O "site" oficial do futebol europeu

UEFA Europa League – 50 factos e números

Publicado: Terça-feira, 7 de Maio de 2013, 10.07CET
O estatístico residente do UEFA.com escolhe 50 dos seus factos e números favoritos de uma época que estabeleceu recordes de golos, séries vitoriosas, sequências invictas e uma final improvável.
por Mike Hammond
UEFA Europa League – 50 factos e números
Eduardo Salvio comemora o seu golo ao Newcastle ©AFP/Getty Images
 
Publicado: Terça-feira, 7 de Maio de 2013, 10.07CET

UEFA Europa League – 50 factos e números

O estatístico residente do UEFA.com escolhe 50 dos seus factos e números favoritos de uma época que estabeleceu recordes de golos, séries vitoriosas, sequências invictas e uma final improvável.

Esta edição da UEFA Europa League estabeleceu recordes de golos, séries vitoriosas, sequências invictas. O estatístico residente do UEFA.com escolhe 50 dos seus factos e números favoritos, e destaca que, no que toca a experiência nesta competição, o Chelsea FC não tem nada a ver com o SL Benfica, seu adversário na final de Amesterdão, a 15 de Maio.

Fase de grupos
1. Pela primeira vez numa fase de grupos da UEFA Europa League, nenhuma das 48 equipas participantes ganhou os seis jogos disputados, um feito alcançado por FC Salzburg (2009/10), FC Zenit St Petersburg (2010/11) e RSC Anderlecht (2011/12).

2. O Olympique Lyonnais, vencedor do Grupo I, foi quem somou mais pontos (16), após seis vitórias e um empate. Houve mais cinco equipas que não perderam: KRC Genk, FC Rubin Kazan, S.S. Lazio and Tottenham Hotspur FC e Hannover 96.

3. O FC Dnipro Dnipropetrovsk, vencedor do Grupo F, foi quem marcou mais golos – 16, com uma média de dois por jogo. As seguintes equipas mais concretizadoras foram Lyon e BSC Young Boys, com 14 golos cada.

4. O Young Boys não se apurou para a fase a eliminar, perdendo num confronto directo a três com Liverpool FC e FC Anji Makhachkala, no Grupo A. O seu total de dez pontos foi melhor do que cinco equipas que seguiram em frente na prova, com o valor mais baixo a pertencer ao VfB Stuttgart, segundo classificado do Grupo E, com apenas oito pontos.

5. Oito clubes venceram os três jogos realizados em casa: Anji, FC Viktoria Plzeň, Club Atlético de Madrid, FC Girondins de Bordeaux, Dnipro, Rubin, Lyon e FC Metalist Kharkiv. No entanto, apenas um somou o máximo de pontos nas três partidas disputadas fora – o Fenerbahçe SK, vencedor do Grupo C. Somou apenas quatro pontos em Istambul.

6. As defesas menos batidas foram as de Lázio e Bayer 04 Leverkusen, que sofreram apenas dois golos nos seis jogos realizados (o clube alemão repetiu o feito da época 2010/11). As duas equipas não concederam golos nos três jogos em casa – tal como Anji, Bordéus e Rubin.

7. Nove das 48 equipas perderam os seis jogos. O total de pontos mais baixo foi dois, alcançado pelo Hapoel Kiryat Shmona FC no Grupo I.

8. Marcou-se um total de 379 golos nos 144 jogos da fase de grupos (a uma média de 2,63 por partida). Desses, 41 aconteceram no Grupo F (Dnipro, SSC Napoli, PSV Eindhoven e AIK) – menos quatro que o recorde, que se situa nos 45.

9. O maior número de golos marcados numa jornada aconteceu quando se registaram 75 na segunda ronda. Só no Grupo C marcaram-se 12, um recorde partilhado, já que o Olympique de Marseille goleou o AEL Limassol FC por 5-1, enquanto o Fenerbahçe venceu por 4-2 no terreno do VfL Borussia Mönchengladbach.

10. Edinson Cavani apontou os quatro golos na vitória caseira do Nápoles sobre o Dnipro, por 4-2 – um feito alcançado anteriormente apenas uma vez, por Falcao, nas meias-finais da edição 2010/11, quando o FC Porto defrontou o Villarreal CF. No final da fase de grupos, Cavani liderava a lista de melhores marcadores, com sete, apesar de ter sido titular em apenas três desafios.

11. Incluindo o "poker" de Cavani frente ao Dnipro, aconteceram cinco "hat-tricks" na fase de grupos, o mais rápido da autoria de Tim Matavž (30 minutos), no triunfo do PSV em Nápoles, por 3-1, na sexta jornada. Raul Bobadilla (Young Boys), Eduardo Vargas (Nápoles) e Jermain Defoe (Tottenham) foram os autores dos restantes.

