Maiores séries sem perder no futebol europeu

A série de 56 jogos do Celtic sem perder terminou com uma derrota por 4-0 na visita ao Hearts, mas os campeões escoceses ficam com um registo de assinalar na nossa lista relativa às maiores séries invictas nos campeonatos nacionais.

O Steaua fixou um espantoso recorde de invencibilidade nos anos 80
O Steaua fixou um espantoso recorde de invencibilidade nos anos 80 ©Bob Thomas/Getty Images

A longa série do Celtic sem derrotas na Premier League escocesa chegou ao final com uma derrota por 4-0 no reduto do Hearts, o primeiro desair desde Maio de 2016. No entanto, a formação de Brendan Rodgers entra para a história graças aos 56 encontros sem perder, marca que a deixa na lista do UEFA.com relativa às maiores séries invictas nos campeonatos nacionais dos principais campeonatos europeus.

104: Steaua (1986-89)
A formação romena estabeleceu este recorde europeu na segunda metade da década de 1980, naquela que foi a época de ouro do clube, sob as ordens de Emeric Jenei e, depois, de Anghel Iordănescu. Vencedor da Taça dos Campeões Europeus de 1985/86, semi-finalista da edição seguinte e finalista vencido em 1988/89, o Steaua contava na altura com jogadores como Miodrag Belodedici, László Bölöni, Marius Lăcătuş, Victor Piţurcă e Gavril Balint e, a nível interno dominava por completo. Sagrou-se campeão romeno cinco vezes consecutivos até que um ressurgido Dinamo Bucureşti travou a série dos rivais da capital em 1989/90.

88: Lincoln (2009–14)
Quando o Lincoln se tornou na primeira equipa de Gibraltar a actuar nas provas europeias de clubes, a 2 de Julho de 2014, com um empate 1-1 ante o HB Tórshavn antes de perder 5-2 nas Ilhas Faroé, a derrota era algo a que, definitivamente, a equipa não estava habituada. Entre 9 de Maio de 2009 e 19 de Setembro de 2014 não perdeu qualquer jogo na Primeira Divisão de Gibraltar, num total de 1959 dias sem derrotas que, a nível temporal, correspondem à maior série de sempre de dias sem perder em escalões principais do futebol europeu (embora tenha sofrido duas derrotas para a Taça de Gibraltar, para além do tal desaire ante o HB). Essa série invencível surgiu no meio de 14 títulos de campeão seguidos, conquistados entre 2002/03 e 2015/16, com a qual o clube igualou o recorde europeu do Skonto, da Letónia.

63: Sheriff (2006-08)
A equipa de Tiraspol domina por completo a história da primeira década do século XXI do futebol moldavo, com dez títulos de campeã entre 2001 e 2010. Porém, foi sob o comando do bielorrusso Leonid Kuchuk que atingiu o cume ao, em 2006/07, tornar-se no primeiro clube a sagrar-se campeão da Moldávia sem sofrer qualquer derrota. O arqui-rival Zimbru acabou por pôr fim a esta famosa série de invencibilidade, em Março de 2008, não impedindo ainda assim que o Sheriff caminhasse para a conquista de mais um título.

62: Celtic (1915-17)
Orientado pelo seu primeiro treinador, Willie Maley, o Celtic estabeleceu um recorde de invencibilidade no Reino Unido, cifrado nos 62 jogos sem derrotas, entre 1915 e Abril de 1917, série na qual se incluem mesmo dois encontros disputados no mesmo dia, frente ao Raith Rovers e ao Motherwell. Patsy Gallagher e Jimmy 'Napoleão' McMenemy eram, na altura, as estrelas de uma equipa onde pontificava também Alec 'homem de gelo' McNair, que ostenta o recorde do maior número de jogos disputados pelo clube (604).

O Levadia a meio da sua série notável
O Levadia a meio da sua série notável©FC Levadia Tallinn
A poderosa equipa do Milan em 1993
A poderosa equipa do Milan em 1993©Getty Images

61: Levadia (2008-09)

Eram patrocinados por uma empresa de metais local e toda a Estónia sentiu a força do aço do Levadia treinado por Igor Prins, embora o JK Trans Narva tenha, enfim, colocado fim à invencibilidade da formação de Tallin em Novembro de 2009, na penúltima jornada do campeonato. "Os adeptos vão recordar para sempre esta nossa inesquecível série sem derrotas, embora não vá negar que talvez tenhamos estado tantos jogos sem perder por não termos adversários suficientemente fortes", admitiu, na altura, Prins.

