.

Bobby Charlton, uma lenda do United, tinha marcado dois golos na estreia pelo clube, também com 18 anos, em 1956. Rooney fez ainda melhor e assinou três. Nessa noite, o avançado foi imparável, mostrando estar totalmente recuperado de um pé partido que o afastou dos relvados durante três meses, numa exibição plena de ritmo, veneno, poder e precisão.

O primeiro golo com as cores do United chegou aos 17 minutos, num disparo à entrada da área, após bom trabalho de Ruud van Nistelrooy. O segundo surgiu pouco depois, numa jogada individual, que o levou a passar pelo capitão da equipa turca, Ümit Ozan, antes de rematar para as redes. Um livre directo, transformado na segunda parte, completou o "hat-trick".

O Fenerbahçe nunca desistiu e marcou por duas vezes, mas não teve resposta para Rooney. O jovem avançado também mostrou um carácter altruísta nos minutos finais, assistindo David Bellion para o último golo de uma vitória por 6-2. "Rooney, Rooney, Rooney", gritaram os fervorosos adeptos presentes em Old Trafford. Doze anos depois, esse cântico continua a ecoar naquelas paragens. Tal como aquela exibição.

Topo