Bergvold quer vencer "viola" em dia de aniversário

Os presságios parecem positivos para o médio do Esbjerg, Martin Bergvold, que declarou que uma vitória sobre a Fiorentina nos 16 avos-de-final seria "uma excelente prenda de aniversário".

Martin Bergvold em acção pelo Livorno, onde se estreou frente à Fiorentina
Martin Bergvold em acção pelo Livorno, onde se estreou frente à Fiorentina ©Getty Images

O único jogador do Esbjerg fB que já jogou em Itália, Martin Bergvold, espera que a partida de quinta-feira, dos 16 avos-de-final da UEFA Europa League, diante da ACF Fiorentina lhe dê mais uma razão para festejar.

Atleta do AS Livorno entre 2007 e 2010, o médio aponta a uma vitória no reencontro com o clube "viola", no dia do seu 30º aniversário, afirmando: "Seria uma forma excelente de festejar o meu aniversário e é ainda mais especial porque me estreei pelo Livorno frente à Fiorentina, também próximo do meu aniversário." Nesse dia 28 de Janeiro de 2007, o Livorno perdeu por 2-1.

A equipa dinamarquesa já excedeu as expectativas de muita gente ao qualificar-se na fase de grupos. Para trás deixou ficar clubes de renome, eliminando notavelmente o AS Saint-Étienne no 'play-off' e derrotando o R. Standard de Liège em casa e fora no Grupo C. "Isso dá-nos uma boa margem para acreditar, pelo que não vejo razões para não protagonizarmos outra surpresa diante da Fiorentina", disse Bergvold. "Espero que consigamos, mas, de qualquer forma, vai ser uma experiência excelente."

Antigo jogador do FC København e do Lyngby BK, sabe que a equipa de Niels Frederiksen tem pela frente um duro teste frente a um adversário que já garantiu lugar na final da Taça de Itália e que compete, na Serie A, por uma vaga na UEFA Champions League.

"Claro que vai ser complicado, particularmente porque a Liga deles prosseguiu no Inverno enquanto nós apenas disputámos amigáveis", explicou Bergvold, que transferiu-se para o Esbjerg em 2012/13 depois de uma segunda passagem pelo seu primeiro clube, o Copenhaga. "Contudo, o calendário deles pode também fazer com que estejam um pouco cansados, enquanto nós poderemos partir para o jogo com energia e entusiasmo."

"E talvez até nem saibam assim tanto sobre nós, pelo que não julgo que seja irrealista um triunfo por 1-0 ou um empate sem golos", acrescentou o antigo internacional Sub-21 dinamarquês. "Tentar parar a veia goleadora deles será crucial. Se o conseguirmos vamos ter uma segunda mão interessante em Itália."