Empate serve a Robson

O treinador do Newcastle continua a acreditar que a sua equipa pode erguer o seu primeiro troféu desde 1969.

Por Alex O'Henley em Newcastle

O treinador do Newcastle United FC, Sir Bobby Robson, sente que a sua equipa continua a ter boas hipóteses de alcançar a sua primeira final europeia desde 1969, apesar de não ter marcado qualquer golo frente ao Olympique Marseille na primeira mão das meias-finais da Taça UEFA, em St. James' Park. "0-0 não é um resultado assim tão mau, ao contrário do que algumas pessoas possam pensar", insistiu o antigo técnico do FC Porto e do Sporting.

Estrelas ausentes
O técnico do Newcastle não pôde apresentar o seu melhor "onze" contra os franceses, depois de as lesões afastarem Craig Bellamy, Jermaine Jenas e Kieron Dyer. Contudo, mesmo depois de a sua equipa não ter conseguido encontrar o caminho para o golo que lhe teria dado a possibilidade de entrar em vantagem no Vélodrome, Bobby Robson acredita que tudo está em aberto.

Grandes penalidades em perspectiva
Robson afirmou: "A eliminatória está em aberto e agora alguém terá que marcar para seguir em frente. O jogo até poderá ser decidido através da marcação de grandes penalidades, pois, como vocês viram, não existem grandes diferenças entre os dois conjuntos. Foi um jogo de alta qualidade entre duas equipas bastante equilibradas. As duas defesas exibiram-se a um nível muito alto e fiquei especialmente agradado com o Jonathan Woodgate e o Andy O'Brien."

Woodgate brilhante
Woodgate, em particular, foi brilhante no coração da defesa dos locais e teve que se exibir no seu melhor frente ao ponta-de-lança do Marselha, Didier Drogba, que foi uma ameaça constante. Na presente temporada, o avançado da Costa do Marfim marcou em todas as eliminatórias da Taça UEFA, mas a forma perfeita como o Newcastle defendeu e alguma falta de sorte impediu-o de marcar um golo, que seria o quinto, à sua conta pessoal.

Drogba ao poste
Drogba esteve perto de marcar aos 64 minutos, depois de um cruzamento de Ferreira, mas acabou por rematar ao poste, com Shay Given completamente batido. Todavia, a recarga acabou por não aparecer.

Alguma sorte
"Tivemos alguma sorte na segunda parte, quando o Drogba rematou ao poste", afirmou Robson. "Mas é necessário ter sorte neste tipo de jogos. Pensei que o remate de Drogba ia dar golo, mas o esférico acabou por não entrar e fiquei feliz por isso. Ia ser complicado ir para Marselha com uma desvantagem de um golo. Mas nós também poderíamos ter marcado. O Fabien Barthez fez uma defesa extraordinária a remate do Shola Ameobi, na primeira parte, e o Gary Speed esteve perto do golo logo no reinício da partida. Perto do fim, o Michael Bridges também poderia ter marcado."

'Resultado justo'
José Anigo, técnico do Marselha, estava satisfeito por a sua equipa não ter sofrido qualquer golo fora de casa e congratulou todos os seus jogadores pela exibição extremamente profissional que efectuaram. "Um empate a zero tem que ser considerado um bom resultado para qualquer equipa que actue na condição de visitante", afirmou. "No entanto, tivemos quatro chances claras para marcar e deveríamos ter aproveitado, pelo menos, uma delas." 

'Grande incentivo'
Tal como Robson, Anigo considerou o remate de Drogba ao poste como o momento do jogo: "O Drogba não teve sorte nesse lance, mas tenho esperanças que a nossa concretização melhore na segunda partida. Os jogadores têm agora a motivação de poderem chegar a uma final europeia." 

'Exibição madura'
O capitão do Newcastle, Alan Shearer, sentiu que os jogadores que estiveram em campo cumpriram a sua missão. "Estivemos bem, dadas as circunstâncias," declarou o avançado de 33 anos. "Como disse o nosso treinador, estávamos um pouco limitados, devido a algumas lesões, mas foi uma boa oportunidade para alguns jogadores actuarem e mostrarem o que valem. No geral, acho que efectuámos uma exibição personalizada."