As três vitórias do Liverpool na Taça UEFA

Presente na sua primeira final da UEFA Europa League, o Liverpool pode igualar o Sevilha como vencedor da prova por quatro vezes: o UEFA.com recorda os seus três sucessos na Taça UEFA.

Liverpool celebra triunfo na final de 2001 da Taça UEFA
Liverpool celebra triunfo na final de 2001 da Taça UEFA ©Getty Images

 1973: Liverpool 3-0 Mönchengladbach
(Keegan 21 32, Lloyd 61)
Mönchengladbach 2-0 Liverpool
(Heynckes 29 40)
total: 3-2 para o Liverpool

Ray Clemence defende penalty na final de 1973
Ray Clemence defende penalty na final de 1973©Getty Images

A primeira mão foi interrompida aos 27 minutos devido ao mau tempo e retomada no dia seguinte, altura em que os "reds" de Bill Skanky se revelaram à altura do seu adversário. Venceram por 3-0, com Ray Clemence a defender uma grande penalidade marcada por Jupp Heynckes. Heynckes fez dois golos na primeira parte do jogo da segunda mão, mas foi o Liverpool que acabou por chegar ao seu primeiro troféu europeu.

"Reuni o grupo e depois disso fizemos um bom jogo do ponto de vista táctico", recordou o defesa Tony Smith da partida da segunda mão. "[O primeiro treinador da equipa] Joe Fagan não tinha o hábito de dar os parabéns mas, no final, agarrou-me e disse: 'Smithy, este foi o teu melhor jogo, filho'."

1976: Liverpool 3-2 Club Brugge
(Kennedy 59, Case 61, Keegan 65gp; Lambert 5, Cool 15)
Club Brugge 1-1 Liverpool
(Lambert 11gp; Keegan 15)
total: 4-3 para o Liverpool

Liverpool com o troféu em 1976
Liverpool com o troféu em 1976©Bob Thomas/Getty Images

Os "reds" recuperaram de desvantagens nas duas mãos para ganhar a sua segunda Taça UEFA, alinhando com a maior parte da equipa que nos dois anos seguintes iria vencer a Taça dos Campeões Europeus. Três golos, na segunda parte, no espaço de sete minutos deram à volta à eliminatória em Anfield, com Kevin Keegan a apontar o seu quarto tentos em finais para serenar os nervos na segunda mão em Bruges.

"A KOP e os adeptos estiveram magníficos nessa noite", recordou o médio Jimmy Case da primeira mão em Anfield. "As gargantas devem ter ficado a arder de tanto incitamento. Mas sabem? Acredito que os adeptos gostaram nos ver a perder porque sabiam que podíamos vencer."

2001: Liverpool 5-4 Deportivo Alavés (ap)
(Babbel 4, Gerrard 16, McAllister 41gp, Fowler 73, Gelí (pb) 116; Alonso 27, Moreno 48 51, Cruyff 89)

A vitória ‘louca’ do Liverpool revisitada
A vitória ‘louca’ do Liverpool revisitada

A vencer por 2-0 aos 20 minutos – e por 3-1 ao intervalo –, a equipa de Gérard Houllier pode ter pensado que o jogo em Dortmund estava ganho, mas o surpreendente Alavés foi capaz de disputar a final até ao último instante, com o golo de Jordi Cruyff perto do fim a fazer o 4-4 e a levar o jogo para o prolongamento. Enfraquecido após duas expulsões, um autogolo de Delfí Geli ao minuto 116 acabou com a reacção dos espanhóis.

"Foi, sem dúvida, a final mais entusiasmante de sempre – até Istambul", recordou Gary McAllister numa alusão ao triunfo do Liverpool na final de 2005 da UEFA Champions League. "Pensei que, pela forma como começáramos, acabaríamos por vencer com tranquilidade. Mas eles foram lutadores – recuperaram da desvantagem e talvez tenha sido um pouco cruel terem perdido."