O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Os reis das reviravoltas

Os reis das reviravoltas
Os reis das reviravoltas ©Getty Images

O Real Madrid CF da época de 1985/86 era uma equipa que nunca baixava os braços. Os espanhóis foram derrotados pelo AEK Athens, VfL Borussia Mönchengladbach, Neuchâtel Xamax FC, Internazionale FC e 1. FC Köln e, mesmo assim, ainda conseguiram ganhar a Taça UEFA.

Recuperação fantástica
A maior reviravolta aconteceu na terceira eliminatória, frente ao Mönchengladbach. O Real saiu da República Federal da Alemanha vergado a uma pesada derrota por 5-1 mas, em Madrid, conseguiu uma goleada de 4-0 e seguiu em frente graças ao golo conseguido em casa do adversário. A capacidade de recuperação dos "merengues" voltou a ser testada no embate com o Inter, que foi uma repetição da meia-final do ano anterior. Os "nerazzurri" venceram na primeira mão, por 3-1, mas, em Espanha, o Real conseguiu uma grande goleada, com Hugo Sánchez e Carlos Santillana a bisarem e Rafael Gordillo a fazer o quinto golo da equipa da casa, num resultado final de 5-1.

Goleador Allofs
As boas exibições levaram a que os espanhóis fossem considerados favoritos na final com o Colónia, que tinha afastado Sporting Gijón, CU Bohemians Praha, Hammarby IF FF, Sporting e KSV Waregem. A equipa da Bundesliga era presença habitual nas meias-finais, mas esta foi a primeira vez que teve a oportunidade de discutir uma final europeia. Os alemães contavam com Klaus Allofs, o melhor goleador da Taça UEFA, que foi o primeiro a marcar no Santiago Bernabéu.

Resposta arrasadora
A equipa da casa respondeu de imediato e construiu mais uma goleada. Sánchez, Gordillo e Jorge Valdano colocaram o mercador em 3-1 e, nos últimos minutos, Santillana e Valdano completaram um resultado que decidiu o destino do troféu. Na segunda mão, disputada no Olympiastadion, o Colónia conseguiu um triunfo por 2-0, mas isso não impediu o Real Madrid de vencer a Taça UEFA pelo segundo ano consecutivo.