O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Desempates em finais da Taça UEFA e UEFA Europa League

Seis finais da Taça UEFA e UEFA Europa League decidiram-se nos penalties: o UEFA.com recorda os desfechos emocionantes com vídeos dos remates vitoriosos.

Watch six classic penalty shoot-outs
Watch six classic penalty shoot-outs

Amados por uns, detestados por outros – e o RCD Espanyol é quem tem mais razões de queixa – os desempates por grandes penalidades garantem emoção, com seis finais da Taça UEFA e UEFA Europa League a terem sido decididas desta forma.

1984: Tottenham Hotspur 1-1 RSC Anderlecht
(total: 2-2, Tottenham vence por 4-3 nos penalties)

Arnór Gudjohnsen teve a infelicidade de ver o penalty decisivo ser defendido por Tony Parkes, titular no lugar de Ray Clemence, lesionado. "Tony era um jovem confiante, sem medo, e que tinha um talento nato para defender penalties", recorda-se o colega Paul Miller.

1988: Bayer 04 Leverkusen 3-0 RCD Espanyol
(total: 3-3, Leverkusen vence por 3-2 nos penalties)

Depois de ter perdido a primeira mão por 3-0, o Leverkusen igualou a eliminatória com um triunfo idêntico na Alemanha, e apesar de Ralf Falkenmeyer ter falhado a primeira tentativa germânica, o Espanhol falhou as suas três últimas. "Quando fiz o 3-2 e o jogador adversário falhou, fiquei tão eufórico", disse Klaus Täuber. "Seria tão bom viver esse dia mais uma vez."

1997: FC Internazionale Milano 1-0 FC Schalke 04
(total: 1-1, Schalke vence por 4-1 nos penalties)

O Schalke manteve a calma após uma derrota por 1-0 em Milão, enquanto Iván Zamorano e Aron Winter foram incapazes de marcar para o Inter. Assim, Marc Wilmots teve a honra de cobrar o remate decisivo. "Foi o remate mais importante da minha vida e abriu novos horizontes para o Schalke. Ninguém esperava que chegássemos tão longe", recorda-se.

2000: Galatasaray AŞ 0-0 Arsenal FC
(ap, Galatasaray vence por 4-1 nos penalties)
O remate de Gheorghe Popescu, em Copenhaga, permitiu ao Galatasaray tornar-se na primeira equipa turca a vencer um título europeu. "Só me recordo do momento em que coloquei a bola no relvado. Após isso, acordei ao lado dos adeptos, abraçado por outros jogadores. Talvez essa falta de memória se deva à alegria de ter marcado esse penalty", disse.

2007: RCD Espanyol 2-2 Sevilla FC
(ap, Sevilha vence por 3-1 nos penalties)
A infelicidade do Espanhol tornou-se incomensurável quando perdeu a segunda final da Taça UEFA nos penalties, com Antonio Puerta e o guarda-redes Andrés Palop, autor de três defesas, a decidirem a contenda em Glasgow. "Antes do desempate estava muito nervoso. Os penalties têm a ver com intuição e sorte – e eles estiveram do nosso lado", admitiu o guardião.

2014: Sevilla FC 0-0 SL Benfica
(ap, Sevilha vence por 4-2 nos penalties)

O segundo desaire seguido do Benfica na final da UEFA Europa League, e o terceiro triunfo do Sevilha, foi decidido pela finalização de Kévin Gameiro, após Beto ter detido os remates de Óscar Cardozo e Rodrigo. "Sei que ele é um jogador frio, que lida bem para a pressão", disse o guardião depois de ver o último remate. "Só queria que ele marcasse, por isso quando aconteceu, foi como sentir uma grande explosão no coração. Bastante orgulho e alegria."