Benítez lamenta golos perdidos

Rafael Benítez, técnico do Valência, lamentou o facto de a sua equipa ter desperdiçado a oportunidade de marcar um golo fora de casa.

Por Graham Hunter, em Villarreal

Rafael Benítez, treinador do Valencia CF, lamentou o desperdício de oportunidades de golos apesar do domínio exercido na visita ao terreno da Villarreal CF.

Golos perdidos
A turma visitante apresentou um excelente futebol de ataque, tendo criado várias oportunidades para marcar, nomeadamente por intermédio de Vicente Rodríguez e Rubén Baraja. No entanto, os líderes da liga espanhola saíram mesmo do El Madrigal sem conseguir alcançar o que poderia ter sido um precioso golo em casa alheia.

Tudo em aberto
"Está tudo em aberto, mas acabámos por perder oportunidades que, em condições normais, esperava que tivéssemos aproveitado", explicou Benítez. "A verdade é que temos de melhorar na finalização. Porém, este resultado apenas adia a decisão para o encontro do Mestalla, daqui a duas semanas, e a parte boa é que isso poderá acontecer na nossa casa, perante os nossos adeptos".

Excelente ambiente
A atmosfera criada em torno do desafio foi fantástica e nem mesmo os quatro cartões amarelos mostrados conseguiram estragar o bonito ambiente criado em torno deste derby da região de Valência. Benítez continuava, contudo, preocupado pela sua equipa ter adiado por duas semanas uma decisão que poderia ter começado a construir já neste jogo. "Penso que tivemos três ou quatro oportunidades claras para marcar", acrescentou.

Melhores oportunidades
"Eles controlaram a posse de bola, mas posso afirmar com toda a certeza que fomos nós que criámos as melhores chances do encontro. Porém, a justiça não faz parte do futebol a este nível. Simplesmente temos de aproveitar as nossas oportunidades, algo que não conseguimos fazer esta noite e que teremos obrigatoriamente de conseguir na segunda mão".

García tranquilo
Já o técnico do Villarreal, Francisco García, apresentou-se surpreendentemente tranquilo perante o facto de a sua equipa não ter conseguido vencer o jogo em casa. "Apesar de não termos marcado esta noite, se conseguirmos fazê-lo em Valência, vamos colocar toda a pressão do lado contrário. Mal posso esperar pela segunda mão. No que diz respeito ao apoio dos adeptos, a vantagem será deles, mas posso garantir que depois deste jogo partimos confiantes para esse desafio".

Confiança de Anderson
Sonny Anderson, que actuou a maior parte do encontro com um corte na sobrancelha, após um choque nos minutos iniciais da partida, disse: "Defrontámos a equipa com a melhor defesa da Europa e por isso já sabíamos que seria muito difícil marcar. No entanto, este não é um mau resultado e apesar de sabermos que não será fácil, penso que ainda poderemos estar na final. Só temos mais um jogo pela frente".

Bom resultado
David Albelda, capitão do Valência, de regresso a Villarreal, onde jogou até se mudar para a sua actual equipa em 1999, explicou que encontrou "exactamente as dificuldades que já esperava". "Respeitamos imenso o nosso adversário e conseguimos levar a decisão da eliminatória para o nosso estádio, o que não pode ser considerado mau".

Equilíbrio e justiça
Para Roger Garcia, do Villarreal, "nenhuma das equipas merecia perder", pelo que no final este foi um resultado justo face ao equilíbrio registado. "Foi um jogo com duas partes completamente distintas. Nós estivemos bem melhor na primeira metade, mas foram do Valências as melhores oportunidades após o intervalo".

"Pole position"
Mista, goleador do Valência, que apesar da má pontaria registada ainda conseguiu criar uma das melhores oportunidades para o companheiro Vicente, era um homem resignado: "Desperdiçámos algumas boas chances, mas a verdade é que quando a bola não quer entrar, não entra mesmo. Este não é um mau resultado, pois apesar de não termos vencido, também não sofremos qualquer golo. Estávamos conscientes de que iria ser uma eliminatória complicada e penso que depois desta noite partimos com vantagem, e isso é o mais importante para mim".