Sevilha 3-2 Inter: Espanhóis conquistam a Europa League!

O notável caso amoroso do Sevilha com esta competição teve novo capítulo graças a um pontapé acrobático de Diego Carlos, desviado por Romelu Lukaku, que valeu o sexto título.

Resumo: Sevilha 3-2 Inter
Resumo: Sevilha 3-2 Inter

Um pontapé acrobático de Diego Carlos, que entrou na baliza após ser desviado por Romelu Lukaku, valeu o sexto título do Sevilha na UEFA Europa League numa emotiva final com o Inter.

O jogo em poucos palavras

Com tanto em jogo, as finais podem ser duelos demasiado tácticos, mas este encontro foi alucinante desde o apito inicial. Um golo nos primeiros cinco minutos ajuda sempre, claro. A primeira jogada perigosa de Romelu Lukaku terminou com uma falta na área e o avançado mostrou que está em grande forma na conversão do castigo máximo.

O remate acrobático de Diego Carlos que decidiu o jogo
O remate acrobático de Diego Carlos que decidiu o jogoPOOL/AFP via Getty Images

O Sevilha teve uma reacção notável, tanto mais que já tinha sofrido revés semelhante na meia-final com o Manchester United. Tal como nesse jogo, De Jong voltou a ser decisivo, justificando a inclusão surpresa na equipa titular. O holandês promoveu a reviravolta com dois cabeceamentos, um em mergulho e outro numa emenda ao segundo poste.

O Inter respondeu, com Diego Godín a empatar antes do intervalo e a mostrar que também é forte no jogo aéreo. Lukaku teve uma grande oportunidade para fazer o 3-2, mas permitiu a defesa de Yassine Bounou quando surgiu isolado frente ao guarda-redes. Em vez disso, o herói improvável do jogo foi Diego Carlos, ao fazer o 3-2 final num remate acrobático que desviou no infeliz Lukaku antes de entrar na baliza do Inter.

E, assim, o Sevilha voltou a conquistar o troféu.

Melhor em campo apresentado por Hankook Tire Europe: Luuk de Jong (Sevilha)

@UEFA.com

O holandês não marcava há 11 jogos até apontar o golo da vitória sobre o Manchester United na meia-final, mas isso foi suficiente para convencer Lopetegui a dar-lhe a titularidade contra o Inter, numa aposta que resultou em cheio. Não só bisou com dois cabeceamentos sublimes que ajudaram o Sevilha a garantir o triunfo, como foi também importante a segurar a bola. Uma grande exibição em termos globais.

Observadores técnicos da UEFA: Packie Bonner, Thomas Schaaf.

Luuk de Jong comemora depois de fazer o 2-1 para o Sevilha
Luuk de Jong comemora depois de fazer o 2-1 para o SevilhaGetty Images

Reacções

Julen Lopetegui, treinador do Sevilha: "Esta equipa é excelente. Os jogadores acreditam nela, no que trabalham e no que transmitem. Mesmo que não tivéssemos ganho continuaria a adorar estes rapazes, mas hoje levamos a taça para casa. Acreditámos sempre. Esta equipa nunca desiste, como diz o nosso hino.”

Diego Carlos, defesa do Sevilha: "Todos os jogadores deram o seu melhor, é maravilhoso. Este título foi muito importante para todos. Estou muito satisfeito com tudo o que o clube fez por mim e estou muito feliz. Vou para casa com um troféu, um golo e uma mulher grávida!”

Luuk de Jong, avançado do Sevilha: "O treinador disse-me esta manhã que ia ser titular; disse-lhe no outro dia que estava pronto e, felizmente, correu bem para mim. Cabecear é a minha especialidade; o primeiro cruzamento do [Jesús] Navas foi perfeito e felizmente consegui enviar a bola para o poste mais próximo. O segundo foi uma grande bola de [Éver] Banega, e é um golo especial."

Jesús Navas, capitão do Sevilha: "Este grupo merece isto. Lutámos durante toda a temporada e superámos os problemas que encontrámos. Isto também é para os adeptos, que merecem acordar felizes todos os dias."

Antonio Conte, treinador do Inter: "Não me arrependo muito agora: os meus jogadores deram realmente tudo o que tinham contra uma equipa habituada a este tipo de jogos. Penso que a sua experiência neste sentido fez a diferença no final."

Samir Handanovič, guarda-redes do Inter: "O jogo poderia ter caído para qualquer lado na segunda parte. Tivemos oportunidade de chegar à vantagem, mas infelizmente não conseguimos. O Sevilha estava mais cansado do que nós na parte final do jogo, mas teve uma oportunidade, a bola foi desviada pelo pé do Romelu e entrou. Acontece. Estamos muito desiludidos, mas temos de seguir em frente.”

Estatísticas-chave

  • O Sevilha tem um registro perfeito em finais da Taça UEFA/UEFA Europa League: seis jogos, seis vitórias.
  • Os seis títulos do clube espanhol são o dobro do que qualquer outra equipa: Inter, Liverpool, Juventus e Atlético de Madrid venceram por três vezes cada um.
  • De Jong é o 12º jogador a marcar dois golos numa final a um jogo da UEFA Europa League/Taça UEFA. Nunca ninguém fez um “hat-trick”.
  • Lukaku marcou pelo 11º jogo consecutivo e aumentou o seu recorde na UEFA Europa League.
  • A grande penalidade de Lukaku, aos cinco minutos, foi o golo mais rápido numa final desde que Markus Babbel marcou aos três minutos pelo Liverpool frente ao Alavés em 2001, também na Alemanha, em Dortmund.
  • O defesa Diego Carlos cometeu grandes penalidades pelo Sevilha nos quartos-de-final, nas meias-finais e na final.
  • Julen Lopetegui junta-se aos seus antecessores no Sevilha Juande Ramos (2006, 2007) e Unai Emery (2014, 2015, 2016), assim como a Rafael Benítez (2004, 2013), Luis Molowny (1985, 1986) e Quique Sánchez Flores (2010) na lista de treinadores espanhóis que venceram esta competição.
  • O registo de quatro golos na primeira parte igualou o recorde numa final da UEFA Europa League/Taça UEFA estabelecido em 2001 e repetido em 2015.
Romelu Lukaku festeja depois de marcar de grande penalidade aos cinco minutos
Romelu Lukaku festeja depois de marcar de grande penalidade aos cinco minutosGetty Images

Equipas

Sevilha: Bounou; Navas, Koundé, Diego Carlos (Gudelj 86), Reguilón; Jordán, Fernando, Banega; Ocampos (Munir 71), De Jong (En-Nesyri 85), Suso (Vázquez 78)

Inter: Handanovič; Godín (Candreva 90), De Vrij, Bastoni; D'Ambrosio, Barella, Brozović, Gagliardini (Eriksen 78), Young; Lukaku, Lautaro Martínez (Alexis Sánchez 78)

O que segue

O Sevilha vai disputar a Supertaça Europeia da UEFA frente ao vencedor da UEFA Champions League, Paris ou Bayern, em Budapeste, a 24 de Setembro. Os espanhóis e o Inter integram ambos o sorteio da fase de grupos da UEFA Champions League, em Atenas, a 1 de Outubro.