Um Carboni "vintage"

Vicente e Mista marcaram os golos do Valência, mas foi Amedeo Carboni, de 39 anos, a figura da final.

Por Adrian Harte, em Gotemburgo

Vicente Rodríguez e Mista foram os jogadores que materializaram a vitória do Valência CF na final da Taça UEFA frente ao Olympique de Marseille, mas a figura da noite acabou por ser o veteraníssimo lateral-esquerdo dos espanhóis, Amedeo Carboni.

Vencedor mais velho
O italiano sagrou-se, aos 39 anos e 43 dias, o jogador mais velho a vencer uma competição europeia. Para mais, a vitória chegou no seu centésimo jogo europeu e o local, o Estádio Ullevi, em Gotemburgo, foi onde, em 1990, venceu a final da Taça das Taças pela UC Sampdoria, quando a equipa transalpina bateu o RSC Anderlecht, por 2-0.

Intratável na final
Carboni, cuja longevidade é sinal de uma dedicação e profissionalismo que deveriam ser seguidas por qualquer futebolista profissional moderno, esteve intratável na defesa do campeão espanhol. Tanto Steve Marlet, como, mais tarde, Didier Drogba, derivaram para o lado direito do seu ataque na esperança de tentar ganhar vantagem ante a veterania do defesa italiano, mas sem sucesso. Recorde-se que o seu contrato com os sucessores do FC Porto na Taça UEFA termina quando Carboni tiver 41 anos.

A crença de Benítez
O treinador do Valência, Rafael Benítez, acredita que o defesa ainda vai ganhar mais títulos. Ele confirmou-o ao uefa.com: "Ter Carboni significa que somos uma das equipas mais experientes, mas não a mais velha. Isso significa que, tanto ele como nós, ainda podemos chegar a mais finais e vencê-las".

Manter mentalidade
O futuro constituiu um dos principais pontos do discurso vitorioso do técnico do Valência. "Vamos divertir-nos e apreciar este momento", afirmou. Onde estão os limites desta equipa? Depende dos nossos adversários e dos limites a que nos propusermos. Queremos vencer mais títulos e estabelecer novas metas. É muito importante manter a mentalidade vencedora".

Mista fantástico
Esta questão foi também abordada pelo homem do jogo, Mista. "Ganhámos tudo aquilo a que nos tínhamos proposto vencer esta época e algo mais será um bónus", afirmou o avançado espanhol, que marcou 25 golos pelo Valência esta temporada e foi protagonista nos títulos vencidos pelo clube. Esse bónus poderá ser uma chamada do seleccionador espanhol Iñaki Saez para o UEFA EURO 2004™. "Este título deu-nos muita confiança e motivação para a próxima época".

Expulsão decisiva
O técnico do Marselha, José Anigo, assumiu a derrota e recusou-se a aprofundar muito o tema da expulsão de Fabien Barthez pelo árbitro Pierluigi Collina. "Na primeira parte estivemos em jogo. Começámos bem e causámos alguma perturbação no Valência", afirmou Anigo. "Acho que o cartão vermelho foi um pouco exagerado e, atendendo ao jogo, podia ter sido substituído pelo cartão amarelo. Após a expulsão, a vida complicou-se para nós".

Espaço extra
Depois da expulsão do guardião do Marselha, o Valência tomou a dianteira no marcador, através da conversão do "penalty" de Vicente, e ficou com o jogo na mão quando Mista, pouco depois do reinício, fez o 2-0. "Benítez é um homem inteligente e fez tudo para nos causar problemas", reconheceu Anigo. "O Valência conseguiu criar muito espaço para jogar".

A falta de Barthez
A perda de Barthez, o único sobrevivente da equipa campeã europeia de 1993, foi especialmente complicada de lidar, acrescentou Anigo. "Quando perdemos um vencedor como Barthez, que é jogador muito influente e transmissor de confiança, é duro recuperar".

Feliz apesar de tudo
Mas até Anigo olhou para o futuro com confiança, apenas cinco meses depois de ter chegado ao clube: "Estou feliz com o que alcançamos. Esta equipa tem um espírito vencedor e um grande futuro à sua frente. Na próxima época, estaremos ainda melhores e vamos tentar chegar ao título francês".

Objectivo traçado
Infelizmente, o Marselha não jogará nenhuma competição europeia na próxima época, enquanto o Valência, por seu lado, estará de volta à já familiar UEFA Champions League, onde os "che" estarão, decerto, apostados em acabar com a malapata que têm na competição.