Anigo sem palavras

José Anigo tudo fez para esconder a emoção que sentia por levar o Marselha a uma final europeia apenas quatro meses depois de ter assumido o cargo de treinador.

Por Matthew Spiro, em Marselha

O treinador do Olympique de Marseille, José Anigo, tudo fez para esconder a emoção que sentia por ver a sua equipa na final da Taça UEFA, apenas quatro meses depois de ter assumido o cargo.

Emocionado
Depois do empate sem golos em St James' Park, dois golos de Didier Drogba levaram ao delírio o Stade Vélodrome, colocando a equipa do Sul de França na final de Gotemburgo, onde vai defrontar o Valencia CF. Para Anigo, que representou pela primeira vez o OM aos 14 anos de idade, a noite de quinta-feira foi um dos momentos mais felizes da sua carreira. "Estou de tal maneira emocionado neste momento, que não tenho palavras para descrever o que sinto", afirmou o técnico de 43 anos.

Calar criticas
"Há três meses estava a treinar a equipa de juniores do clube e agora levo-o a uma final europeia", acrescentou o treinador, que, após ter eliminado o Liverpool FC e o FC Internazionale, julga agora ter calado de vez as críticas à sua competência para desempenhar o cargo. "Muitas pessoas achavam que eu não era capaz de fazer este trabalho. Espero que agora estejam a pensar no que disseram".

"Dobradinha" francesa?
A vitória do Marselha veio apenas 24 horas depois do AS Mónaco FC ter assegurado um lugar na final da UEFA Champions League, deixando em aberto a hipótese de uma "dobradinha" francesa nas competições europeias. Anigo foi pronto a saudar o seu colega Didier Deschamps. "Gostaria de falar com ele e congratulá-lo, porque aquilo que o Mónaco alcançou é fantástico. Resta-nos agora jogar e trazer as taças para casa".

O suspeito do costume
Como tem sido hábito em quase toda a época, Drogba foi o herói do Marselha. O avançado da Costa do Marfim marcou a todos os adversários que o seu clube enfrentou esta época na Europa, somando 11 golos até ao momento. Autor dos dois tentos com que o Marselha derrotou o Newcastle, marcou o primeiro logo aos 18 minutos, com um remate rasteiro e colocado, apontando o segundo a oito minutos do fim, na transformação de um livre directo.

"Ele foi o homem do jogo"
O treinador do Newcastle, Sir Bobby Robson, afirmou que foi Drogba quem desequilibrou a eliminatória: "Ele foi o homem do jogo. Drogba teve duas oportunidades e marcou dois golos. É um jogador inteligente e saúdo-o por tudo aquilo que ele fez esta noite".

"Fizeram tudo o que lhes foi pedi"
O técnico inglês ficou decepcionado, mas recusou criticar os seus jogadores, dizendo: "eles fizeram tudo aquilo que lhes pedi. Jogaram com entusiasmo e empenho e estivemos perto do objectivo. O 2-0 não espelha a verdade do jogo. Estivemos muito bem depois do intervalo e colocamos o adversário sob grande pressão. Eles ficaram nervosos quando havia 1-0 e se o Shola Ameobi ou o Lee Bowyer tivessem concretizado as suas oportunidades de golo, tínhamos conseguido chegar à final".

"Demos tudo"
O extremo Laurent Robert confessou ter ficado muito impressionado com o Marselha. "Eles entraram forte e nunca levantaram o pé", afirmou o francês ao uefa.com. "Os seus adeptos são fantásticos e nós, no final, não conseguimos o nosso objectivo. Demos tudo o que tínhamos e perder quando se está tão perto da final custa muito".

Sem medo
Entretanto, os jogadores do OM estão já com o pensamento em Gotemburgo. O defesa Habib Beye afirma que na final vão jogar sem medo do Valência. "Eles serão campeões de Espanha em breve, o que mostra a sua qualidade", admitiu. "Mas se nós já vencemos três grandes equipas, porque não quatro?"

Classe mundial
O médio Laurent Batlles, que saltou do banco e sofreu a falta que deu origem ao golo de Drogba a oito minutos do fim, acrescentou: "Drogba é um dos melhores jogadores do mundo. Foi ele que ganhou o jogo hoje e espero que na Suécia faça o mesmo também".