Meias-finais - 26-06-1996 - 17:00CET (16:00 Hora local) - Old Trafford - Manchester
0-0
República Checa vence 6-5 nos penalties 

França - República Checa 0-0 - 26-06-1996 - Página do jogo - UEFA EURO 1996

O "site" oficial do futebol europeu

Checos na final graças aos penalties

Publicado: Segunda-feira, 6 de Outubro de 2003, 11.13CET
França 0-0 República Checa (5-6 nos penalties)
Petr Kouba foi o herói dos checos ao negar a conversão de Reynald Pedros no desempate e apurá-los para a final de Wembley.
Checos na final graças aos penalties
Os jogadores da República Checa festejam o apuramento para a final ©Getty Images

Estatísticas dos jogos

FrançaRepública Checa

Golos marcados0
 
0
Remates à baliza0
 
0
Remates para fora0
 
0
Cantos0
 
0
Faltas cometidas0
 
0
Cartões amarelos3
 
3
Cartões vermelhos0
 
0

Classificação

Publicado: Segunda-feira, 6 de Outubro de 2003, 11.13CET

Checos na final graças aos penalties

França 0-0 República Checa (5-6 nos penalties)
Petr Kouba foi o herói dos checos ao negar a conversão de Reynald Pedros no desempate e apurá-los para a final de Wembley.

Dizimada por castigos, a República Checa fez uma bela exibição a nível defensivo e derrotou a França no desempate por grandes penalidades, chegando à primeira final de um Campeonato da Europa como país independente.

Os checos tinham surpreendido ao atingir, sem grandes sobressaltos, as meias-finais, mas o caminho para a final complicou-se com as ausências de Jan Suchopárek, Radoslav Látal, Pavel Kuka e Radek Bejbl, todos suspensos. Os franceses também não contavam com o capitão Didier Deschamps (lesão) nem com o médio Christian Karembeu (castigo) e o jogo de Old Trafford revelou-se muito fechado. A decisão aconteceu nos penalties e o falhanço de Reynald Pedros foi decisivo para a vitória da equipa de Dušan Uhrin, por 6-5.

A emoção esteve arredada do encontro durante a maior parte do tempo e nada de relevante se passou até ao intervalo. No início da segunda parte, Youri Djorkaeff, o habitual agitador da selecção francesa, voltou a entrar em acção. Em duas ocasiões no espaço de dois minutos, o avançado esteve perto de dar vantagem à equipa de Aimé Jacquet ao acertar na barra num remate a 25 metros da baliza checa, antes de falhar o alvo num espectacular pontapé de bicicleta.

O atrevimento de Djorkaeff acordou os checos e a velocidade de Patrik Berger deu, finalmente, razões de preocupação à França. Karel Poborský também deu vida ao ataque checo, mas apenas com um atacante a quem passar a bola, o trabalho dos médios da República Checa acabou por não dar frutos.

A história foi mais ou menos a mesma do lado francês, pois Patrice Loko pareceu sempre demasiado sozinho no ataque (Pedros saltou do banco para animar a partida) e o prolongamento tornou-se inevitável. Pedros e Loko estiveram perto de desfazer o nulo, mas a regra de golo de ouro não serviu para mais do que encorajar as equipas a abordar o jogo de forma ainda mais conservadora.

Seguiram-se cinco grandes penalidades transformadas por cada equipa, até que Petr Kouba negou o golo a Pedros. Na tentativa seguinte, Miroslav Kadlec, o capitão checo, ultrapassou a hesitação inicial e rematou de forma eficaz e prolongou a improvável aventura da equipa até à final de Wembley.

Última actualização: 23-05-12 10.36CET

http://pt.uefa.com/uefaeuro/season=1996/matches/round=224/match=52915/postmatch/report/index.html#checos+chegam+final