Combata a COVID-19 seguindo as indicações da Organização Mundial de Saúde e os cinco passos da FIFA para travar a propagação da doença.

1. Lavar as mãos 2. Tossir para o antebraço 3. Não tocar no rosto 4. Manter a distância física 5. Ficar em casa.
Mais informação >
 

Dortmund aproveita debilidades do Porto

Dortmund 2-0 Porto
Os anfitriões garantiram a vitória com golos de Łukasz Piszczek e Marco Reus, ficando com uma vantagem confortável para a segunda mão.

Highlights: Dortmund 2-0 Porto
  • Porto apresenta-se na Alemanha com muitas mudanças
  • Łukasz Piszczek dá vantagem ao Dortmund aos seis minutos
  • Marco Reus aumenta para 2-0 aos 71 minutos
  • Henrikh Mkhitaryan cabeceia ao poste perto do final
  • Segunda mão disputada na próxima semana, em Portugal, antes do sorteio de sexta-feira

O Dortmund recebeu um Porto com muitas baixas e praticamente inofensivo na primeira mão dos 16 avos-de-final da UEFA Europa League, não sentindo dificuldades em vencer, com golos de Łukasz Piszczek, no início do encontro, e de Marco Reus, a 20 minutos do final.

José Peseiro fez diversas alterações na equipa do Porto e os alemães aproveitaram a natural falta de entendimento dos visitantes no início do encontro. Logo aos seis minutos, Henrikh Mkhitaryan cruzou da esquerda para o remate de Piszczek, Iker Casillas defendeu à primeira, mas o polaco inaugurou o marcador na recarga, de cabeça.

O Dortmund dominou totalmente a primeira parte, mas nunca mais voltou a ser ameaçador. Shinji Kagawa teve uma boa oportunidade para marcar aos 32 minutos, mas rematou muito ao lado quando estava em boa posição no coração da área dos visitantes.

O Porto só fez o primeiro remate aos 34 minutos, mas a tentativa de Sérgio Oliveira, uma das surpresa de Peseiro, saiu à figura do guarda-redes Roman Bürki e a equipa da casa manteve a vantagem de um golo até ao intervalo.

A segunda parte foi mais equilibrada, mas com menos situações de perigo junto das balizas. O conjunto de Thomas Tuchel voltou a ser o primeiro a ameaçar, aos 63 minutos, mas Piszczek e Kagawa não conseguiram acertar no alvo na mesma jogada.

O aviso estava feito e os alemães voltaram a marcar aos 71 minutos. Kagawa colocou a bola em Mkhitaryan que, inteligentemente, a amorteceu  para o remate de Reus, que a fez desviar em Bruno Martins Indi e trair Casillas.

O guarda-redes espanhol brilhou aos 84 minutos, ao defender um remate de Kagawa, e aos 85, quando desviou um cabeceamento de Mkhitaryan para o poste. O Porto criou a melhor oportunidade no último minuto, mas Bürki negou o golo ao suplente Hyun Jun Suk.

José Peseiro, treinador do FC Porto
É uma derrota que não nos deixa satisfeitos. Foi um jogo difícil contra uma equipa muito poderosa. Fizemos o possível dentro das condições que tínhamos. Defensivamente, fizemos um trabalho magnífico. Em termos ofensivos, podíamos ter feito mais. Faltou um pouco mais de atrevimento e afirmação. Temos ainda possibilidade, não estamos mortos. Será difícil mas vamos estar a lutar com o apoio dos nossos adeptos pela passagem à próxima eliminatória.

Montámos uma estratégia condicionada por alterações que tivemos de fazer. Tínhamos alguns condicionalismos. São jogadores de qualidade, mas colocados frente a um adversário poderoso, em posições nas quais jogaram poucas vezes, nas quais não jogam regularmente. Tínhamos, em termos estratégicos, de dar conforto à equipa. Os jogadores tiveram uma grande capacidade de entrega, a fazer coisas às quais não estão habituados, com um profissionalismo tremendo, para reduzirmos os pontos mais fortes desta equipa. Parabéns ao Dortmund, foi mais forte. Mas, daqui a uma semana, queremos mostrar que estamos vivos nesta eliminatória. Com esta solidariedade e com mais qualidade no ataque.

Sérgio Oliveira, médio do FC Porto
As mudanças na equipa não servem de desculpa para o desaire. Entraram onze bons jogadores em campo, optámos por actuar num bloco médio-baixo e o Dortmund também teve uma posse de bola muito inconsequente. Eles marcaram cedo num lance de bola parada, equilibrámos o jogo e eles voltaram a marcar com alguma sorte. Ainda falta a segunda mão, em nossa casa, perante os nossos adeptos. Temos todas as condições para vencer e seguir em frente.

Miguel Layún, defesa do FC Porto
O mais importante agora é pensar no segundo jogo e dar o máximo. O 1-0 não era um mau resultado, mas o segundo golo acabou por mudar um pouco as coisas.

Topo