O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Manninger mantém exigência elevada

O guarda-redes Alex Manninger, da Juventus, disse ao UEFA.com que gostaria que a sua equipa "começasse de forma agressiva mais vezes", após marcar três golos na primeira parte frente ao Fulham.

A Juve festeja o golo de David Trezeguet, o terceiro da equipa frente ao Fulham
A Juve festeja o golo de David Trezeguet, o terceiro da equipa frente ao Fulham ©Getty Images

Depois de ver a Juventus marcar por três vezes numa primeira parte demolidora, Alex Manninger atribuiu o mérito da vitória da sua equipa sobre o Fulham FC à velocidade com que os italianos iniciaram a partida. "Temos que começar de forma agressiva mais vezes", afirmou o guardião dos "bianconeri".

Manninger teve uma noite relativamente calma, com excepção para os cinco minutos frenéticos antes do intervalo, quando o ex-guarda-redes do Arsenal FC defendeu remates de Brede Hangeland, Bobby Zamora e Zoltán Gera. No entanto, depois de David Trezeguet ter feito o 3-1 à beira do intervalo, que se seguiu ao cabeceamento de Nicola Legrottaglie, aos nove minutos, ao golo fantástico de Jonathan Zebina e à resposta de Dickson Etuhu, a Juventus conseguiu manter o perigo afastado da sua baliza na etapa complementar.

"Se me tivessem perguntado antes do jogo teria aceitado de imediato o 3-1, porque sabia de antemão que íamos ter pela frente um adversário difícil", disse Manninger ao UEFA.com. "O Fulham é uma boa equipa, organizada e está a realizar uma boa temporada na Premier League, por isso sabíamos que seria difícil marcar. Mas estávamos decidimos a fazê-lo e marcar três golos constitui uma excelente vantagem para nós. Tínhamos acordado que era necessário começar os jogos de forma mais agressiva. Foi o nosso ponto forte na época passada e sempre foi essa a força da Juve no passado. Temos de impor o nosso ritmo de jogo e proceder da mesma forma na próxima semana, de modo a garantir o apuramento".

A Juventus conteve a ameaça dos "cottagers" de forma exímia depois do intervalo e, apesar de ter sofrido um golo, a equipa de Alberto Zaccheroni ficou largamente satisfeita com o trabalho efectuado. "Realizámos uma primeira parte soberba e não sofrer um segundo golo foi realmente importante", disse Hasan Salihamidžić ao UEFA.com. "Teria sido ainda melhor se não tivéssemos sofrido nenhum, mas estou satisfeito com o resultado. Somos sempre perigosos nos lances de bola parada, o Nicola [Legrottaglie] é muito forte no jogo aéreo e o Jonathan [Zebina] marcou um golo incrível".

O Fulham lamentou o facto de o curso do jogo não ter mudado depois de ter reduzido a desvantagem, antes de Trezeguet fazer o 3-1 à beira do intervalo. "Estamos desiludidos por termos sofrido dois golos em lances de bola parada", disse Zamora ao UEFA.com. "Mas criámos algumas oportunidades na etapa complementar e dificultámos a tarefa deles, por isso não creio que o resultado reflicta o nosso desempenho. Eles começaram fortes e marcaram um bom golo. Foi como que um murro no estômago, imprevisto, mas continuámos a trabalhar muito, aumentámos a pressão na segunda parte e criámos algumas boas ocasiões, que com um pouco mais de sorte podiam ter sido concretizadas".