O "site" oficial do futebol europeu

Milagre espanhol nos descontos

Publicado: Segunda-feira, 6 de Outubro de 2003, 12.06CET
Jugoslávia 3-4 Espanha
A necessitar de uma vitória, a Espanha estava a perder 3-2 à entrada dos descontos, mas conseguiu a reviravolta.
Milagre espanhol nos descontos
Alfonso Pérez deu a vitória a Espanha ©Getty Images

Estatísticas dos jogos

JugosláviaEspanha

Golos marcados3
 
4
Cartões amarelos5
 
1
Cartões vermelhos1
 
0

Classificação

Legenda:

J: Jogados   
Pts: Pontos   
Última actualização: 16/10/2015 10:52 CET
Publicado: Segunda-feira, 6 de Outubro de 2003, 12.06CET

Milagre espanhol nos descontos

Jugoslávia 3-4 Espanha
A necessitar de uma vitória, a Espanha estava a perder 3-2 à entrada dos descontos, mas conseguiu a reviravolta.

No jogo mais incrível disputado até então no UEFA EURO 2000, a Espanha, no último minuto, passou de eliminada a qualificada para os quartos-de-final. Os golos no tempo de descontos de Gaizka Mendieta e Alfonso Pérez viraram tudo a favor, quando o jogo parecia já perdido, ficando a Espanha primeira no grupo e a Jugoslávia, também qualificada, em segundo, depois do empate entre a Eslovénia e a Noruega.

A Espanha, que precisava de uma vitória para manter intactas as esperanças numa qualificação, começou o jogo frente a um público muito ruidoso, e logo desde aí as acções foram frenéticas com um livre de Siniša Mihajlović que passou na frente da baliza espanhola, mas que falhou o alvo. A estrela da S.S. Lazio, que regressara da suspensão pelo vermelho visto contra a Eslovénia, executou mais um dos seus potentes remates, tendo a bola passado por cima da barra, e Savo Milošević rematou de cabeça mas por cima, mostrando o elevado ritmo imposto pelos balcânicos logo no início.

A Espanha reagiu por Ivan Helguera que recolheu um passe de Sergi e disparou a centímetros do poste. Minutos depois, Alfonso não acertou o remate após cruzamento de Michel Salgado da direita. A Espanha equilibrava as coisas a meio-campo depois do vendaval inicial da Jugoslávia. O guarda-redes jugoslavo Ivica Kralj evitou por duas vezes as tentativas de Mendieta, primeiro indo ao chão para defender um livre directo e depois interceptando um lançamento longo.

O ritmo manteve-se vertiginoso à passagem da meia-hora, e o guardião espanhol Santiago Cañizares aliviou precipitadamente perante o perigoso Milošević, mostrando uma vez mais a ameaça jugoslava. Esperava-se o golo que veio aos 33 minutos. Jugovic lançou Ljubinko Drulovic, e o cruzamento do extremo esquerdo foi direito à cabeça de Milosevic que abriu o marcador. A Espanha reagiu de imediato e quase empatou quando Abelardo de cabeça rematou para fora. Aos 40 minutos a Espanha marca. Raul levou a bola até à grande área, Alfonso recebe a bola no coração duma hesitante defesa jugoslava e rematou com êxito. Raúl forçou Kralj a uma grande defesa, pouco depois não acertou na bola após centro de Mendieta e Exteberria disparou um remate que rasou o poste. A Espanha, obviamente pela força do empate, acabou a primeira parte em cima da Jugoslávia.

A Jugoslávia voltou à liderança no marcador aos 52 minutos, quando Dejan Govedarica, que substituíra Vladimir Jugović ao intervalo, recebeu um passe de Drulovic para, à entrada da área, rematar de forma calma e colocada batendo Santiago Cañizares. A Espanha volta a responder de imediato, e de novo um jogador entrado na segunda parte, Pedro Munitis, fez um excelente remate em arco a 20 metros que bateu Kralj.

O jogo estava vivo, bem quente, com muitas faltas e picardias intercaladas com momentos de grande qualidade. Não surpreendeu que a Jugoslávia ficasse reduzida a dez jogadores aos 64 minutos, quando Slavisa Jokanovic foi expulso por derrubar Munitis no lado esquerdo. Foi o terceiro cartão vermelho em três jogos, mas a Jugoslávia não se ressentiu da falta de um jogador e voltou de novo à frente do marcador, a 17 minutos do fim. A defesa espanhola não conseguiu aliviar um livre de Siniša Mihajlović, Govedarica cabeceou para Slobodan Komljenovic fazer o golo.

Com o tempo a escoar-se, Josep Guardiola fez Kralj voar para sacudir para canto um balão traiçoeiro e uma tentativa de Alfonso foi defendida pelo guardião contrário, à medida que o cerco à defesa jugoslava aumentava cada vez mais. O jogo parecia terminado para os homens de Camacho, mas eles conseguiram chegar à vitória num final dramático. Primeiro, uma queda de Abelardo na área proporcionou a Mendieta o empate de penalty. A seguir foi Alfonso a marcar o tento da vitória, provocando o delírio entre os espanhóis. Os perplexos jogadores jugoslavos ficaram à espera que fosse anunciado o resultado do jogo Noruega-Eslovénia e, após a notícia do empate, conseguiram sair do campo aliviados.

Última actualização: 22-05-12 23.27CET

http://pt.uefa.com/uefaeuro/season=2000/matches/round=1458/match=64861/postmatch/report/index.html#espanha+salva