Magia argentina à solta na Luz

Benfica 4-1 PSV Eindhoven
Eduardo Salvio (2), Pablo Aimar e Javier Saviola apontaram os golos que dão boa vantagem aos "encarnados".

Magia argentina à solta na Luz
Magia argentina à solta na Luz ©UEFA.com

O Benfica venceu em casa o PSV Eindhoven, por 4-1, em partida da primeira mão dos quartos-de-final da UEFA Europa League. Com uma exibição convincente, a turma portuguesa averbou uma vantagem importante para a partida da segunda mão, se bem que os holandeses esperam tirar partido do golo apontado fora de portas.

O conjunto "encarnado" iniciou a partida sem grandes surpresas, à excepção da entrada no "onze" do defesa-central Jardel, com Sidnei a ficar no banco de suplentes. A jogar em casa, os comandados de Jorge Jesus entraram ao ataque e cedo procuraram visar a baliza do conjunto holandês, que parecia apostado em explorar o contra-ataque.

Aos seis minutos, o Benfica criou o primeiro lance de perigo, após cruzamento de Salvio do lado direito. A bola acabou por sobrar para Javier Saviola, que rematou à meia-volta, com o esférico a embater no poste da baliza à guarda de Andreas Isaksson. Dois minutos depois, o argentino esteve novamente perto do golo, após incursão na grande área. Saviola picou a bola com intenção, mas o remate saiu ligeiramente ao lado.

Aos 12 minutos foi a vez de Salvio desperdiçar uma boa ocasião, na sequência de um cruzamento de Maxi Pereira. O argentino rematou de primeira mas o disparo saiu muito por alto. Aos poucos o PSV começou a assentar mais o seu jogo, equilibrando as operações a meio-campo.

Sinal do ascendente dos visitantes, aos 19 minutos, Marcus Berg ficou muito perto do golo, após cruzamento de Balázs Dzsudzsák. Contudo, o cabeceamento do avançado sueco saiu ligeiramente ao lado. Aos 25 minutos, Dzsudzsák esteve novamente em foco no lado esquerdo, tendo efectuado um cruzamento tenso, ao qual dois companheiros falharam a emenda por pouco.

À passagem da meia-hora o Benfica voltou a responder, desta feita com uma "bomba" de Óscar Cardozo à entrada da área. O remate levava selo de golo mas Isaksson correspondeu com uma excelente defesa. Aos 31 minutos, o Benfica desperdiçou nova ocasião para inaugurar o marcador, após remate de Saviola. Nicolás Gaitán, em excelente posição para fazer a emenda de cabeça, atirou ao lado. No minuto seguinte a bola entrou mesmo na baliza holandesa, mas o lance foi invalidado por posição irregular de Cardozo.

Aos 36 minutos o Benfica chegou finalmente ao golo, após lance no lado esquerdo, num entendimento perfeito entre Gaitán e Fábio Coentrão. Cardozo falhou a emenda, mas Pablo Aimar, vindo de trás, atirou a contar para delírio dos milhares de adeptos que praticamente encheram o Estádio da Luz. Até ao intervalo, os homens da casa aproveitaram para dilatar a vantagem, aos 44 minutos. Coentrão entrou na área, cruzou tenso e Salvio, com um toque subtil, fez o 2-0 mesmo em cima do descanso.

Na segunda parte, os homens da casa voltaram a entrar com sinal mais e fez o 3-0 aos 51 minutos, num lance de inspiração de Salvio. O extremo argentino desembaraçou-se de dois opositores, já dentro da área e rematou cruzado, sem hipóteses de defesa para Isaksson.

Os homens de Fred Rutten tentaram naturalmente reagir mas o Benfica não consentia veleidades ao adversário. Aos 63 minutos Salvio cruzou da direita e Saviola, completamente isolado, atirou de cabeça mas a bola embateu num adversário acabando por sair pela linha de fundo.

Ainda assim, aos 64 minutos, o PSV desperdiçou uma soberana oportunidade para reduzir, com Jeremain Lens a falhar o remate acrobático por muito pouco. Na resposta Cardozo atirou para defesa atenta de Isaksson, que negou o quarto tento do Benfica, que continuou em bom nível até final, pese embora o PSV tenha reduzido, aos 80 minutos, por intermédio do recém-entrado Zakaria Labyad. Lens cruzou do lado esquerdo, Roberto não segurou a bola, tendo permitindo a emenda do jogador do PSV. O jogo não terminaria sem o quarto golo do Benfica, em cima do minuto 90, da autoria de Saviola.

 

Topo