12. Cavani facturou o 2000º golo na história da UEFA Europa League, quando em tempo de compensação converteu um penalty frente ao AIK, na quinta jornada.

13. Durante a fase de grupos, o Atlético prolongou para 15 o seu recorde de vitórias consecutivas na competição, antes de perder por 2-0 em casa da A. Académica de Coimbra. Nenhum outro clube conseguiu mais do que seis vitórias seguidas no torneio. O Atlético também aumentou o seu recorde de vitórias caseiras consecutivas, para dez, com o máximo de pontos somado nos três jogos no Vicente Calderón.

14. O recorde de maior número de jogos caseiros consecutivos sem perder foi prolongado pelo Sporting Clube de Portugal, que apesar da sua eliminação passa a ter 19. A série remonta ao seu primeiro jogo na UEFA Europa League.

©Badri Ketiladze

Pavel Horváth: eterno

15. Pavel Horváth, do Viktoria Plzeň, tornou-se no jogador mais velho a marcar na fase de grupos da UEFA Europa League, aumentando a fasquia para 37 anos e 214 dias, graças ao seu penalty frente à Académica, na quinta jornada. Na mesma noite, Sander Boschker, guarda-redes do FC Twente, tornou-se no jogador mais velho a participar num encontro da UEFA Europa League, com 42 anos e 33 dias, mantendo a sua baliza inviolável no empate a zero com o Hannover.

16 avos-de-final
16. Os quatro clubes alemães presentes na fase de grupos – Mönchengladbach, Estugarda, Bayer 04 Leverkusen e Hannover – qualificaram-se para a fase a eliminar. Inglaterra e Itália também tiveram uma taxa de sucesso de 100 por cento, com os seus três clubes a seguirem em frente.

17. Com a inclusão dos oito clubes transferidos da UEFA Champions League, estiveram representados 16 países nos 16 avos-de-final: Inglaterra, Alemanha (quatro clubes); Itália, Rússia, Ucrânia (três); República Checa, França, Roménia, Espanha (dois); Bielorrússia, Bélgica, Grécia, Holanda, Portugal, Suíça, Turquia (um).

18. A chegada dos bielorrussos do FC BATE Borisov à fase a eliminar significou que, pela primeira vez, 26 nações participaram numa campanha da UEFA Europa League, da fase de grupos até à final. Em cada uma das três épocas anteriores, 25 países tinham estado representados.

19. Doze clubes competiram na fase a eliminar da UEFA Europa League pela primeira vez: Chelsea, CFR 1907 Cluj, Newcastle United FC, Anji, FC Internazionale Milano, Levante UD, Mönchengladbach, Genk, Girondins, Dnipro, Lyon e Tottenham.

20. O Chelsea, detentor da UEFA Champions League, foi o único dos 32 participantes que nunca tinham estado em acção na UEFA Europa League. Foi acompanhado por cinco outros antigos vencedores da Taça dos Clubes Campeões Europeus – Benfica, Inter, Liverpool, AFC Ajax e FC Steaua Bucureşti.

21. O campeão Atlético foi um dos outros sete clubes que ganhou pelo menos uma das outras principais competições de clubes da UEFA. Os restantes foram Zenit, FC Dynamo Kyiv, Leverkusen, Mönchengladbach, Lazio, Tottenham e Nápoles. O Newcastle ganhou a Taça das Cidades com Feira, prova não reconhecida pela UEFA.

22. Seis campeões nacionais participaram nos 16 avos-de-final: BATE (Bielorrússia), CFR Cluj (Roménia), Olympiacos FC (Grécia), Zenit (Rússia), Ajax (Holanda) e FC Basel 1893 (Suíça).

23. Apesar de ter sido insuficiente para manter o campeão Atlético em prova para além dos 16 avos-de-final, o tento de consolação de Falcao no triunfo por 1-0 sobre o Rubin aumentou o seu recorde de golos na UEFA Europa League para 30 (em 31 jogos).

©AFP/Getty Images

O êxito do Steaua nos penalties

24. Após 108 jogos anteriores na fase a eliminar, a UEFA Europa League teve o seu primeiro desempate por penalties, com o Steaua a bater o Ajax, depois de vitórias caseiras por 2-0 de ambos. O Steaua foi a única equipa a apurar-se para os oitavos-de-final depois de ter perdido a primeira mão. Foi apenas a segunda vez na UEFA Europa League que uma equipa recuperou de uma desvantagem de dois golos, trazida da primeira mão, para garantir o apuramento (a primeira tinha sido o Fulham FC, que após uma derrota por 3-1, ganhou por 4-1 na recepção à Juventus, nos 16 avos-de-final da época 2009/10).

