Sporting - Porto: Cinco jogos históricos

Participantes na Europa League, Sporting e Porto defrontam-se este domingo no primeiro "Clássico" do ano na Liga portuguesa.

Bruno Fernandes (Sporting) e Jesús Corona (Porto) no empate 0-0 da época passada no Estádio José Alvalade
Bruno Fernandes (Sporting) e Jesús Corona (Porto) no empate 0-0 da época passada no Estádio José Alvalade ©AFP/Getty Images

Participantes nos 16 avos-de-final da UEFA Europa League, o Sporting recebe o Porto (domingo, 17h30 GMT) no primeiro "Clássico" do ano na Liga portuguesa, ocasião para o UEFA.com recordar cinco jogos históricos na prova entre as duas equipas na casa dos "leões".

As duas equipas entram para a 15º jornada separados por nove pontos no campeonato, no entanto os "dragões", segundos classificados à frente dos "leões", não vencem o rival no Estádio José Alvalade em jogos do campeonato desde 2008/09.

Histórico do Sporting - Porto

Jogos: 85
Vitórias do Sporting: 45
Empates: 21
Vitórias do Porto: 19
Golos: 160-85

1936/37: Sporting 9-1 Porto
04/04/1937, 10ª jornada

A Liga portuguesa dava os primeiros passos e era habitual, nessa altura, haver resultados desnivelados. O Porto tinha batido o Sporting por 10-1 – a maior goleada dos portistas sobre o rival de Lisboa – a 22 de Março de 1935 e, e em Abril de 1937, no Campo Grande, os “leões” alcançaram então o melhor resultado de sempre frente aos “dragões”, 9-1. Manuel Soeiro (4), João Cruz (3) e Pedro Pireza (2) marcaram pelo Sporting, enquanto Pinga fez o tento de honra dos visitantes.

1959/60: Sporting 6-1 Porto
24/01/1960, 16ª jornada

O resultado dilatado, por sim só, chama a atenção, mas esta goleada do Sporting sobre o Porto acabou por ter outro motivo de interesse. Nesse dia de Janeiro de 1960, José Maria Pedroto fazia o seu derradeiro “Clássico” contra os “leões”, no Estádio José Alvalade, como jogador do Porto, pois na temporada seguinte iniciava a carreira de treinador. Os golos foram marcados por Vadinho (3), Faustino Pinto (2) e Juan Seminário para os “verdes-e-brancos”, enquanto Janko Daucik marcou pelos “azuis-e-brancos”.

1972/73: Sporting 0-3 Porto
31/12/1972, 16ª jornada

No último dia de 1972, Sporting e Porto defrontavam-se numa época atípica. Começava a perceber-se que o Benfica era adversário demasiado forte e o duelo entre “leões” e “dragões” acabaria por ajudar, mais tarde, a definir o quarto e quinto lugares de visitados e visitantes, respectivamente, ambos com 37 pontos. Mas o facto mais relevante desta partida foi mesmo o resultado, pois o triunfo por 3-0 constitui, até hoje, o maior dos portistas em Lisboa nos domínios dos sportinguistas. Flávio Minuano (2) e Abel Miglietti assinaram os golos.

1999/2000: Sporting 2-0 Porto
18/03/2000, 26ª jornada

Peter Schmeichel foi uma das figuras do Sporting de 1999/2000
Peter Schmeichel foi uma das figuras do Sporting de 1999/2000©Getty Images

O Porto começou a época como pentacampeão, e sob o comando de Fernando Santos no banco e de Mário Jardel no ataque. Os “dragões” começaram bem o campeonato, mas o Sporting nem por isso. Mesmo com a sonante contratação de Peter Schmeichel, o mau arranque dos “leões” precipitou a demissão do treinador Giuseppe Materazzi após somente cinco jornadas.

Já sob a batuta de Augusto Inácio, os "verde-e-brancos" encetaram então uma excelente recuperação no campeonato e, à 26ª jornada, receberam o Porto. O Sporting venceu por 2-0 – golos de André Cruz e Beto Acosta na primeira parte – e deu então um passo fundamental para a conquista do título que lhe fugia há 17 anos.

2005/06: Sporting 0-1 Porto
08/04/2006, 30ª jornada

O campeonato chegava à recta final com a emoção ao rubro. Porto (66) e Sporting (64) lutavam pelo título, enquanto o Benfica (59) seguia mais atrás. Os “leões” recebiam os “dragões” com as duas equipas separadas apenas por dois pontos e era a oportunidade para os comandados de Paulo Bento ultrapassarem os de Co Adriaanse.

O encontro foi tenso e equilibrado, mas um golo de Jorginho, aos 84 minutos, deixou os portistas com cinco pontos de vantagem e esse desfecho acabaria mesmo por ser decisivo na conquista do título por parte do conjunto da Cidade Invicta.

Topo