Fase final - Fase de grupos (Grupo C ) - 14-06-2004 - 20:45CET (19:45 Hora local) - José Alvalade - Lisboa
5-0
 

Suécia - Bulgária 5-0 - 14-06-2004 - Página do jogo - UEFA EURO 2004

 
O "site" oficial do futebol europeu

As duas faces da tradição sueca

Publicado: Domingo, 13 de Junho de 2004, 21.00CET
O registo sueco em jogos de abertura deixa muito a desejar, mas o resultados conseguidos frente à Bulgária apontam para o sucesso.
por David Farrelly

Estatísticas da prova

SuéciaBulgária

Golos marcados8
 
1
Total de tentativas57
 
26
Remates à baliza27
 
9
Remates para fora24
 
15
Remates interceptados0
 
0
Remates nos postes3
 
0
Cantos24
 
7
Foras-de-jogo15
 
3
Cartões amarelos8
 
15
Cartões Vermelhos0
1
Faltas cometidas82
 
59
Faltas sofridas77
 
51
Publicado: Domingo, 13 de Junho de 2004, 21.00CET

As duas faces da tradição sueca

O registo sueco em jogos de abertura deixa muito a desejar, mas o resultados conseguidos frente à Bulgária apontam para o sucesso.

A Bulgária e a Suécia, duas selecções que possuem no trabalho colectivo e na organização táctica vectores vitais na sua abordagem ao jogo, vão medir forças em Lisboa, no Estádio José Alvalade, ambas esperançadas em colocar um ponto final em recordes negativos.

Conteúdos relacionados

Falsas partidas
A Suécia tentará ultrapassar os nervos característicos da primeira noite, procurando inverter a sequência negra de oito jogos sem vencer na abertura de uma grande competição internacional. A última ocasião em que os nórdicos conquistaram uma vitória aconteceu no Campeonato do Mundo de 1958, quando registaram um confortável triunfo, por 3-0, sobre o México.

Registo para esquecer
A Bulgária, por seu turno, tenta alterar um registo altamente negativo frente aos suecos. Desde o triunfo nos dois primeiros duelos, os búlgaros empataram dois encontros e perderam sete, numa caminhada titubeante que remonta a 1967.

"Equipa nova"
O experiente Marian Hristov, que participou nos últimos dois desafios entre as equipas, espera mostrar aos suecos que alguma coisa mudou desde 1998. "Há seis anos, quando perdemos por 1-0 com a Suécia, em Burgas, num desafio de qualificação para o [UEFA] EURO 2000™, atravessávamos  uma transição de gerações", explicou o centrocampista. "Hoje, porém, somos uma equipa completamente diferente".

Trabalho de casa
Presentemente, os búlgaros acreditam que fizeram o trabalho de casa suficiente para neutralizar uma equipa sueca que realizou uma entrada pouco auspiciosa na campanha de qualificação para o UEFA EURO 2004™, antes de registar cinco triunfos consecutivos que abriram caminho à presença na fase final do torneio. Plamen Markov, seleccionador da Bulgária, institucionalizou um fiável esquema de 4-4-1-1, desenvolvendo uma equipa que não funciona necessariamente em função das características dos seus melhores executantes.

Combinação perfeita
Na busca da combinação perfeita, Markov incorporou Zoran Jankovic, de origem sérvia, na selecção nacional, após um período em que o jogador da formação chinesa Dalian Shide FC actuou por empréstimo no PFC Litex Lovech. Jankovic joga no apoio à principal referência búlgara, Dimitar Berbatov. Consequentemente, Stilian Petrov, que no Celtic FC goza, habitualmente, de liberdade no meio-campo, será desviado para missões mais defensivas, juntamente com Hristov.

Tradição
Apesar de os escandinavos possuírem um segundo e um terceiro lugar em Campeonatos do Mundo, apenas venceram dois encontros em fases finais do Campeonato da Europa, precisamente há 12 anos, frente à Dinamarca, que haveria de conquistar o torneio. Nos sete anos que leva ao leme da selecção, a dupla de técnicos composta por Lars Lagerbäck e Tommy Söderberg manteve-se fiel à tradição sueca de apresentar equipas solidárias, em que todos trabalham arduamente em prol do colectivo.

Técnico satisfeito
"Tudo correu muito bem até ao momento e atingimos com facilidade os planos delineados para o período que antecedeu a partida", constatou Lagerbäck. "Todos os jogadores se portaram muito bem no treinos e penso que estamos preparados para a tarefa".

Larsson moraliza
Os suecos esperam que Henrik Larsson e Zlatan Ibrahimovic  emprestem à equipa o poder de fogo que a impulsione na direcção dos quartos-de-final, com a decisão de Larsson de interromper o exílio da cena futebolística internacional a traduzir-se num precioso auxílio. O seu registo ante a Bulgária é um excelente prenúncio: Larsson assinou cinco golos em outros tantos jogos com os búlgaros, incluindo um na goleada, por 4-0, obtida no Mundial de 1994.

Escolhas do meio-campo
Entretanto, ao colocarem Kim Källström ao lado de Tobias Linderoth, Lagerbäck e Söderberg visam abortar a aposta  estratégica dos búlgaros na liberdade de Jankovic, embora a presença dos dois jogadores signifique que Anders Svensson ou Christian Wilhelmsson não vão figurar no onze inicial.

Bom momento
Mas a Bulgária não será um adversário fácil, sobretudo se tivermos em conta que na campanha de qualificação deixou pelo caminho a Croácia e a Bélgica, terminando cinco dos oito jogos com as suas redes invioláveis. Tal como o seu opositor nórdico, os búlgaros apenas perderam um desafio na qualificação - o último, frente à Croácia, com a passaporte previamente carimbado.

Conhecimento profundo
"Penso que conhecemos tudo sobre a Suécia: os seus pontos fortes e as suas fragilidades", revelou Markov. Resta apenas saber se a sua equipa será suficientemente competente para não repetir as recentes más exibições frente ao seu próximo adversário.

Suécia (equipa provável): Isaksson; Lucic, Jakobsson, Mellberg e Edman; Nilsson, Linderoth, Källström e Ljungberg; Ibrahimovic e Larsson

Bulgária (equipa provável): Zdravkov; Ivailo Petkov, Pazin, Kirilov e Ivanov; Milen Petkov, Stilian Petrov, Hristov e Peev; Jankovic; Berbatov

Árbitro: M Riley (Ing)

Última actualização: 15-06-04 11.32CET

http://pt.uefa.com/uefaeuro/season=2004/matches/round=1581/match=1059169/prematch/preview/index.html#as+duas+faces+tradicao+sueca