25. A Rússia teve um registo perfeito nos 16 avos-de-final, com os seus três representantes – Anji, Zenit e Rubin – apurados. A vizinha Ucrânia teve o destino oposto, já que Dnipro, FC Metalist Kharkiv e Dynamo Kyiv foram eliminados sem ganharem um único jogo. O interesse na competição perdeu-se para Bielorrússia, Bélgica, Grécia e Holanda, enquanto a Alemanha ficou sem três dos seus quatro representantes.

Oitavos-de-final
26. Os oitavos-de-final contaram com 16 equipas de 11 federações-membro da UEFA. Oito delas apresentaram apenas um representante, enquanto Inglaterra e Rússia contaram com três e Itália com duas. Apenas três das oito equipas que transitaram da UEFA Champions League após a fase de grupos seguiram para os oitavos-de-final – Benfica, Chelsea e Zenit.

27. Pela primeira vez em quatro edições da UEFA Europa League, a vantagem nos oitavos-de-final pertenceu às equipas que disputaram a segunda mão em casa. Cinco das oito formações nessa situação apuraram-se. Em 2009/10 tinham sido quatro, enquanto em 2010/11 e 2011/12 foram três cada.

28. O último recorde caseiro 100 por cento vitorioso na edição 2012/13 terminou quando o Bordéus perdeu por 3-2 com o Benfica. A derrota do Tottenham em Milão, por 4-1, também colocou um ponto final na sua série invicta na competição, deixando a Lázio como única equipa sobrevivente da fase de grupos nessa situação (dez jogos), à partida para os quartos-de-final.

29. O Benfica foi o único dos conjuntos presentes nos quartos-de-final a já ter alcançado esta fase da prova anteriormente. O seu terceiro apuramento – em três participações na UEFA Europa League – estabeleceu um marco, ultrapassando os detentores do recorde anterior, Atlético e Valencia CF, com dois.

30. O interesse de cinco países na competição terminou nos oitavos-de-final: República Checa, França, Alemanha, Roménia e Espanha. O afastamento do Levante, às mãos do Rubin, significou que a Espanha não contou com uma equipa nos quartos-de-final pela primeira vez. Dessa forma, Portugal foi a única nação a marcar presença nos quartos-de-final da UEFA Europa League até ao momento. Itália, Suíça e Turquia contaram com equipas nos quartos-de-final pela primeira vez.

Quartos-de-final
31. Os quartos-de-final contaram pela primeira vez com equipas de seis federações-membro da UEFA; nas três edições anteriores tinham sido cinco. O único país com mais do que um representante foi a Inglaterra, neste caso Tottenham, Chelsea e Newcastle. Não tinha havido equipas inglesas nos quartos-de-final em 2010/11 e 2011/12.

32. O último recorde invicto na edição 2012/13, para um clube que começou na fase de grupos, terminou quando a Lázio, após dez jogos sem perder, foi derrotada pelo Fenerbahçe em Istambul, por 2-0. A Lázio tornou-se na primeira equipa, de entre 32, a não conseguir marcar na primeira mão dos quartos-de-final da UEFA Europa League.

33. Esta é a primeira temporada em que os quatro semifinalistas são provenientes de quatro países diferentes. O apuramento do Benfica significa que Portugal igualou o recorde da Espanha, com cinco. Juntos, Espanha e Portugal forneceram os quatro semifinalistas em 2010/11 e 2011/12.

34. O Chelsea tornou-se na terceira equipa inglesa a chegar aos quartos-de-final, enquanto Suíça e Turquia, por intermédio de Basileia e Fenerbahçe, respectivamente, marcaram presença nas meias-finais pela primeira vez.

35. Nenhuma das quatro equipas que se apuraram para as meias-finais tinha ganho a Taça UEFA ou UEFA Europa League anteriormente. Basileia e Fenerbahçe assinalaram a sua estreia numa meia-final europeia.

Meias-finais
36. O Benfica estabeleceu um novo recorde na UEFA Europa League, durante a primeira mão das meias-finais, com o seu 21º jogo na fase a eliminar da competição. Anteriormente, estava em igualdade com o bicampeão Atlético, ambos com 20.

37. O golo da vitória de David Luiz, em tempo de compensação, frente ao Basileia, permitiu ao Chelsea ser a primeira equipa a ganhar a primeira mão de uma meia-final da UEFA Europa League fora de casa.

38. Pela primeira vez em quatro épocas, as duas meias-finais foram ganhas pelas equipas que disputaram a segunda mão em casa. Nas três campanhas anteriores, uma meia-final foi ganha pelo anfitrião da segunda mão, acontecendo o inverso na outra.

