Prudência e confiança

O treinador do Benfica, Fernando Santos, encara com prudência o embate com o Dínamo de Bucareste, enquanto João Pinto acredita que o Braga pode eliminar o Parma.

O treinador do Benfica, Fernando Santos, encara com prudência o embate com o FC Dinamo 1948 Bucuresti, referente aos 16 avos-de-final da Taça UEFA. Já João Vieira Pinto, avançado do Braga, vai reencontrar o Parma FC, um velho conhecido dos tempos em que envergava as cores do Benfica.

Fernando Santos prudente
"Prefiro jogar primeiro em casa o primeiro jogo, até porque acho que isso não é indiferente. Quanto ao adversário, é preciso termos algum cuidado. É o primeiro classificado no seu país, com mais 13 pontos que o Steaua e isso naturalmente quer dizer que tem uma equipa forte. É uma eliminatória em aberto e na altura temos de estar preparados para seguir em frente. O nosso objectivo é, naturalmente, passar", disse Fernando Santos. Mircea Rednic, treinador do Dínamo, afirmou: "Obviamente, será uma eliminatória difícil, porque o Benfica é uma equipa experiente que até poderia ter-se qualificado para os oitavos-de-final da UEFA Champions League. Contudo, temos dois meses para nos prepararmos e vamos reforçar a nossa equipa".

João Pinto busca vingança
João Pinto, autor de um dos golos do Braga na vitória, por 2-0, sobre o Grasshopper-Club, que valeu a presença da sua equipa nesta fase da prova. O próximo adversário dos minhotos é o Parma, vencedor em 1999, uma equipa com que o avançado tem contas a ajustar. O antigo internacional português integrava as fileiras do Benfica quando os "encarnados" foram derrotados pelo Parma nas meias-finais da Taça dos Vencedores das Taças de 1993/94, e realça que a confiança será fundamental parta um bom resultado. "Mais do que nunca, o Braga precisa de acreditar que tudo é possível. Temos de estar confiantes e demonstrar maturidade para defrontar o Parma. Apesar de não ter estado tão forte nos últimos anos, são uma boa equipa e os portugueses sempre encontraram dificuldades perante clubes italianos. Mas penso que é possível passarmos".

Difícil para o Feyenoord
Apesar das boas recordações do Feyenoord, depois de ter vencido a equipa inglesa, por 4-2, e conquistado a competição em 1974, o técnico Erwin Koeman admitiu que foi um "sorteio difícil", frente a uma equipa do Tottenham orientada pelo holandês Martin Jol. "Para conseguirmos um bom resultado lá temos de preparar-nos bem para o poder físico do Tottenham", disse Koeman, cuja equipa empatou sem golos com outra formação inglesa, o Blackburn Rovers FC, na fase de grupos. "Por outro lado, há sempre mais espaço para jogar diante de equipas inglesas, como pudemos ver no jogo contra o Blackburn. Mas considero o Tottenham uma melhor equipa".

Jol encontra vantagens
Por outro lado, Jol ficou satisfeito pelo Tottenham, que venceu os quatro jogos do Grupo B, ter "a vantagem" de jogar a segunda mão no seu estádio. "Não foi um mau sorteio para nós. Provavelmente não estão tão fortes como quando defrontaram os "spurs" na final da Taça UEFA de 1974, mas, ainda assim, é um grande clube que tem uma média de assistência entre os 45 e os 50 mil espectadores, pelo que será difícil jogar lá", afirmou Jol.

Bremen defronta Ajax
Outro clube holandês, o AFC Ajax, tem um grande teste pela frente, já que vai medir forças com o Werder Bremen, que lidera o campeonato alemão. Apesar de o Bremen ter chegado à Taça UEFA depois de não ter conseguido manter-se na UEFA Champions League, o técnico Thomas Schaaf não está à espera de facilidades. "Com o Ajax, vamos permanecer no mesmo nível existente na UEFA Champions League", disse. "O Ajax tem sido uma presença habitual ao longo dos anos e os nossos adeptos sabem a dimensão que o nome encerra. É um adversário interessante e os jogos entre alemães e holandeses têm sempre alguma tensão".

"Encanto especial" para Skibbe
Um duelo entre ingleses e germânicos também vale sempre a pena acompanhar, ou, segundo as palavras do treinador do Bayer 04 Leverkusen, Michael Skibbe, "tem o seu encanto especial". Em reacção ao resultado do sorteio, que colocou no seu caminho o Blackburn, vencedor do Grupo E, Skibbe declarou: "Conhecemos bem muitos dos jogadores do Rovers, como o guarda-redes Brad Friedel, Tugay Kerimoğlu e Benni McCarthy. Estamos muito optimistas, mas é uma pena jogarmos primeiro em casa".