60: Union Saint-Gilloise (1933-35)
Ainda conhecido como Union 60, graças a esta série de invencibilidade, que terminou em Fevereiro de 1935, depois de uma derrota frente ao Daring Club de Bruxelles, a equipa dos arredores de Bruxelas conquistou três títulos consecutivos de campeã da Bélgica durante o período em que esteve invicto. Para assinalar o feito, todos os anos é entregue a Taça Pappaert à equipa que consegue a maior série de jogos sem perder durante a temporada da Liga belga. Este troféu foi baptizado com o nome do capitão do Union da altura, Jules Pappaert, jogador determinante numa equipa que também contava com o ponta-de-lança Vital Van Landeghem, melhor marcador da Bélgica em 1934, com 29 golos.

59: Shirak (1993-95)
59: Pyunik (2002
-04)
Duas equipas partilham o recorde de invencibilidade na Arménia. "O Shirak era uma grande equipa nessa altura", recordou Andranik Adamyan, que orientou o clube nesses primeiros anos da década de 1990. "Tínhamos os nossos líderes, mas todos os jogadores estavam prontos para entrar em campo e mostrar a sua força". Tínhamos uma excelente atmosfera de trabalho e um espírito ganhador. Era por isso que éramos imparáveis. Ao contrário do Shirak, o Pyunik foi comandado por três treinadores diferentes ao longo do seu período de invencibilidade: Oscar López, Mihai Stoichiță e, por fim, Vardan Minasyan.

58: Milan (1991-93)
A formação milanesa que se sagrou campeã europeia em 1989 e 1990 sob as ordens de Arrigo Sacchi ficou conhecida como "os Imortais"; a colheita que se seguiu, que sob o comando de Fabio Capello conquistou três títulos de campeão de Itália consecutivos, entre 1992 e 1994, bem como a UEFA Champions League de 1993/94, ficou para a história como "Os invencíveis". Os "Rossoneri" venceram o "Scudetto" de 1991/92 sem perder qualquer jogo durante essa incrível série de invencibilidade. "Capello esteve muito bem ao dar continuidade ao trabalho iniciado por Sacchi e ao acrescentar algumas pequenas novas peças para completar um puzzle perfeito", referiu Roberto Donadoni, antigo médio do Milan.

=58: Olympiacos (1972-74)
No seguimento de investimento por parte de Nikos Goulandris, magnata da navegação e presidente do clube, derrotas no terreno do PAOK FC em Outubro de 1972 e Abril de 1974 delimitam esta excepcional série de resultados do Olympiacos, treinado na altura por Lakis Petropoulos. A turma de Pireu conquistou três títulos de campeã da Grécia consecutivos, entre 1972 e 1975, estabelecendo ainda um recorde de 104 golos marcados na temporada de 1973/74. Yves Triantafyllos era a principal estrela da equipa, com 58 golos marcados em 80 jogos durante a sua passagem de três anos pelo clube, enquanto Giorgos Delikaris, Michalis Kritikopoulos e Romain Argyroudis brilhavam no papel de actores secundários.

=58: Skonto (1993-96)
No início da sua carreira como treinador, que atingiria o ponto mais alto quando guiou a Letónia à fase final do UEFA EURO 2004, Aleksandrs Starkovs formou uma equipa ganhadora no Skonto, com Vitālijs Astafjevs, Jurijs Ševļakovs, Mihails Zemļinskis e Vladimirs Babičevs a constituírem a espinha dorsal do clube e da selecção nacional. "Todos os pontos que perdíamos eram dolorosos para nós na altura, porque acreditávamos que íamos vencer todos os jogos", recordou o capitão de longa data do Skonto, Zemļinskis. "Esse espírito de vitória permitiu-nos conquistar 14 títulos consecutivos [recorde europeu, entretanto igualad pelo Lincoln]. Não perdemos qualquer jogo na Liga da Estónia em 1994 e 1995."

56: Benfica (1976-78)
Em 2012, o FC Porto ficou a um jogo de igualar o recorde nacional fixado pelo Benfica do inglês John Mortimore. O antigo defesa do Chelsea contava sob o seu comando com alguns dos melhores jogadores da história das "águias", como Fernando Chalana, Humberto Coelho, Toni, Nené, Manuel Bento, Shéu, João Alves e Minervino Pietra – actualmente treinador-adjunto de Rui Vitória. Os pupilos de Mortimore estiveram sem perder desde Outubro de 1976 até ao final de Agosto de 1978, quando foram derrotados por 1-0 no Porto.

=56: Celtic (2016–2017)
Brendan Rodgers conduziu o Celtic para uma série épica no campeonato, que teve o seu início no último jogo do antigo treinador Ronny Deila à frente da equipa – a goleada por 7-0 sobre o Motherwell na derradeira jornada de 2015/16. Invencíveis na época seguinte, os "hoops" ultrapassaram o seu próprio recorde britânico fixado em 1915–17, quando atingiram 63 partidas sem derrotas em todas as competições nacionais em Novembro de 2017, que acabaria com uma derrota por 4-0 na visita ao Hearts.

Topo