©Getty Images

Cardozo após garantir a presença na final



39. A dupla do Benfica, composta por Eduardo Salvio e Óscar Cardozo, estabeleceu novos recordes durante a segunda mão das meias-finais. O primeiro contabilizou o seu 33º jogo, algo sem precedentes (20 no Atlético e 13 no Benfica), enquanto o segundo aumentou para 19 o número de golos marcados, um novo recorde na prova para um jogador ao serviço do mesmo clube. Antes, partilhava o registo com Falcao, que facturou 17 dos seus 30 golos na UEFA Europa League com a camisola do Porto.

40. O triunfo do Benfica na recepção ao Fenerbahçe, por 3-1, aumentou para 14 (13 vitórias e um empate) o recorde de invencibilidade caseira dos lisboetas na competição. A sua nona vitória em casa deixa-o a apenas uma do recorde do Atlético, ao mesmo tempo que impediu o Fenerbahçe de também estabelecer um novo máximo, com o sétimo jogo fora consecutivo sem perder. Em vez disso, a equipa turca partilha o recorde com Atlético, Porto e PAOK FC, todos com seis.

Final
41. Os dois finalistas, Benfica e Chelsea, foram ambos transferidos para a competição após a fase de grupos da UEFA Champions League. Esperam imitar o feito do Atlético, que em 2009/10 venceu a edição inaugural da UEFA Europa League após ter começado na fase a eliminar.

42. A participação do Benfica na final é a terceira de um clube português, todos eles diferentes (após a final entre Porto e SC Braga, em 2011). A Espanha também já teve três finalistas, mas apenas dois clubes conseguiram esse feito (Atlético e Athletic Club). O Chelsea é o segundo participante inglês, depois do Fulham FC, seu rival londrino, em 2010.

43. Marcaram-se sete golos nas três finais anteriores da UEFA Europa League, e apenas um não foi de um jogador sul-americano – Falcao (Colômbia, três), Diego Forlán (Uruguai, dois) e Diego (Brasil, um). O único marcador europeu foi o galês Simon Davies, do Fulham, em 2009/10 – curiosamente, o único golo apontado pelo finalista vencido.

44. Nunca houve uma expulsão na final da UEFA Europa League, apesar de terem sido exibidos 17 cartões amarelos nos três primeiros embates.

45. O mais jovem campeão da UEFA Europa League é David de Gea, que tinha 19 anos e 186 dias quando o Atlético bateu o Fulham, em 2010; o mais velho também foi um guarda-redes, Helton, que capitaneou o Porto à vitória sobre o Braga, em 2011, no dia do seu 34º aniversário. O trio do Chelsea, formado por Nathan Aké (o mais jovem) e Paulo Ferreira ou Frank Lampard (os mais velhos) podem estabelecer novos recordes.

46. O extremo do Benfica, Salvio, que disputou mais jogos na UEFA Europa League do que qualquer outro jogador (33), pode tornar-se no primeiro a ganhar a competição três vezes, após dois títulos ao serviço do Atlético. Outros sete jogadores também já bisaram nesse particular, ainda que apenas um o tenha conseguido em clubes diferentes – Falcao.

47. Há pouca diferença entre o momento de forma dos dois finalistas da UEFA Europa League à partida para o encontro de Amesterdão. O Benfica ganhou seis dos seus oito jogos na fase a eliminar, contabilizando ainda um empate e uma derrota, enquanto o Chelsea tem cinco vitórias, um empate e duas derrotas. O clube luso também possui uma diferença de golos superior, com 14 marcados e sete sofridos, contra os 15 marcados e nove consentidos do Chelsea.

48. O Chelsea teve um registo melhor na fase de grupos da UEFA Champions League, averbando dez pontos com três vitórias, um empate e duas derrotas. Já o Benfica terminou com oito pontos, fruto de duas vitórias, dois empates e duas derrotas. A diferença de golos dos "blues" foi 16-10, enquanto a dos lisboetas foi de 5-5.

©Getty Images

O melhor marcador, Libor Kozák

49. O melhor marcador da competição é Libor Kozák, da Lázio, com oito golos. Cardozo (seis), do Benfica, e Fernando Torres (cinco), do Chelsea, são os únicos candidatos realistas a desalojarem o avançado checo, impedindo-o de ser o primeiro jogador europeu a ganhar este "ranking". Cardozo foi o melhor marcador conjunto da prova em 2009/10, com nove golos, os mesmos de Claudio Pizarro, do SV Werder Bremen.

50. Pela primeira vez nas quatro edições da UEFA Europa League, o torneio vai terminar sem um confronto entre duas equipas do mesmo país.

Última actualização: 07-05-13 15.57CET

Informação relacionada

Perfis das equipas

http://pt.uefa.com/uefaeuropaleague/news/newsid=1947895.html#uefa+europa+league+factos+numeros